Imagem da matéria: Moedas 'baratas' são mais fáceis de valorizarem?
(Foto: Shutterstock)

É pura matemática: uma criptomoeda que custa 1 centavo tem um potencial de alta muito maior do que outra de 100 dólares. Isto ocorre pois sua capitalização total, ou market cap, tende a ser menor, logo é mais fácil subir 300% ou mais.

Este é um mito que persiste há décadas, pois apesar da lógica por trás, na prática o efeito não existe. A mídia gosta de destacar ativos que tiveram altas exorbitantes, e por este motivo tais exceções ganham destaque.

Publicidade

Ao pegarmos uma amostra de 15 ou mais moedas “baratas” e compararmos com o restante do mercado, provavelmente este efeito desaparece. Quer ver isto na prática? 

Vamos analisar os últimos 3 rallys, ou fortes altas, para ver como as moedas custando menos de US$ 1 se saíram ao compararmos com as demais.

Período I: 9 à 23/Jun/2019

  • Capitalização total: alta de 34%

O mercado havia subido 36% nos 30 dias anteriores. O Bitcoin (BTC) testou os US$ 8.800 e recuou pra US$ 7.600, cenário perfeito pra um rally de altcoins. Uma nova onda de alta iniciou-se no dia seguinte, em 10 de junho.

Definitivamente não foi um bom período para ficar nessas moedas “baratas”, especialmente quando levamos em conta que Ethereum (ETH) subiu 33% e Bitcoin Cash (BCH) 25%. O Bitcoin (BTC) liderou com folga, 42% de ganho.

Publicidade

Período II: 23 à 28/Out/2019

  • Capitalização total: alta de 21%

Esta semana ficou conhecida como “pump chinês”, após o discurso favorável do presidente Xi Jinping. Mesmo com uma forte ajuda de moedas com foco na China como Ontology (ONT), Tron (TRX) e VeChain (VET), as demais continuaram perdendo para o restante do mercado. O Bitcoin (BTC) subiu 24% no mesmo período 😨

Período III: 1/Jan/2020 à 1/Fev/2020

  • Capitalização total: alta de 37%

Finalmente encontramos um rally no qual as moedas “baratas” superaram o Bitcoin (BTC), que subiu 31% no período. É importante ressaltar que DASH +180%, Bitcoin Cash (BCH) +86%, Litecoin (LTC) +68% e Monero (XMR) +60% superaram com folga a média destas moedas abaixo de 1 dólar.

Por que isto acontece?

Dentre as top 200, apenas 27 custam acima de 3 dólares. Isso nos dá 86% de moedas “baratas”, logo é natural que ocorram altas mais fortes nesta amostra.

Repare que mesmo no período do “pump chinês”, menos da metade ficou acima dos 31% do Bitcoin. Provavelmente uma cesta das 10 moedas mais “caras” teria se saído melhor.

Publicidade

Conclusão

Esqueça esta história de moeda “barata”, pois o valor unitário é completamente arbitrário. Tudo depende se existem milhões ou bilhões de moedas em circulação, e isto é definido no início da vida do projeto.


Sobre o autor

Marcel Pechman atuou como trader por 18 anos nos bancos UBS, Deutsche e Safra. Desde maio de 2017, faz arbitragem e trading de criptomoedas, além de ser cofundador do site de análise de criptos RadarBTC.

VOCÊ PODE GOSTAR
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Banco Central anuncia próximos passos da regulamentação do mercado cripto no Brasil

Sem definir datas, BC diz que irá fazer mais uma consulta pública no segundo semestre e um planejamento interno sobre stablecoins
Imagem da matéria: Volume de negociação de 'Notcoin' ultrapassa US$ 1 bilhão no maior airdrop de jogos de 2024

Volume de negociação de ‘Notcoin’ ultrapassa US$ 1 bilhão no maior airdrop de jogos de 2024

Jogo Notcoin, baseado no Telegram, lançou mais de 80 bilhões de tokens para cerca de 35 milhões de jogadores em um airdrop
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Imagem da matéria: Câmara dos EUA aprova projeto de lei para frear criação de CBDC

Câmara dos EUA aprova projeto de lei para frear criação de CBDC

O apoio à legislação ficou bastante dividido entre os partidos, com muito menos apoio dos democratas em comparação com outros projetos de lei envolvendo criptomoedas neste mês