Edificio do BCE
Shutterstock

Nesta sexta-feira (7), o Bitcoin (BTC) segue sua trajetória de alta: a barreira dos US$ 71 mil foi rompida e o ativo agora é cotado em US$ 71.358, com alta de 0,5% nas últimas 24 horas. Em reais, o Índice de Preço do Bitcoin (IPB) marca R$ 377.245 e alta de 0,26%

Uma nova máxima histórica (“all time high”) é esperada a qualquer momento. O preço a ser atingido para isso é US$ 73.737, registrado no dia 14 de março. O BTC está a apenas um salto de 3,3% dessa marca.

Publicidade

O restante do mercado está dividido em altas e baixas, com destaque para Cardano, com valorização de 5%.

Conforme dados do Coingecko: Ethereum (-1,1%), BNB (-0,6%), Solana (-0,9%), Lido Staked Ether (-1,1%), XRP (+0,1%), Dogecoin (-1,6%), Toncoin (+2,2%), Shiba Inu (-2%), Avalanche (-2%), Chailink (+0,6%) e Bitcoin Cash (+4%).

Corte de juros na Europa

O Banco Central Europeu (BCE) reduziu na quinta-feira (6) 25 pontos percentuais de cada uma das suas três principais taxas de juros — e os touros do mercado cripto estão antecipando um potencial aumento no preço do Bitcoin, especialmente em meio a especulações de que o Fed poderia seguir o exemplo.  

A nova taxa da organização para as suas principais operações de refinanciamento é agora de 4,25%. Entretanto, as taxas marginal lending facility (taxa de empréstimo marginal) e deposit facility (facilidade de depósitos) são agora de 4,5% e 3,75%, respetivamente. Isto marca o primeiro corte nas taxas do banco central em quase cinco anos.

“Desde a reunião do Conselho do BCE em setembro de 2023, a inflação caiu mais de 2,5 pontos percentuais e as perspetivas de inflação melhoraram significativamente”, escreveu o BCE num comunicado de imprensa. “Agora é apropriado moderar o grau de restrição da política monetária após nove meses de manutenção das taxas estáveis.”

Publicidade

A decisão do BCE prova que uma mudança de direção do banco central global está agora bem encaminhada, depois de as autoridades monetárias de todo o mundo terem aumentado as taxas para fazer face ao aumento da inflação durante a pandemia de Covid-19.

O Banco Central Suíço já anunciou o seu primeiro corte de 25 pontos base em março, enquanto o Banco do Canadá confirmou o seu primeiro corte em quatro anos na quarta-feira.

A questão agora é se o Sistema de Reserva Federal dos Estados Unidos seguirá em breve o exemplo. Um movimento semelhante poderia ser otimista tanto para as ações quanto para as criptomoedas, que historicamente apresentam bom desempenho durante períodos de empréstimos baratos e crescimento da oferta monetária.

No entanto, ao contrário de outras regiões, a inflação nos Estados Unidos permanece teimosamente acima dos 3%, enquanto os responsáveis ​​do Fed recusam aceitar qualquer resultado inferior à sua meta de 2%.

Publicidade

Numa entrevista na segunda-feira (3), Neel Kashkari — presidente do Federal Reserve Bank de Minneapolis — argumentou que os cidadãos prefeririam suportar uma economia em contração do que uma inflação persistentemente elevada.

Combinado com a resiliência contínua do crescimento salarial e do mercado de trabalho, ele espera que as taxas permaneçam elevadas durante algum tempo.

“Se eu olhar para esta resiliência e atividade econômica, não parece uma economia que esteja sob pressão de uma política monetária muito elevada e muito restritiva”, disse ele.

De acordo com o FedWatch da CME, a opinião consensual é que os cortes nas taxas chegarão ainda este ano — possivelmente em setembro, e quase certamente em novembro. A possibilidade para junho, no entanto, é considerada quase certamente uma nula.

“O Comitê não espera que seja apropriado reduzir o intervalo da meta até que tenha ganhado maior confiança de que a inflação está a evoluir de forma sustentável para 2 por cento”, escreveu o Fed em um comunicado após a sua última reunião em maio.

Publicidade

Corte de juros e Bitcoin

Os cortes nas taxas de juros são historicamente positivos para o Bitcoin e outras criptomoedas importantes, com alguns analistas atribuindo o recente aumento dos preços do BTC às apostas de que o Fed e outros irão de fato reduzir as taxas.

Mesmo assim, o cofundador da BitMEX, Arthur Hayes, teorizou que o crescimento da oferta monetária — e, portanto, novas máximas para o Bitcoin — acontecerá independentemente de o Fed cortar ou não as taxas de juros.

O Tesouro dos EUA, por exemplo, deve continuar a fazer pagamentos de taxas de juros elevadas aos detentores de obrigações enquanto as taxas são elevadas, colocando dinheiro nos bolsos das pessoas e contrariando o efeito pretendido de taxas mais elevadas.

“Quando você combina as atividades do Fed e do Tesouro, o resultado líquido é uma injeção de US$ 21 bilhões por mês”, escreveu Hayes no Twitter em fevereiro. “Esta é uma das razões pelas quais a tecnologia/IA [e] as criptomoedas estão bombando e continuarão bombando.”(Traduzido e editado com autorização do Decrypt).

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin cai 3% antes da decisão sobre taxa de juros e relatório de inflação dos EUA

Manhã Cripto: Bitcoin cai 3% antes da decisão sobre taxa de juros e relatório de inflação dos EUA

Federal Reserve não deve cortar taxa de juros, já que os dados da inflação ainda não estão no cenário ideal para as autoridades dos EUA
Moedas douradas de Bitcoin (BTC) e um gráfico de preço ao fundo

Preço do Bitcoin despenca com liquidações de US$ 245 milhões no mercado

As liquidações de criptomoedas dispararam na terça-feira (11), com o Bitcoin despencando 5% e indo a US$ 66 mil
roger ver criador do bitcoin cash

Manhã Cripto: Bitcoin bate no teto de US$ 71 mil e Roger Ver é solto na Espanha

Ver foi preso em abril, depois que o DOJ divulgou uma acusação alegando que ele havia evitado pagar quase US$ 50 milhões em impostos
Donald Trump posa para foto em evento político nos EUA

Trump se apresenta como ‘criptopresidente’ em evento de arrecadação de fundos

O candidato presidencial republicano dobrou sua postura pró-cripto durante evento em São Francisco, EUA