Moeda do Bitcoin envolta por raios (Lightning Network)
Shutterstock

A empresa por trás da Lightning Network do Bitcoin testou um protocolo projetado para permitir que stablecoins sejam emitidas na blockchain do Bitcoin, disse sua CEO.

Falando na Cúpula de Criptoativos e Ativos Digitais do Financial Times nesta semana, Elizabeth Stark, CEO da Lightning Labs, disse que a empresa recentemente executou uma transação de teste na Lightning Network com um ativo criado usando o protocolo Taproot Assets.

Publicidade

“Lançamos uma parte inicial do código em outubro e, na última quinta-feira, fizemos uma demonstração da primeira transação na Lightning de um ativo”, disse Stark. “A ideia é ter dólares criptografados e stablecoins” na blockchain do Bitcoin, explicou.

“Eu realmente me preocupo profundamente em resolver problemas reais para pessoas reais, ao invés de moedas meme ou jogos de azar”, disse Stark, acrescentando que a capacidade de posicionar stablecoins e outros ativos sobre o Bitcoin irá “facilitar novos casos de uso e trazer mais pessoas para a internet do dinheiro e dos ativos digitais.”

Stark também destacou uma onda pós-halving de interesse de desenvolvedores no Bitcoin, com “muitos construtores retornando” para a blockchain. Ela apontou para desenvolvedores construindo finanças descentralizadas (DeFi) no Bitcoin, além de projetos como o bitVM, que permite aos desenvolvedores criar contratos Bitcoin completos em Turing.

Eliminando a “ideia de fronteira” A tecnologia da Lightning Labs é projetada “para eliminar a ideia de fronteira e apenas permitir que as pessoas transacionem globalmente”, disse Stark.

Publicidade

“O conceito de pagamento transfronteiriço é algo que ouvimos muito”, acrescentou, questionando em seguida “Por que deveríamos chamar isso de ‘transfronteiriço’ ainda? Não temos e-mails transfronteiriços, não temos mensagens de texto transfronteiriças.”

“Eu não tenho que pagar taxas para enviar uma imagem para um amigo do outro lado do mundo — o valor na internet e o dinheiro devem funcionar da mesma forma”, continuou.

Stark apontou para um recente relatório do FMI que constatou que o Bitcoin “se tornou um canal cada vez mais importante para enviar remessas e contornar controles de capital em mercados emergentes.”

Essa constatação, segundo ela, “não é de forma alguma surpreendente para aqueles de nós que estamos no terreno e trabalhando com desenvolvedores e comunidades nesses lugares.” Em mercados sujeitos a hiperinflação e regimes autoritários, disse ela, “o Bitcoin se torna um ativo e um meio de transação quando não têm outras opções.”

*Traduzido com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: '101 Perguntas sobre Bitcoin': Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

‘101 Perguntas sobre Bitcoin’: Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

A obra discorre os princípios técnicos da moeda até suas implicações socioeconômicas no contexto atual, de modo a proporcionar um entendimento profundo ao público geral
trader segura moeda de bitcoin em frente a grafico em computador

Bolsa de Chicago planeja lançar negociação de Bitcoin à vista, diz jornal

O objetivo é capitalizar a crescente demanda este ano entre os gestores de Wall Street para ganhar exposição ao setor de criptomoedas
moeda de Bitcoin ao lado de letreiro com ETF

Estado dos EUA investe R$ 510 milhões em ETF de Bitcoin da BlackRock

O investimento foi confirmado hoje pelo Conselho de Investimentos do Estado de Wisconsin (SWIB)
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve