Xiao Yi diante do tribunal chinês - Reprodução Weixin
Ex-secretário do Partido Comunista da China diante do tribunal (Imagem: Reprodução/Weixin)

Xiao Yi, ex-secretário do Partido Comunista da China da cidade de Fuzhou, província de Jiangxi, confessou na semana passada em um tribunal de Zhejiang que recebeu suborno para apoiar empresas de mineração de bitcoin entre os anos de 2017 e 2021. Segundo o site Weixin, o funcionário teria recebido no período cerca de R$ 100 milhões (125 milhões de yuans).

Conforme descreve a reportagem, o período se refere ao mandado de Xiao Yi, que, como representante do governo Xi Jinping, forneceu apoio a empresas na forma de subsídios, ajuda de capital e garantia de eletricidade.

Publicidade

“Esses atos foram contrários aos regulamentos nacionais, à teoria do Novo Desenvolvimento, e levaram a perdas maciças de propriedade pública, levando a consequências adversas”,  afirma o veículo, acrescentando que Xiao Yi abusou de seu poder de introduzir e apoiar tais empresas.

Exonerado do cargo desde 2021, Xiao Yi deve enfrentar a corte mais uma vez para então saber qual será a punição por suas ações. Fora isso, ele perdeu sua posição como membro do corpo de liderança do Partido Comunista Chinês decisão da Comissão Central de Inspeção Disciplinar (CCDI), principal órgão no combate ao suborno no governo da China.

Conspiração contra o governo

Xiao Yi deverá enfrentar agora acusações de conspiração contra o governo, abuso de autoridade, suborno, obstrução judicial e “decadência moral”, que é quando uma ação fere os valores morais de um país.

A China já foi o maior hub global de mineração de criptomoedas até o governo proibir totalmente a atividade há cerca de três anos após uma onda de repressão cujo argumento era para prevenir crimes e preservar o yuan, além de esforços para atingir metas de carbono neutro.

Publicidade

No entanto, mesmo com a proibição — e uma onda de empresas deixando o país asiático e migrando principalmente para os Estados Unidos — mineradores clandestinos continuam a produzir moedas.

Um relatório divulgado no ano passado, por exemplo, mostrou que a China voltou a ser responsável por cerca de 21% da mineração de bitcoins do mundo, burlando a proibição governamental. Os mineradores ‘ilegais’ usam redes VPN que disfarçam a origem da conexão para esconder a sua localização. 

Como será o mercado de criptomoedas em 2023? Clique aqui e descubra no relatório gratuito do time de Research do MB

VOCÊ PODE GOSTAR
Vitalik Buterin na ETH Taipei 2024. Foto: Rug Radio

Como o fundador do Ethereum, Vitalik Buterin, mantém suas criptomoedas seguras

“Descentralize sua própria segurança”, diz Buterin – mas ele não usa uma cold wallet para suas próprias criptomoedas
Silhueta de pessoa jogando videogame À frente de TV

Os maiores tokens de jogos lançados em 2024 – até agora

O Notcoin aparece na lista dos maiores tokens de jogos deste ano, ao lado de Pixels, Portal, Saga e muito mais
Imagem da matéria: BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

BNDES planeja lançar em agosto o piloto da Rede Blockchain Brasil

Blockchain deve chegar com casos de uso: diploma digital pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa e uma cadeia de custódia de provas
Joe Biden posa para foto

Biden expulsa mineradora cripto chinesa de área próxima a base militar: “Risco de espionagem”

O governo afirma que a MineOne possui equipamentos especializados de origem estrangeira potencialmente capazes de facilitar atividades de vigilância e espionagem