Imagem da matéria: Ministério da Saúde usa Blockchain para integrar dados de exames da COVID -19
(Foto: Shutterstock)

“O paciente vai ter acesso às suas informações de saúde e isso também vai evitar fraudes”, foi assim que o Coordenador de Desenvolvimento de Sistemas do Ministério da Saúde Elmo Raposo Oliveira apresentou o projeto de Blockchain no SUS, na segunda-feira (21), durante o webinário Blockchain e o Setor Público no Brasil, promovido pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública. 

Segundo Oliveira, o projeto Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS) já está em funcionamento e tem servido para contabilizar os resultados dos testes de COVID-19. 

Publicidade

“O primeiro a subir foi o de exames do Covid. Tem uma nova portaria do Ministério que todos os laboratórios públicos e privados têm de enviar os resultados do Covid para a rede RNDS”

Ele mencionou que leva dois a três dias para que esse resultado seja enviado por laboratórios como Sabin e Fleury que já estão trabalhando no sistema. 

Oliveira apontou que hoje há um conjunto mínimo de dados com o resumo do atendimento, sumário de alta, imunização, medicamentos dispensados e exames realizados.

Blockchain na Saúde

A ideia de usar a Blockchain não foi apenas para esse momento da epidemia do Coronavírus. Oliveira mencionou que hospitais e laboratórios não compartilham os dados entre si. 

Publicidade

“A gente tem 5 bilhões de registros por ano de informações clínicas, mais de 150 mil estabelecimentos de saúde e mais de 5 mil hospitais. Toda essa estrutura não troca informações. As informações não interagem. Fica cada um no seu lugar.”

De acordo com Oliveira, isso não é nada legal tendo o cenário que é de aumento de uma  população de pessoas mais velhas  o que demanda “assistência de saúde mais efetiva e eficiente”.

Ele disse que o custo de atendimento em 2023 será mais alto e que havia a necessidade de se ter a integração das informações de saúde nas mãos do paciente que é o dono desses dados, o que ajudaria até mesmo evitar fraudes.

“O paciente sabendo o que está acontecendo com ele é bom para que possa acompanhar sua saúde e evita também as fraudes, pois o paciente saberá que ele não fez tal procedimento. Há casos de fraudes com os dados dos pacientes. Esse é um ponto muito importante que o Ministério da Saúde vem trabalhando”.

Publicidade

Connect SUS

Com isso, ele anunciou a criação do projeto Connect SUS que irá compartilhar informações sobre pacientes aos profissionais de saúde e ao mesmo tempo levará ao cidadão, por meio do aplicativo Connect SUS Mobile, o histórico de sua saúde registrado na RNDS bem como informações de estrutura do SUS.

Oliveira explicou que as informações dos pacientes somente serão disponibilizadas aos profissionais de saúde com o consentimento desses pacientes.

Para que não haja qualquer tipo de fraude nas informações, o Ministério da Saúde  elegeu a Blockchain. Isso se deu após conversa com outros países como Inglaterra, Estados Unidos, Rússia e com empresas de tecnologia como Amazon, Google e Microsoft.

A Blockchain na visão de Oliveira é a ferramenta perfeita uma vez os seus blocos não podem ser alterados  e a “distribuição das informações são registradas em cadeia e por isso é rastreável”.  Ele mencionou que ser confiável, distribuído e rastreável “faz parte da natureza da Blockchain”.

Tecnologias associadas

O governo, no entanto, não adotou apenas a Blockchain. Segundo  Oliveira ela será apenas uma das ferramentas.

“A gente não usou só a Blockchain. A gente usou várias tecnologias. A gente tem o data center com a maioria de nossas informações, a Cloud e as nossas APIs. O blockchain é só uma das ferramentas”.

A preocupação, segundo o especialista do Ministério da Saúde, era de não deixar a Blockchain pesada porque são bilhões de informações que poderiam prejudicar a performance da rede. A solução foi a de deixar apenas o Timeline na Blockchain.

Publicidade

Ele mencionou, por outro lado, que está criando um data lake com a estrutura da Rede RNDS, integrada à Blockchain.

“Toda informação que chega, bate  no data lake, vai também para a Blockchain. Toda essa estrutura é nossa. Tem alguns ajustes. Mas é tudo nosso”.

O uso da Blockchain, portanto, seria apenas o pontapé inicial para um objetivo maior para integrar as informações ligadas a Saúde. Já trabalhando com o padrão FHIR (Fast Healthcare Interoperability Resources), o qual é adotado no mundo da saúde, o Ministério da Saúde anunciou que  visa futuramente atuar com  inteligência artificial, IOT (sigla em inglês para internet das coisas), Biotech.

VOCÊ PODE GOSTAR
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns