Imagem da matéria: Malta Aprova Três Leis Para Regular Criptomoedas e Blockchain
Malta, país de pouco mais de 417 mil habitantes

O Parlamento de Malta votou na noite de terça feira (26), três leis ligadas a criptomoedas e blockchain, tecnologia por trás do bitcoin. De acordo com a CCN, os projetos foram concebidos para tornar o país o destino mais importante no desenvolvimento de soluções de tecnologia distribuída e para fomentar a criação de empresas do setor.

Em seu perfil no Twitter, Silvio Schembri, secretário de Inovação Digital do Parlamento, destacou que a aprovação foi unânime e que ele estava honrado em conduzir esse processo. Schembri finalizou o tuíte com #BlockchainIsland, demonstrando a ambição do país em se tornar a “ilha do blockchain”.

Publicidade

O blockchain está entre as tecnologias mais promissoras desde a criação da internet e é objeto de estudo e desenvolvimento de governos, como o caso da Estônia, de gigantes da tecnologia, como IBM, Microsoft e Google, e de instituições financeiras.  

Segundo a CCN, a primeira lei aprovada é destinada a criar uma autoridade de inovação digital, que será responsável pela governança de assuntos ligados ao setor. Além de Stephen McCarth, chamado de “CEO” da autoridade por Schembri no Twitter, o trabalho dessa divisão contará com governantes e conselheiros.  

A lei define os deveres e responsabilidades da autoridade, cujo principal papel é a garantir a segurança jurídica a empresas e a usuários de tecnologias distribuídas de livro-razão (DLT, em inglês). Para isso, ela será responsável pela certificação de plataformas DLT. Uma tecnologia certificada oferecerá garantia de que os dados são registrados e as informações são precisas, por exemplo.

As outras duas normas são relativas a registro de prestadores de serviços e acordos de tecnologia (Lei de Acordos e Serviços Tecnológicos), cujo foco principal é a criação de exchanges, e à regulação de Ofertas Iniciais de Moedas (ICOs), de prestadores de serviços ligadas a ICOs de exchanges.

Publicidade

Em um contexto em que países e autoridades banem ou não sabem como regular criptomoedas, a jurisdição de Malta é amigável a interessados no mercado. O ambiente não restritivo atrai a atenção de grandes exchanges de criptomoedas, como a Binance, a maior do mundo, a BitBay, uma das líderes na Europa, a Bitifinex, e a OKEx, terceira maior do mundo mundo, que já anunciaram que devem se mudar para Malta ou expandir negócios para o país.

Além de um ambiente de segurança jurídica para os negócios, o primeiro-ministro do país, Joseph Muscat, já afirmou acreditar que as criptomoedas são o “futuro inevitável do dinheiro” e a base de uma nova economia no futuro.

 

BitcoinTrade

A BitcoinTrade é a melhor solução para compra e venda de criptomoedas.
Negocie Bitcoin, Ethereum e Litecoin com total segurança e liquidez.
Acesse agora ou baixe nosso aplicativo para iOs ou Android:
https://www.bitcointrade.com.br/

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Clientes brasileiros da FTX vivem expectativa de pagamento e medo de novos golpes

Clientes brasileiros da FTX vivem expectativa de pagamento e medo de novos golpes

Grupo de brasileiros se unem no Telegram para tentar entender comunicações da massa falida da FTX em meio ao receio de novos golpes
Udi Wertheimer vestido de mago no Bitcoin 2023. Imagem: Taproot Wizards

Proposta de Bitcoin para restaurar código de Satoshi recebe atualização ‘420’

OP_CAT, que poderia habilitar funcionalidades avançadas no Bitcoin, foi introduzido como BIP-420 pelo cofundador da Taproot Wizards, Udi Wertheimer
Imagem da matéria: FTX vai leiloar o restante da sua reserva de Solana (SOL)

FTX vai leiloar o restante da sua reserva de Solana (SOL)

A FTX vai leiloar o restante de seus tokens Solana bloqueados na esperança de obter um preço melhor
Imagem da matéria: Banco do Brasil e BTG estão entre os maiores detentores do ETF de Bitcoin da BlackRock

Banco do Brasil e BTG estão entre os maiores detentores do ETF de Bitcoin da BlackRock

Segundo Eric Balchunas, da Bloomberg, as 30 instituições são responsáveis por apenas 0,2% de tudo que o ETF da BlackRock tem