Imagem da matéria: Live, Elite, JF, Nextpar: os bancos piratas na mira da Polícia Federal
Foto: Shutterstock

A Polícia Federal (PF) realizou busca e apreensão na sexta-feira (14) em empresas em São Paulo e Rio de Janeiro suspeitas de concederem empréstimos sem autorização do Banco Central. Na operação, batizada ‘Arca da Aliança’, os alvos foram a Live Promotora, Elite Consultoria, JF Promotora e Nextpar, apurou o Estadão

Segundo a PF, foram cumpridos 10 mandados de busca e apreensão expedidos pela 10ª Vara Criminal Federal de São Paulo. Além disso, a Justiça também deferiu o bloqueio de aproximadamente R$ 20 milhões nas contas das investigadas.

Publicidade

De acordo com as investigações — que seguem em segredo de Justiça — um grupo mantinha pelo menos duas empresas para operar instituições financeiras sem aval do Banco Central, ou seja, “bancos piratas”, como descreveu o jornal.

Os alvos dessas empresas eram servidores públicos federais, civis e militares, preferencialmente com margem consignável elevada.

Conforme comunicou a Polícia Federal, pelo menos duas empresas desenvolvem a atividade de captação de recursos de terceiros, comunicou.

Ainda de acordo com as investigações, uma das empresas em SP, que seria filial de outra no RJ, atuava no mercado desde 2018.

A promessa, segundo o órgão, era de aplicação de valores no mercado financeiro com posterior devolução acrescida de rentabilidade atrativa, diz o órgão.

‘Bancos piratas’ captaram R$ 20 milhões

“A matriz e a filial captaram recursos de pessoas físicas no valor total de R$ 20 milhões. Já a outra empresa entrou em atividade em agosto de 2019 e, em menos de dois meses de funcionamento, captou R$ 2 milhões de pessoas físicas”, escreveu a PF.

Publicidade

Conforme comunicado, duas empresas de SP são controladas por uma sociedade limitada no RJ, que cria empresas individuais de responsabilidade limitada. Essas pessoas, diz, a PF, atuavam como promotoras de vendas de empréstimos consignados.

“Para isso, usam indevidamente as credenciais fornecidas por instituições financeiras aos seus correspondentes bancários”, explicou o órgão.

Empresas na mira da Polícia Federal

Na internet, a Live Promotora se apresenta como “uma consultoria financeira especializada em crédito consignado, com as melhores soluções do mercado para aposentados, pensionistas, militares, servidores públicos e federais”.

No Reclame Aqui, a maior parte de queixas contra a empresa é sobre as repetidas ligações telefônicas. O mesmo acontece com a Elite Consultoria — que na internet se apresenta como uma empresa “especialista no mercado financeiro”.

Em uma publicação de denúncia, em novembro do ano passado, uma pessoa de Marília (SP) disse que a Live Promotora fazia “propostas perigosas”.

Publicidade

Em resposta, a empresa se defendeu, porém confirmou a atuação: “uma empresa provedora de crédito em âmbito nacional, composta por colaboradores capacitados”.

No site de reclamação não foram encontradas queixas sobre as demais investigadas.

No entanto, no Instagram, a Nextpar se apresenta como “ uma empresa especializada em estratégias comerciais e marketing empresarial para novos negócios com alto potencial de retorno”; a JF Promotora oferece microcrédito pessoal.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais