Sam Bankman-Fried da FTX falando em vídeo
Sam Bankman-Fried no DealBook Summit de 2022 (Foto: Reprodução)

As maiores criptomoedas operam no azul nesta terça-feira (19), enquanto algumas altcoins sobem com mais força em um mercado ainda em busca de direção. Traders de ações reagem à disparada do petróleo com o barril acima de US$ 95 pela primeira vez desde novembro. 

O Bitcoin (BTC) ganha 1,1% nas últimas 24 horas, cotado a US$ 27.238,74, segundo dados do Coingecko.   

Publicidade

Em reais, o BTC avança 1,2%, negociado a R$ 133.044,14, de acordo com o Índice do Portal do Bitcoin (IPB).   

Na segunda-feira (18), a maior criptomoeda chegou a operar abaixo de US$ 27 mil, depois de ter superado a marca durante a sessão. A oscilação de preços causou liquidações de US$ 100 milhões em posições alavancadas de traders comprados, que apostam na alta, e vendidos, que esperam queda das cotações, conforme o CoinDesk

Ainda assim, a dominância do Bitcoin atingiu 50% e pode subir ainda mais, dizem analistas. Confira aqui as previsões de especialistas para o preço do BTC em 2024. 

Nesta terça, o Ethereum (ETH) mostra leve alta de 0,6%, para US$ 1.650,57.  

As principais altcoins mostram valorização, entre elas XRP (+2,6%), Dogecoin (+0,9%), Cardano (+1,5%), Solana (+4,1%), Polkadot (-0,8%), Polygon (+1,8%), Shiba Inu (+0,8%) e Avalanche (+0,6%). BNB registra leve queda de 0,3%. 

Para ajudar investidores a identificar oportunidades, o MB (Mercado Bitcoin) lançou sua “Carteira Recomendada”, que contemplará os três principais perfis de investimento: arrojado, moderado e conservador. 

Publicidade

FTX processa pais de Sam Bankman-Fried 

O novo comando da FTX, atualmente em recuperação judicial, abriu um processo contra Joseph Bankman e Barbara Fried, pais de Sam Bankman-Fried, fundador da exchange cripto, com o objetivo de recuperar milhões de dólares em “fundos desviados” de forma supostamente fraudulenta. 

Segundo documento registrado na segunda-feira (18) e divulgado pelo The Block, os administradores da FTX e da Alameda Research, o braço de trading da corretora, apresentaram uma ação buscando a indenização por danos causados por transferências fraudulentas, violação de deveres fiduciários e outras supostas irregularidades.

“Como pais de Bankman-Fried, Bankman e Fried exploraram seu acesso e influência dentro da empresa FTX para se enriquecer, direta e indiretamente, em milhões de dólares, e conscientemente às custas” dos credores, diz o documento. 

O processo destaca que, apesar de se apresentar ao público como um grupo sofisticado de exchanges e plataformas cripto, a FTX se autodenominava uma “empresa familiar”, acrescentando: “E juntos, Bankman e Fried desviaram milhões de dólares do FTX Group para seu próprio benefício pessoal e causas escolhidas por eles”. 

Publicidade

Bankman e Fried não responderam de imediato aos pedidos de comentários do The Block. 

Binance.US na mira da SEC 

Durante uma audiência na segunda-feira (18), um juiz dos EUA se recusou a ordenar que a Binance.US, braço da holding Binance no país, permita que seus executivos estejam mais acessíveis para depoimentos ou que a reguladora SEC reduza suas demandas por mais documentos, informou o CoinDesk

O juiz Zia Faruqui recomendou que ambas as partes trabalhem juntas nos vários pedidos de investigação, solicitando que a SEC limite suas demandas por informações, mas permitindo que a agência busque explicações para estabelecer se os fundos da Binance.US estão seguros. A exchange deve compartilhar mais informações sobre seu relacionamento com a Ceffu, o provedor de serviços de custódia da Binance, disse o juiz. 

A SEC havia pedido autorização para uma “inspeção urgente” nos documentos e registros da Binance.US com o objetivo de verificar se a corretora mantém de forma segregada os ativos de seus clientes.  

As autoridades apontam que existem indícios de que a Ceffu, novo nome da Binance Custody desde fevereiro deste ano, enviou dinheiro de clientes dos EUA para fora do país. 

A exchange rebate as acusações, dizendo que os fundos de clientes nos EUA estão seguros e que a Ceffu é uma marca de software de custódia de carteiras desenvolvida pela Binance Holdings licenciada no mercado americano. 

Publicidade

Ao CoinDesk, a Ceffu também reforçou que as acusações da SEC são incorretas e fez questão de distanciar suas operações da Binance. 

No entanto, documentos legais mostram que a Ceffu, fundada em dezembro de 2021, ainda é identificada como Bifinity UAB. O registro da Bifinity na Lituânia ainda está listado no site da Binance entre os vários “reconhecimentos regulatórios” que a corretora possui, destaca o CoinDesk. Um porta-voz da Ceffu não comentou. 

Outros destaques das criptomoedas  

A capitalização de mercado das stablecoins, tokens lastreados por ativos do mundo real, encolheu para o menor nível em mais de dois anos, de acordo com dados da empresa de pesquisa CCData publicados pela Reuters. Baixos volumes de negociação e um dólar mais fraco estariam por trás do desempenho negativo. 

Enquanto outras criptomoedas conseguiram, em certa medida, se recuperar em relação às mínimas de 2022, a capitalização de mercado das stablecoins deve cair pelo 18º mês consecutivo, segundo a CCData. Em 14 de setembro, o valor total somava US$ 124,4 bilhões.  

Na semana passada, relatório do PayPal mostrou que a adoção de sua stablecoin PYUSD ainda é lenta, enquanto o cofundador da Tether, William Quigley, disse ao CoinDesk ter dúvidas de que o token da gigante de pagamentos traga muita inovação ao mercado. 

Apesar do cenário negativo para as stablecoins e ainda incerto para a maioria dos criptoativos, algumas empresas de capital de risco reforçam a aposta no setor. A Blockchain Capital, por exemplo, levantou US$ 580 milhões para dois novos fundos focados em infraestrutura de blockchain, games, finanças descentralizadas (DeFi), entre outros segmentos. 

Publicidade

Enquanto isso, ex-executivos da Sino Global Capital (agora Ryze Labs), Libra, Coinbase e Shawn Shi, cofundador da Alchemy Pay, lançaram o Oak Grove Ventures, um fundo de US$ 60 milhões que vai investir na combinação de soluções para a web3, inteligência artificial e biotecnologia. Em outro sinal de vida dos investimentos de venture capital em cripto, a Bastion captou US$ 25 milhões em uma rodada liderada pela a16z. 

Na contramão, a fintech chinesa Ant Group vai liquidar seu investimento na A&T Capital, um fundo de US$ 100 milhões estratégico para sua aposta na indústria de ativos digitais, disseram pessoas a par do assunto à Bloomberg. Não está claro se a empresa continuará em operação ou se vai buscar um novo investidor. A&T e Ant não comentaram. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Em operação contra “Rei do Bitcoin”, PF descobriu fraude em contratos públicos envolvendo irmão do ex-governador do Paraná 

Em operação contra “Rei do Bitcoin”, PF descobriu fraude em contratos públicos envolvendo irmão do ex-governador do Paraná 

Nova operação da Polícia Federal apura crimes ligados às investigações da operação Daemon, de 2021, que prendeu o “Rei do Bitcoin”, Claudio Oliveira
Imagem da matéria: Drenador de carteiras de criptomoedas encerra negócio após roubar mais de US$ 85 milhões

Drenador de carteiras de criptomoedas encerra negócio após roubar mais de US$ 85 milhões

“Alcançamos nosso objetivo e agora, de acordo com o planejado, é hora de nos aposentarmos”, disseram os desenvolvedores do drenador de carteiras cripto
Imagem da matéria: O que é o Notcoin? Conheça o jogo baseado em Telegram, o token NOT e os planos futuros

O que é o Notcoin? Conheça o jogo baseado em Telegram, o token NOT e os planos futuros

Notcoin é um jogo baseado no Telegram que nos últimos meses acumulou um total de 35 milhões de jogadores
Imagem da matéria: Solana salta quase 5% e deixa Bitcoin e Ethereum para trás

Solana salta quase 5% e deixa Bitcoin e Ethereum para trás

Solana é a moeda que mais valoriza entre as 10 principais do mercado; BTC e ETH sofrem leves quedas nesta tarde