Imagem da matéria: Maior banco da Colômbia vai vender bitcoin a clientes após parceria com corretora dos EUA
Foto: Shutterstock

Bancolombia, a maior instituição bancária em atuação na Colômbia, acaba de fechar uma parceria com a corretora americana Gemini para oferecer a compra direta de bitcoin e outras criptomoedas para clientes selecionados.

A colaboração entre o banco colombiano e a exchange que hoje é a 10ª maior no mundo em volume negociado, começa a valer a partir do dia 4 de dezembro. Em um primeiro momento, o serviço estará disponível apenas para um grupo fechado de clientes que poderão aproveitar a nova ponte entre a exchange e banco para negociar Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH), Litecoin (LTC) e Bitcoin Cash (BCH).

Publicidade

De acordo com o comunicado da exchange publicado nesta segunda-feira (6), a parceria vai valer por um ano no âmbito de um sandbox promovido pela Superintendencia Financiera de Colombia (SFC), o principal regulador do mercado financeiro do país latino-americano. 

A ideia é que os clientes utilizem o saldo guardado no banco na poupança ou conta corrente para concluir a compra de criptomoedas na Gemini através de uma conta associada à instituição financeira. “Isso significa que o Bancolombia não intervém no processo de negociação de criptoativos, mas servirá como um canal para facilitá-lo”, explicou Cristina Arrastía, vice-presidente de Negócios do Bancolombia em nota à imprensa.

O programa piloto terá quatro fases de implementação e tem como meta contemplar 5 mil clientes, conforme definido pelos reguladores. Para ter acesso ao serviço, o cliente deve passar por uma triagem que mede o seu nível de conhecimento sobre criptomoedas.

A parceria divulgada hoje é resultado do programa piloto promovido pelo governo colombiano no início do ano que estuda a viabilidade de implementar as criptomoedas no sistema financeiro do país. 

Publicidade

Gemini na América Latina

A Gemini fez parte de um grupo de nova exchanges selecionadas no início do ano para testar suas soluções na região, uma lista que também conta com concorrentes como a Binance e Bitso. 

Ao mesmo tempo que a parceria demonstra uma abertura do setor bancário tradicional colombiano, também sinalizada a expansão estratégica da Gemini na América Latina, região já explorada por grande parte das concorrentes globais.

“Estamos entusiasmados com as oportunidades de crescimento na América Latina, um dos mercados internacionais mais promissores para a adoção de criptomoedas”, disse Cynthia del Pozo García, diretora de estratégia e desenvolvimento da Gemini. “Esperamos trabalhar de perto com o ecossistema cripto colombiano e apoiar produtos que capacitem a população a assumir o controle de suas vidas financeiras”.

VOCÊ PODE GOSTAR
solana, criptomoedas,

Este evento vai fazer a Solana atingir US$ 400 este ano, projeta analista

Para analista da Merkle tree, a Solana pode disparar 170% este ano puxado por memecoins ligadas aos candidatos na eleição dos Estados Unidos
Imagem da matéria: Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Em um processo judicial, a SEC argumentou que a Coinbase não pode exigir que o regulador escreva novas regras para o setor cripto
Hacker com capuz sorri no escuro

“Fizemos besteira”: Gala Games confirma hack de de R$ 1,2 bilhão

Um invasor usou um exploit para cunhar e roubar 5 bilhões de tokens da Gala Games (GALA)
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”