Imagem da matéria: MPF prende Eike Batista e diz que empresário lavava dinheiro com bitcoin e outras criptomoedas
Foto: Shutterstock

O ex-empresário e ex-bilionário Eike Batista foi preso nesta quinta-feira (08) pelo Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro na operação Segredo de Midas. De acordo com o jornal Folha de São Paulo, os procuradores encontraram evidências de que Eike estava negociando bitcoin e criptomoedas.

O jornal também afirma que o MPF encontrou na casa do empresário um manuscrito que continha o login e senha da exchange brasileira BitcoinTrade. A conta estava no nome de Flavia Sampaio, esposa de Eike.

Publicidade

A Folha cita ainda que a investigação acredita que o próprio Eike usava a corretora com objetivo de lavar dinheiro e que o juiz Marcelo Bretas autorizou a entrada na conta.

O comunicado à imprensa do MPF enviado durante a manhã, contudo, não cita criptomoedas. Fala apenas que está apurando crimes de manipulação de mercado e utilização de informação privilegiada.

“As investigações realizadas a partir das operações Eficiência e Hashtag revelaram que as mesmas contas utilizadas para o pagamento de propina a Sérgio Cabral foram usadas para manipular ações de empresas envolvidas em contextos negociais com Eike Batista”, diz o texto.

Eike, bitcoin e blockchain

Desde pelo menos março de 2018, Eike já demonstrava conhecimento na tecnologia. Na ocasião, o antigo homem mais rico do Brasil, que já vinha sendo investigado pela Lava Jato, usou seu canal do Youtube para falar sobre bitcoin e blockchain.

Publicidade

“A tecnologia blockchain impede falsificações através de um constante processo de criptografia, criando um sistema inexpugnável – o que é muito importante por exemplo, para [o segmento de] cartões de crédito. Eu mesmo tive o meu cartão violado”, disse o empresário na época.

Na avaliação de Eike, o mundo das criptomoedas tende a passar por um processo semelhante ao das redes sociais. “Qual das criptomoedas vai vingar no final?”, ele questiona no vídeo.

“É como o Orkut. Quem ganhou a corrida e hoje domina foi o Facebook. As mídias sociais começaram de um jeito e quem ganhou foram nomes que surgiram no segundo ou terceiro ciclo”, disse, respondendo à própria pergunta.

VOCÊ PODE GOSTAR
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve