Integrantes do time Valorant, da equipe Loud
Integrantes do time Valorant, da equipe Loud (Reprodução Instagram)

A equipe de eSports mais tuitada deste ano não é uma gigante como FaZe Clan ou a G2 eSports. É a Loud, uma novata brasileira que está encontrando novas maneiras de aproveitar seu público hiper-engajado. E essas maneiras giram cada vez mais em torno da tecnologia Web3 e como ela pode conectar melhor o time com os fãs.

A Loud, descrita pelo portal Dexerto em 2021 como a “maior organização de eSports da qual você nunca ouviu falar”, cresceu rapidamente de um player regional para uma presença global no mundo dos videogames. Agora, a equipe lançou uma nova empresa controladora, a Spacecaps, com divisões focadas em NFTs movidos a Solana, jogos alimentados por criptomoedas e incentivos tokenizados para fãs.

Publicidade

Como reportagens mostraram recentemente, as equipes de eSports estão fazendo um avanço significativo no meio cripto através de parcerias de marca, NFTs, fan tokens e experiências de metaverso. Mas muitas das equipes de eSports mais conhecidas ainda estão perdendo dinheiro hoje e dependem de patrocínios para mantê-las à tona.

A Web3, no entanto, oferece maneiras de construir relacionamentos mutuamente benéficos com os fãs e revisar o modelo de equipe de eSports, disse o cofundador da Loud, Matthew Ho, ao Decrypt.

“Começamos a identificar maneiras pelas quais podemos ir direto ao consumidor e criar experiências que agregam valor diretamente ao nosso público”, disse Ho, “isso nos permite encontrar uma maneira mais sustentável de monetização e resolver esse enorme problema que você tem no âmbito dos modelos de negócios das organizações de eSports.”

Os fãs de eSports latino-americanos são conhecidos por serem apaixonados e altamente engajados com seus times e jogadores favoritos, catapultando assim os times regionais do Brasil para a arena global. Mas Ho disse que eles também estão mais abertos a criptomoedas e NFTs do que muitos jogadores ocidentais, que se opuseram a jogos e NFTs baseados em blockchain.

Publicidade

Ele aponta como motivos o público fortemente desbancarizado no Brasil e as moedas locais instáveis ​​em toda a América Latina. Para muitos jogadores na região, sugeriu Ho, a criptomoeda é um “espaço muito mais válido para suas participações” do que a moeda tradicional e o sistema bancário, e que o sentimento “muito mais positivo” se estendeu a NFTs e jogos criptográficos também.

“Conseguimos encontrar todos os sinais para continuar perseguindo e perseguindo essa toca de coelho”, disse Ho.

Fazendo barulho na Web3

A Spacecaps vai além do foco da Loud em jogos competitivos e conteúdo de streaming com seis negócios adicionais e complementares. Há a Sundae, por exemplo, uma agência de criação e produção que trabalhou com marcas como Amazon, Samsung e Netflix. Já o Outplay é um estúdio que cria conteúdo interativo para jogos de metaversos como Fortnite e Roblox.

Mas outras empresas da Spacecaps têm um foco claro na Web3. O Snackclub – que arrecadou US$ 9 milhões em maio – é uma organização autônoma descentralizada (ou DAO) focada em jogos Web3. Os membros podem ganhar recompensas em tokens por meio de jogos, bem como votar em investimentos em projetos de games.

Enquanto isso, a Dropull é uma equipe que desenvolve um mercado NFT centrado em jogos, carteira e outras ferramentas para criadores, enquanto o estúdio de jogos móveis Monomyto desenvolveu um jogo para ganhar chamado Gunstars – semelhante ao Brawl Stars da Supercell – que suporta NFTs Solana . E a Druid é uma empresa de marketing criativo que trabalha tanto com grandes marcas como o Google, mas também com empresas da Web3, como a plataforma de fan tokens Socios.

Publicidade

Há alguns produtos Web3 particularmente atraentes no mix. Uma delas é uma plataforma de engajamento de fãs da Loud movida a tokens, que recompensará seguidores entusiasmados por suas contribuições.

Ho disse que a plataforma identificará os maiores apoiadores da comunidade do Loud e fornecerá incentivos para que eles criem conteúdo e divulguem. A Spacecaps trabalhará com parceiros de marca para fornecer recompensas resgatáveis ​​que podem variar de comida grátis a um carro, sugeriu Ho, oferecendo benefícios tangíveis alimentados por criptomoedas, além de status dentro da comunidade de fãs gratuitos. E os usuários não precisarão ser conhecedores de cripto para usá-la.

“Eles continuam interagindo com nosso conteúdo como normalmente fazem, mas ao fazê-lo, estão subindo de nível e sendo recompensados ​​por isso”, disse Ho. “Os fãs agora são incentivados a coletar esses NFTs Loud e baseados em equipe, o que realmente acelera sua progressão e os abre para mais recompensas.”

Outra iniciativa é um servidor de RPG personalizado para a versão para PC de Grand Theft Auto V chamado Cidade Alta. Ele foi modificado para apresentar versões NFT baseadas em Solana de carros e armas exclusivas que os jogadores podem usar e trocar, habilitadas pelas ferramentas Web3 da Dropull.

É uma reviravolta única na experiência tipicamente violenta e caótica do GTA, além de ter sido um grande atrativo para os streamers no Twitch, às vezes gerando centenas de milhares de espectadores ao mesmo tempo.

Publicidade

A versão do Spacecaps adiciona um toque NFT na forma de propriedade permanente do item. Ho disse que a Cidade Alta tem sido uma valiosa “prova de conceito” para as crescentes ambições de NFT da Spacecaps, e que seus lançamentos de NFT de tiragem limitada se esgotaram em menos de um minuto de cada vez.

Além da América Latina

A Spacecaps está prestes a lançar seus produtos Web3 para um público mais amplo. Ho disse que a plataforma de associação e engajamento do Loud será lançada em meados deste mês, as ferramentas de cunhagem NFT da Dropull chegarão na mesma época e a versão beta do jogo Gunstars também está chegando ao lançamento.

O público engajado e mais amigável às criptomoedas do Brasil, sem dúvida, acelerou os planos Web3 da Spacecaps, mas esse tipo de modelo poderia funcionar para organizações de jogos e esports em outros lugares? Jason Yeh, cofundador e sócio geral da empresa de risco Web3 em estágio inicial Patron – que liderou a rodada de sementes da Spacecaps – acredita que sim.

“Eles apresentaram de uma maneira que realmente agrega valor à forma como os fãs estão se envolvendo. E não acho que isso seja necessariamente algo específico do Brasil ou da América Latina”, disse Yeh ao Decrypt.

As equipes de eSports até agora tiveram sucesso misto no lançamento de NFTs, em parte por causa da antipatia e desconfiança dos jogadores. O lançamento da G2 Esports de um clube de membros baseado em Solana no início deste ano foi criticado por alguns fãs, e os avatares da NFT – que também servem como um passe de acesso à comunidade Web3 da G2 – agora são vendidos por uma fração do custo original do token SOL.

Ho disse que o erro do G2 pode ter sido focar na exclusividade de um pequeno grupo. Ao sugerir que apenas as pessoas que gastam dinheiro em NFTs pertencem a um clube especial, a iniciativa potencialmente excluiu uma grande parte da considerável base de fãs internacional do G2.

Publicidade

A abordagem da Loud com o Spacecaps é facilitar a participação dos fãs – e tentar alcançar milhões de usuários no processo, mas sem pressa em nada, diz Ho.

“Há uma enorme oportunidade aqui”, disse ele. “É ‘vamos fazer isso direito’ versus ‘vamos fazer isso agora’.”

Traduzido com autorização do Decrypt.co.

Aprenda a ganhar dinheiro com Cripto
Você pode ter acesso a um curso exclusivo com os maiores especialistas em cripto para aprender os fundamentos e as técnicas que te ajudam a navegar nas altas e baixas do mercado. Garanta sua vaga aqui!

VOCÊ PODE GOSTAR
Vitalik Buterin na ETH Taipei 2024. Foto: Rug Radio

Como o fundador do Ethereum, Vitalik Buterin, mantém suas criptomoedas seguras

“Descentralize sua própria segurança”, diz Buterin – mas ele não usa uma cold wallet para suas próprias criptomoedas
Imagem da matéria: El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

Segundo os dados do mempool, El Salvador comprou 30 bitcoins no último mês
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

ETFs de Bitcoin têm entrada de US$ 303 mi, impulsionados por Fidelity e Grayscale

Os fluxos de entrada de ETFs de Bitcoin à vista nos EUA atingiram uma alta de US$ 303 milhões em duas semanas, já que o preço do Bitcoin ultrapassou US$ 66 mil
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube