Imagem da matéria: Manhã cripto: Bitcoin (BTC) resiste e volta aos US$ 30 mil; Binance retira LUNA da corretora no golpe final à criptomoeda
Foto: Shutterstock

O mercado de criptomoedas dá sinais de estabilização nesta sexta-feira após o caos provocado pelo colapso da stablecoin TerraUSD. O Bitcoin (BTC) sobe 8,4% nas últimas 24 horas, cotado a US$ 30.408, mostram dados do CoinGecko. O Ethereum (ETH) avança 8,5%, para US$ 2.074.. 

No Brasil, o Bitcoin amanhece em alta de 10,1%, negociado a R$ 157.921, segundo o Índice do Portal do Bitcoin (IPB).  

Publicidade

As principais altcoins disparam nesta sexta-feira depois do abalo nos últimos dias como Binance Coin (+18,4%), XRP (+18,6%), Cardano (+30,4%), Solana (+20,7%), Dogecoin (+16,5%), Polkadot (+33,8%), Avalanche (+21,7%) e Shiba Inu (+27,3%), segundo dados do CoinGecko.    

Binance deslista LUNA

A Binance interrompeu as negociações de LUNA e UST e deslistou o token e a stablecoin, conforme aponta o Decrypt. Na quinta-feira (13), a corretora havia afirmado que iria tomar tal atitude caso o preço de LUNA caísse para abaixo de US$ 0,005. Segundo o Coingecko, o ativo vale US$ 0,00000947.

A blockchain da stablecoin TerraUSD e do token LUNA parou de processar novas transações pela segunda vez em menos de um dia. A Terraform Labs disse em tuíte que os validadores, responsáveis por verificar as transações na blockchain, adotaram a medida com o objetivo de “elaborar um plano para reconstituir” a rede Terra.  

No início da tarde da quinta-feira (12), a blockchain Terra já havia interrompido a produção de novos blocos para a prevenção de ataques de governança e reduzir o impacto da queda do preço, que levou o token nativo LUNA a zero. 

Em meio a temores de que a Tether (USDT), a maior stablecoin, também pudesse perder a confiança dos investidores e sua paridade com o dólar, o diretor de tecnologia da empresa, Paolo Ardoino, se apressou em acalmar o mercado no Twitter Spaces.  Na quinta-feira, a USDT chegou a cair para US$ 0,9455, o menor nível desde dezembro de 2020, mas a stablecoin é novamente negociada perto de US$ 1. A USD Coin, segunda maior stablecoin, também mantém a paridade. 

Publicidade

Sétima semana de baixa do Bitcoin

Apesar da retomada nesta sexta-feira, o Bitcoin pode fechar a sessão com a sétima baixa semanal seguida, um recorde, de acordo com a Reuters. Em sete dias, a maior criptomoeda acumula desvalorização de 16,7%, enquanto o Ethereum, a segunda maior, mostra queda de 24,3%. 

Scottie Siu, diretor de investimentos da Axion Global Asset Management, de Hong Kong, ainda recomenda cautela e acredita que o mercado só irá se estabilizar quando “os especuladores estiverem fora”. 

Um total de US$ 1,8 trilhão evaporou do mercado global de criptomoedas desde a máxima de US$ 3 trilhões em novembro, uma queda superior a 50%, de acordo com o CoinGecko

“Sendo sincero, acho métricas em blockchain bem inúteis no atual mercado, pois o Bitcoin está claramente bem ligado” ao desempenho das ações nesta onda vendedora, disse Bendik Norheim Schei, líder de pesquisas na Arcane Research, em e-mail ao Decrypt. 

Publicidade

No entanto, na quinta-feira o Bitcoin conseguiu se descolar relativamente dos índices acionários dos EUA. O S&P 500 terminou em leve queda de 0,13%, aos 3.858,87 pontos. Caso o índice feche abaixo de 3.837,25, isso marcaria uma queda de 20% desde a máxima e a entrada no mercado baixista, de acordo com a Dow Jones

‘Momento Lehman?’ 

Grandes nomes como Galaxy Digital, Coinbase Ventures e Jump Crypto apoiaram a rede Terra, assim com muitos investidores de varejo. Players do mercado já começam a fazer um paralelo do colapso da blockchain com a quebra do Lehman Brothers em 2008 que desencadeou a crise financeira nos anos seguintes. 

“É muito cedo para dizer exatamente o alcance do contágio, ou mesmo se tem as proporções do Lehman. Porém, uma coisa é certa: assim como Wall Street depois de 2008, a indústria de criptomoedas nunca mais será a mesma”, diz Michael P. Regan em newsletter da Bloomberg. 

Em audiência no Congresso americano, a secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, afirmou que as stablecoins ainda não chegaram a um nível que representem “uma ameaça à estabilidade financeira”, mas alertou para o rápido crescimento e defendeu mais regulação.  

Processo contra Coinbase 

Investidores também soam o alarme sobre outras stablecoins. Clientes da Coinbase abriram um processo contra a maior exchange de criptomoedas dos EUA por perdas com a stablecoin GYEN, emitida pela GMO-Z.com Trust, com sede em Tóquio, de acordo com a Bloomberg.

Publicidade

O preço da GYEN deveria estar atrelado ao iene, mas os clientes estavam comprando o token por um valor até sete vezes acima da cotação da moeda japonesa. Logo depois, o token retomou a paridade e despencou 80%, segundo o processo aberto em um tribunal da Califórnia. Coinbase e GMO-Z não comentaram.  

Outros destaques 

O Nomura começou a oferecer derivativos de Bitcoin no mercado de balcão para clientes na Ásia, segundo anúncio nesta sexta-feira. As negociações, executadas na CME pela Cumberland DRW esta semana, foram as primeiras com ativos digitais do banco de investimento japonês, conforme a Reuters

David Marcus, que deixou a Meta em novembro depois de liderar as iniciativas da empresa para a criação de uma moeda digital, vai comandar a Lightspark, que será baseada na rede Lightning do Bitcoin, segundo o TechCrunch. A startup tem como objetivo “explorar, construir e estender as capacidades e utilidade do Bitcoin”, diz o comunicado. 

A XP Investimentos faz sua segunda tentativa de entrar no mercado das criptomoedas. A empresa vai lançar no fim do segundo trimestre a XTAGE, uma nova plataforma de negociação de ativos digitais em parceria com a Nasdaq. 

O HASH11, primeiro fundo de índice de criptomoedas listado na B3, já acumula perdas de 50% nos últimos 12 meses. O produto estreou na B3 em 23 de abril de 2021 e é administrado pela Hashdex. 

A B3 registrou 42 mil contratos atrelados a criptoativos no 1° trimestre de 2022, o que corresponde a um volume financeiro de R$ 5,1 bilhões, aponta o E-Investidor. Os investidores pessoa física responderam por 90% do total. 

Publicidade

Sam Bankman-Fried, CEO da exchange de criptomoedas FTX, comprou uma participação de 7,6% na plataforma de negociação Robinhood em 2 de maio, mostra documento enviado à agência SEC dos EUA. Equivalente a 56 milhões de ações, a fatia foi comprada por mais de US$ 648 milhões na época, de acordo com a Reuters

Regulação, Cibersegurança e CBDCs 

Bancos têm conseguido o bloqueio de criptoativos de devedores para a quitação de empréstimos na Justiça de São Paulo, segundo o Valor. A medida passou a ser adotada recentemente pelas instituições financeiras, de olho em um mercado que movimentou, só no ano passado, R$ 200,7 bilhões, de acordo com a Receita Federal.

Ashley Alder, presidente da IOSCO (Organização Internacional de Comissões de Valores Mobiliários), disse que um órgão conjunto encarregado de coordenar a regulamentação global de criptoativos é extremamente necessário e pode se tornar realidade já no ano que vem, segundo declaração em conferência online do Fórum Oficial de Instituições Monetárias e Financeiras (OMFIF).

Promotores dos EUA defendem que o cofundador da BitMEX, Arthur Hayes, deve passar muito mais do que um ano na prisão por não implementar um programa de combate à lavagem de dinheiro na exchange de criptomoedas, conforme a Bloomberg. Hayes, que cofundou a BitMEX em 2014, se declarou culpado em fevereiro por violar a lei de sigilo bancário dos EUA. 

Do total de US$ 1,7 bilhão em criptomoedas roubadas em 2022, 97% teve origem em protocolos de finanças descentralizadas, ou DeFi, segundo relatório da empresa de análise Chainalysis divulgado na quinta-feira. 

Metaverso, Games e NFTs 

Parceira da Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL), entidade que organiza a Copa Libertadores, a corretora de criptomoedas Crypto.com está sorteando 70 pares de ingressos para jogos dos times brasileiros que disputam a competição neste ano, segundo o Estadão

A Major League Baseball planeja lançar um jogo online em parceria com a empresa de tokens não fungíveis Sorare, que tem o SoftBank entre os investidores, segundo comunicado. O lançamento está previsto para meados deste ano e permitirá a compra e venda de NFTs que representam jogadores de beisebol usando o Ethereum como criptomoeda, e a criação de times com os quais podem competir para ganhar prêmios. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Reembolsos de Bitcoin da Mt. Gox serão pagos antes de agosto, diz Kraken

Reembolsos de Bitcoin da Mt. Gox serão pagos antes de agosto, diz Kraken

Mais de uma década depois de perder 850.000 bitcoins, os credores da Mt. Gox poderão ser pagos já na próxima semana, de acordo com a Kraken
Imagem da matéria: Hamster Kombat: aprenda a jogar o mini puzzle para ganhar chaves valiosas

Hamster Kombat: aprenda a jogar o mini puzzle para ganhar chaves valiosas

O novo mini jogo de quebra-cabeça no Hamster Kombat introduz chaves que serão úteis no futuro. Aqui está o guia de como jogar.
Imagem da matéria: Mercado Bitcoin lança emissão de Renda Fixa Digital da Bolt Energy

Mercado Bitcoin lança emissão de Renda Fixa Digital da Bolt Energy

A parceria teve início em 2022 e atinge R$ 24 milhões captados à empresa de energia
jogo hamster kombat em tela de celular

Hamster Kombat: Veja o Daily Combo e Cipher Code desta sexta (19)

Procurando o combo diário e o código cifrado de sexta-feira, 19 de julho? Aqui está o que você precisa para ganhar moedas no jogo Hamster Kombat do Telegram