CBDC
Shutterstock

Pelo menos 114 bancos centrais – representando 58% de todos os países do mundo, um grupo que gera 95% do Produto Interno Bruto (PIB) global – agora estão já estão estudando as Moedas Digitais do Banco Central (CBDCs), contra os 35 que faziam o mesmo em maio de 2020. E uma equipe de analistas de criptomoedas do Bank of America estão completamente otimistas sobre essa tecnologia.

“As moedas digitais parecem inevitáveis”, conclui um novo relatório de pesquisa. “Vemos as blockchains e as moedas digitais, como CBDCs e stablecoins, como uma evolução natural dos sistemas monetários e de pagamento atuais”.

Publicidade

O relatório inclui análises dos potenciais benefícios e riscos das CBDCs – tanto em sua emissão quanto na não emissão – bem como possíveis abordagens para sua distribuição. Como parte do levantamento, também existem vários estudos de caso sobre o desenvolvimento e os desafios das CBDC em nações e blocos econômicos específicos.

Algumas observações importantes dos analistas giram em torno da infraestrutura antiquada do sistema financeiro atual e inúmeras ineficiências existentes hoje – problemas que as CBDCs podem resolver instantaneamente.

Remoção de intermediários

O potencial dos CBDCs para remover intermediários – uma vez que a tecnologia os torne redundantes – pode trazer operações em tempo real, total transparência e custos mais baixos, afirma o relatório.

Os analistas apontam para cerca de US$ 4 trilhões que os bancos são obrigados a depositar em correspondentes para eliminar os riscos de liquidação. O estudo argumenta que esta é uma alocação de capital ineficiente que, de outra forma, poderia estar gerando rendimento em outro lugar.

Publicidade

Além disso, bancos menos capitalizados e provedores de serviços de pagamento não podem se expandir para pagamentos internacionais, argumenta o relatório da pesquisa, em parte devido à exigência de pré-financiamento em bancos correspondentes:

“Na realidade, os pagamentos internacionais são encaminhados por meio de 2,6 bancos correspondentes diferentes, em média, aumentando o tempo de liquidação”, observa o relatório. “No entanto, 20% dos pagamentos internacionais denominados em euros exigem o envolvimento de mais de cinco bancos correspondentes. “

O resultado? Os pagamentos transfronteiriços custam dez vezes mais do que os pagamentos domésticos.

Redução dos desbancarizados

Os pesquisadores também preveem que a adoção do CBDC terá um impacto positivo na população sem banco, que é de 1,4 bilhão de pessoas em todo o mundo e 6,5% da população dos EUA, de acordo com dados de 2021 do Banco Central dos EUA.

Hoje, os não-bancarizados não podem acessar serviços financeiros padrão nem têm caminhos para construir seu histórico de crédito. Como resultado, eles enfrentam uma maior separação de sua riqueza – por exemplo, dependência de serviços de empréstimo consignado que oferecem apenas termos e condições abaixo da média.

Publicidade

Se uma carteira CBDC fosse desenvolvida para atender a serviços financeiros básicos, como reter, enviar e receber fundos, além de estabelecer históricos de crédito e fornecer pontuações de crédito, essa disparidade poderia ser quase totalmente eliminada.

“Um CBDC acessível para aqueles com contas bancárias e smartphones aumentaria a população bancarizada de 93,5% das famílias para 96,7% nos EUA”, afirma o relatório. “Remover a necessidade de um smartphone aumentaria a população bancarizada para 98%”.

CBDCs vs. stablecoins – Lutem!

O relatório também analisa o papel que as stablecoins podem desempenhar na adoção das CBDCs, observando o crescimento significativo nos volumes de transações de desse tipo de cripotmoeda nos últimos dois anos – que atingiram US$ 7,9 trilhões em 2022.

“A proliferação de stablecoins para pagamentos e transferências internacionais e domésticos pode inibir a capacidade de um banco central de implementar a política monetária se o crescimento permanecer sem controle e sem regulamentação, além de aumentar o risco sistêmico”, afirmam os autores do relatório.

“Em alguns casos, perdas de controle monetário pode levar a uma inflação significativamente acima das metas atuais do banco central”.

Publicidade

Como esses controles ainda têm um desempenho favorável em comparação com alguns sistemas financeiros tradicionais, os analistas dizem que “esperam que a adoção de stablecoins e o uso de pagamentos aumentem na ausência de CBDCs, à medida que as instituições financeiras exploram soluções de custódia e negociação de ativos digitais”.

Se a emissão de uma CBDC demorar muito, no entanto, os pesquisadores temem que as stablecoins possam proliferar ainda mais em pagamentos internacionais e até domésticos. Permitir que as stablecoins se consolidem “aumentará o risco sistêmico no mercado tradicional e impedirá a capacidade de um banco central de implementar a política monetária”.

O relatório considera um futuro no qual as stablecoins e as CBDCs podem coexistir. De acordo com os analistas, as stablecoins provavelmente continuarão a se destacar em certos casos de uso, especialmente quando contratos inteligentes estão envolvidos. No entanto, apenas algumas linhas depois, os pesquisadores sugerem que as stablecoins não vão durar muito neste mundo.

