Imagem da matéria: Mais de 40% da população de Cingapura possui alguma criptomoeda, mostra estudo
Foto: Shutterstock

“Há cinco décadas, Cingapura enfrentou desemprego severo, infraestrutura deficiente e escassez de moradias e hoje é uma das cidades mais habitáveis e desenvolvidas do mundo”. É como o Banco Mundial resume a cidade-estado em sua página. Tal premissa vai ao encontro de um outro dado revelado recentemente pela equipe de pesquisas da exchange australiana Independent Reserve, que concluiu que mais de 40% da população de Cingapura possui alguma criptomoeda.

Por meio da iniciativa ‘Independent Reserve Cryptocurrency Index’ (IRCI), a exchange vem fazendo anualmente uma observação dos australianos para examinar sua consciência e adoção das criptomoedas. O objetivo, segundo a entidade, é fornecer a pesquisadores e público em geral, dados e percepções sobre a indústria de blockchain.

Publicidade

Em 2019, por exemplo, o IRCI viu dos australianos um índice de 42/100 e, em 2020, 47/100. Mesmo assim, bem abaixo dos resultados do ‘IRCI Singapore 2021’, cujo índice bateu 63/100, a leitura mais alta desde a criação da iniciativa.

A força das criptomoedas em Cingapura é grande ao ponto que mais de 90% dos cidadãos de Cingapura entrevistados conhecem ao menos uma dentre as milhares de criptomoedas, sendo o bitcoin a mais citada, mas não em sua maioria; apenas cerca de 16% deles. Contudo, pelo menos 7% desse mesmo grupo de pessoas acredita que o BTC é uma farsa. O IRCI ouviu mais de 1.000 pessoas, segundo o relatório.

Cingapura e as criptomoedas

Apesar da consciência sobre cripto pelos cidadãos, o mercado de criptomoedas em Cingapura ainda é relativamente pequeno. Segundo o Decrypt, o pico combinado dos volumes diários de negociação para as três principais criptomoedas de Cingapura é apenas 2% do comércio diário de títulos da cidade-estado.

Porém, o que se pode esperar de Cingapura hoje é de um lugar aberto ao setor de blockchain e criptomoedas que pode servir como um refúgio até então seguro em tempos turbulentos encabeçados pela China. Em Cingapura, o regulador não emite licença, mas também não proíbe empresas de atuar no mercado e têm sido generoso com elas.

Publicidade

Para se ter uma ideia, a cidade-estado isenta as empresas de criptomoedas enquanto estão sob análise, como é o caso da Binance, uma das maiores exchanges do mundo.

Inclusive seu fundador e CEO, Changpeng Zhao, pode fazer as malas e se mudar para o país asiático — e isso já pode até mesmo ter ocorrido, já que em sua conta no LinkedIn, Cingapura está entre suas localidades. E não é à toa que por lá está também já está morando o fundador da Ethereum, Vitalik Buterin.

Na semana passada, a Big Four KPMG deu a Cingapura o primeiro lugar em sua classificação global de centros de tecnologia fora do Vale do Silício — pela segunda vez em dois anos —, ainda com informações do Decrypt.

A Crypto.com e a OSL, por exemplo, que são oriundas de Hong Kong, operam normalmente no país, assim como a Gemini, corretora dos irmãos Winklevoss, que está por lá desde o ano passado e deseja um quadro de 50 funcionários até o final do ano. 

Publicidade

No ano passado, a bolsa de valores de Cingapura, Singapore Exchange (SGX), introduziu dois índices de criptomoeda — iEdge Bitcoin Index e o iEdge Ethereum Index — em parceria com a CryptoCompare, um site de benchmarking voltado ao setor com sede no Reino Unido.

VOCÊ PODE GOSTAR
Logo da ftx, dólares e bitcoin

Analistas preveem alta no mercado cripto com ressarcimento bilionário a clientes da FTX

A FTX deve cerca de US$ 11 bilhões a credores, mas a massa falida conseguiu levantar mais de US$ 14 bilhões
Arte digital mostra mãos operando um celular que projeta moedas

Como declarar tokens de utilidade no Imposto de Renda 2024?

Entenda como declarar os utility tokens, ativos que dão acesso a serviços específicos
Vitalik Buterin na ETH Taipei 2024. Foto: Rug Radio

Como o fundador do Ethereum, Vitalik Buterin, mantém suas criptomoedas seguras

“Descentralize sua própria segurança”, diz Buterin – mas ele não usa uma cold wallet para suas próprias criptomoedas
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais