Imagem da matéria: Mineradora brasileira de Bitcoin que quebrou vai ter que pagar R$ 300 mil a cliente
Foto: Shutterstock

A Justiça de São Paulo condenou a empresa de mineração de Bitcoin HashBrasil e Leonardo Janiszevski ao pagamento de R$ 300 mil caso não entreguem 34 mineradoras a um cliente.

Segundo a decisão publicada nessa terça-feira (11) no Diário Oficial do Estado de São Paulo, a empresa, bem como seu responsável, tem até 30 dias para cumprir a ordem judicial.

Publicidade

A ação de nº 1113661-04.2018.8.26.0100, que tramitava na 4ª Vara Cível de São Paulo, foi promovida em 2016 por uma pessoa que havia feito três contratados com a empresa de mineração de Bitcoin. Num deles estava a aquisição de 34 mineradoras modelo Antminer S9.

Segundo o contrato, as máquinas ficariam numa fazenda de mineração na China. Com isso foram contratados também os serviços pela “utilização de espaço e energia junto ao data center onde os equipamentos ficariam instalados”, além da instalação e atualização do software.

Consta nos autos, que a HashBrasil “ficaria responsável pela gerência e manutenção rotineira desses equipamentos, de modo que o réu deveria repassar para o autor as bitcoins produzidas com essas máquinas, deduzindo, como sua remuneração pelos serviços prestados, 18% do ‘valor total do resultado líquido da operação”’.

Mineradora de Bitcoin na Justiça

O problema é que, conforme argumentou o autor da ação, após 8 meses de contrato a companhia “se tornou inadimplente e deixou de repassar os bitcoins minerados com os equipamentos, de modo que o autor pediu a entrega das máquinas adquiridas, no que não foi atendido”.

Publicidade

O autor da ação pediu para que o caso fosse analisado sob a ótica do Direito do consumidor, o que foi negado pelo juiz Sidney da Silva Braga. De acordo com Braga, “o contrato firmado com o autor não retrata uma relação de consumo, pois o autor não é destinatário final dos serviços”.

Braga também julgou improcedente o pedido para que a ação corresse em segredo de Justiça.

O réu, por meio de sua defesa, argumento que o contrato não se tratava de compra e venda de computadores e que se referia tão somente a “prestação de serviços por parte do requerido, de assessoria, gerência e operação da prospecção/mineração de bitcoins”

Sustentou também que o autor já possuía 12 mineradoras e que a HashBasil apenas assessorou na aquisição de novas máquinas. Conforme é trazido nos autos, o réu teria dito que “não tem a propriedade dos equipamentos, sendo esses pertencentes à empresa Realbit Limited, sediada em Hong Kong, que cedia temporariamente os direitos dos computadores, sendo o réu mero intermediário”.

Para o juiz da causa, houve sim um contrato de compra e venda de máquinas e de serviços em mineração de bitcoins.

Publicidade

“O que há, em verdade, é venda e compra de computadores e prestação de serviços para investimento em mercado de bitcoins, negócio de alto risco, sequer regulamentado, no momento, pelos órgãos de fiscalização do mercado financeiro e de capitais brasileiros, o Banco Central do Brasil e a Comissão de Valores Mobiliários.”

HashBrasil condenada

Braga, após ter analisado os três contratos trazidos nos autos, que apesar de o réu não ser dono das máquinas contratou com o autor a venda delas. O autor não possuía, porém, as 12 máquinas conforme foi mencionado pelo réu.

“O autor pagou, no total, por todos os computadores referidos nos três contratos, 8,36667884 bitcoins. Se o réu não entregar os computadores no prazo fixado, deverá pagar o autor o valor equivalente a 8,36667884 bitcoins, na cotação de cada pagamento, o que equivale, conforme consta dos contratos, ao total de R$ 313.942,50”.

O juiz, então, ordenou que o responsável pela empresa mineradora de Bitcoins, Leonardo Janiszevski, entregasse ao autor da ação as 34 máquinas no prazo de 30 dias, ou que pagasse R$ 313.942,50, “com correção monetária, pelos índices da Tabela Prática de Atualização do E. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, desde cada desembolso, além de juros de mora de 1% ao mês, a partir da citação”.


Compre Bitcoin na Coinext

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
bitcoin e ethereum em grafico vermelho de queda

Bitcoin e Ethereum passam a cair e provocam liquidações de US$ 150 milhões

Tanto o Bitcoin quanto o Ethereum despencaram na manhã de sexta-feira (10), provocando uma onda de liquidação de longo prazo
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos