Imagem da matéria: Ministério Público analisa indícios de pirâmide com bitcoin de empresa ligada a Ronaldinho Gaúcho
Foto: Shutterstock

Por indícios de atuar como pirâmide financeira com bitcoin, a ‘18k Ronaldinho’, empresa ligada ao ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho, está sob análise do Ministério Público Federal (MPF). Uma nota da Procuradoria-Geral da República (PGR) foi enviada ao UOL, que publicou a reportagem nesta terça-feira (08).

“Este é um procedimento pré-investigatório, com a finalidade de apenas colher informações preliminares e deliberar sobre uma eventual instauração de procedimento investigatório”, afirmou em nota a PGR.

Publicidade

De acordo com a reportagem, a análise começou após relatadas duas denúncias contra a empresa ao MPF e Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Segundo o UOL, ao ser questionado, o advogado Sérgio Queiroz, que representa Ronaldinho e seu irmão Roberto de Assis, disse que os dois não têm mais vínculo com o negócio há duas semanas.

A 18k Ronaldinho não confirmou a saída, segundo o site. No entanto, Queiroz afirmou que Ronaldinho rescindiu com a empresa quando descobriu as mudanças nos modelos de negócios — que passaram a valorizar mais os rendimentos com bitcoins do que a venda dos produtos, diz a reportagem.

“O Ronaldo fechou um contrato de publicidade para vender relógios em 2016. Depois foi feito outro contrato quando a empresa quis entrar no marketing multinível, para vender outros produtos além de relógio. O Ronaldo nunca deu autorização para negócio com Bitcoin. Assim que soubemos disso, rescindimos o contrato”, disse o advogado.

Publicidade

Ele acrescentou que vai acionar juridicamente a empresa, caso ela continue usando a imagem de Ronaldinho em seu material de divulgação.

18k Ronaldinho se defende

À reportagem, a empresa negou as promessas de rendimentos, ressaltando que o principal negócio da 18k Ronaldinho é a venda de relógios, cafés e joias.

Em entrevista ao UOL, o advogado da 18kRonaldinho, Gabriel Villarreal, disse que a empresa não faz promessa de rendimento por não ser uma empresa de investimentos.

Ele disse que a porcentagem de até 2% é referente a um teto de bonificação pago de acordo com os resultados da empresa. Sobre investimentos, a empresa disse que atua com capital próprio, resultante da venda de seus produtos.

Publicidade

“A empresa não faz operações com capital de terceiros e todos os valores recebidos da rede são relativos à aquisição de produtos da marca 18k”, disse Villarreal, acrescentando: “É uma operação interna da empresa”.

Sobre o negócio estar sob análise do MPF, o advogado disse que “a empresa não foi notificada por nenhum órgão ou autoridade acerca da instauração de qualquer procedimento, motivo pelo qual desconhece e refuta a afirmação”.

Site diz que é pirâmide

No mês passado, o site americano Behind MLM, que faz análises sobre empresas de marketing multinível, apontou a ‘18k Ronaldinho’ como uma suposta pirâmide financeira. “Negócio de relógios falido se transforma em Ponzi com criptomoedas”, escreveu o site na ocasião.

Em meados de julho, Comissão de Valores Mobiliários (CVM) mandou suspender as atividades de Forex da LBLV, empresa que tinha como garoto propaganda o jogador.

No fim do mesmo mês, a Justiça do Rio Grande do Sul bloqueou 57 imóveis no nome de Ronaldinho. Segundo a Folha de São Paulo na ocasião, o jogador acumulava milhões em dívidas oriundas de multas e impostos.

Publicidade

 BitcoinTrade – Cadastre-se grátis agora

Compre Bitcoin com depósitos a partir de 50 reais. Total segurança e liquidez. Baixe o nosso App e não perca nenhuma oportunidade. Acesse: bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Maquinas mineração de Bitcoin apreendidas em La Colmena, Distrito de Paraguarí

Paraguai apreende centenas de máquinas de mineração de Bitcoin em nova ofensiva ao setor

Autoridades já confiscaram mais de 9.000 mil equipamentos nas últimas semanas
moeda do bitcoin com o logo da microstrategy ao fundo

MicroStrategy quer arrecadar US$ 500 milhões com notas conversíveis para comprar mais Bitcoin

A empresa de Michael Saylor já é a maior detentora corporativa de Bitcoin, com participações que excedem 1% da oferta circulante de BTC
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos
moeda de bitcoin exposta à frente de fundo escuro

Pesquisadores recuperam senha perdida há 11 anos de carteira com R$ 16 milhões em Bitcoin 

Contratada por um investidor, a dupla Joe Grand e Bruno fizeram engenharia reversa em um software para obter sucesso e restabelecer o acesso a 43,6 BTCs