“O design e a programabilidade das CBDCs provavelmente determinarão o nível de adoção e uso futuros de stablecoin”, afirma o relatório. “

Cuidado, Tether, lá vêm eles.

Riscos das CBDCs para bancos e privacidade

Depois de seis páginas explorando os benefícios potenciais das CBDCs, os analistas do Bank of America se voltam para os riscos potenciais.

No topo da lista de riscos está a concorrência potencial entre bancos comerciais, como o Bank of America, e os bancos centrais. De acordo com os analistas, “os CBDCs são, de certa forma, superiores às contas bancárias como reservas de valor, principalmente em tempos de crise”.

Publicidade

Embora os bancos comerciais e os bancos centrais existam atualmente em um sistema de dois níveis, os CBDCs podem confundir as linhas de demarcação, de acordo com o relatório. Se os clientes dos bancos comerciais são capazes de transferir rápida e facilmente suas economias de um banco comercial para o banco central, como o banco comercial seria capaz de continuar tomando e emprestando os fundos de seus clientes?

De fato, o segundo risco dos analistas é que as corridas aos bancos possam ocorrer com mais frequência se salvaguardas não forem incluídas no design da CBDC.

“Em tempos de estresse no sistema bancário, as pessoas podem sacar depósitos e trocá-los por CBDCs, uma vez que não há risco de crédito ou liquidez se distribuído com as abordagens direta e híbrida, aumentando os riscos de estabilidade financeira”, escrevem eles.

Além do possível colapso do setor bancário comercial, os pesquisadores lidam com duas questões importantes: como os governos convencerão seus cidadãos a usar seu CBDC? E do que os governos serão capazes se e quando o fizerem?

Os lançamentos de políticas em larga escala quase certamente serão fragmentados, admitem os analistas, propensos a gafes e marcados por controvérsias.

Onze países já emitiram CBDCs, e os maiores bancos centrais do mundo estão explorando projetos ou lançando pilotos. Segundo os analistas, os primeiros CBDCs foram projetados principalmente para uso bancário de varejo e foram emitidos pelos bancos centrais das economias em desenvolvimento na tentativa de ampliar a inclusão financeira na ausência de um setor bancário comercial.

O CBDC do Banco Central do Caribe Oriental, uma das 11 tentativas de primeira geração, enfrentou um revés depois que a plataforma quebrou em janeiro de 2022 e não conseguiu facilitar as transações por dois meses.

“Emissão e adoção não são sinônimos e a adoção não é garantida”, escreveram os analistas.

Os bancos centrais estão, sem dúvida, prestando atenção aos sucessos e fracassos dessa classe inaugural de CBDCs. Enquanto isso, enquanto os governos estão se preparando para o lançamento de CBDCs de última geração, os analistas do Bank of America temem que a adoção convencional de CBDCs possa enfrentar reações negativas devido a questões de privacidade.

Os potenciais obstáculos à adoção do CBDC podem resultar da perda de privacidade e anonimato que o público desfruta com dinheiro físico, admitem os autores. Para isso, a análise sugere um compromisso baseado em políticas públicas.

“Pagamentos usando CBDCs podem permanecer anônimos se existir uma estrutura legal que forneça a um banco central ou governo o direito de rastrear transações se houver indícios de atividade criminosa, evasão fiscal, lavagem de dinheiro ou financiamento do terrorismo”, escrevem eles. “Mas pagamentos puramente anônimos são anátema para os bancos centrais.”

No entanto, os pesquisadores enfatizam que quaisquer invasões de privacidade percebidas ou legítimas podem levar o público a reavaliar a iniciativa política e possivelmente resultar em maior demanda por CBDCs com proteções legais mais fortes.

*Traduzido com autorização do Decrypt.

  • Já pensou em inserir o seu negócio na nova economia digital? Se você tem um projeto, você pode tokenizar. Clique aqui, inscreva-se no programa Tokenize Sua Ideia e entre para o universo da Web 3.0!
VOCÊ PODE GOSTAR
Paolo Ong, da SEC Filipinas

Termina prazo para saída da Binance das Filipinas e reguladores avisam: “Não há como sacar fundos após bloqueio”

“Não podemos endossar nenhum método de como retirar seu dinheiro agora que a ordem de bloqueio foi emitida”, disse o regulador filipino
graficos vermelhos em queda

Investidores sacam R$ 1 bilhão de projeto DeFi da Solana após renúncia de CEO

O fundador da Marginfi anunciou sua renúncia em meio a um turbilhão de controvérsia e desentendimento operacional
Imagem da matéria: Bitcoin, Ethereum e Solana desabam e R$ 1 bilhão são liquidados do mercado em uma hora

Bitcoin, Ethereum e Solana desabam e R$ 1 bilhão são liquidados do mercado em uma hora

O Bitcoin começou o dia cotado a US$ 71 mil; agora, seu preço desaba para a US$ 66 mil
Vitalik-Buterin-Ethereum

Vitalik Buterin se torna defensor do “comunismo degenerado”; entenda

Para o criador do Ethereum, o “comunismo degen” abraça abertamente o caos, mas ajusta regras e incentivos para fazer com que as consequências do caos estejam alinhadas com o bem comum