Imagem da matéria: Larry Fink, CEO da BlackRock, é a personalidade do ano das criptomoedas, define Decrypt
CEO da BlackRock, Larry Fink cita Brasil como exemplo de inovação em pagamentos (Foto: Divulgação/BlackRock)

Nenhum tema trouxe mais esperança para os seguidores das criptomoedas em 2023 do que a perspectiva de um ETF de Bitcoin — e nenhuma pessoa fez mais para tornar esse sonho realidade do que o CEO da BlackRock, Larry Fink.

Um ETF de Bitcoin, que poderia abrir as comportas para que bilhões de ativos institucionais fluíssem para o mercado, tem escapado dos investidores de cripto há mais de uma década. Tem sido o evento mais esperado no setor de criptoativos desde que o Decrypt foi fundado em 2018. Mas, após a rejeição da SEC, citando o potencial de manipulação no mercado de Bitcoin, ele foi praticamente descartado como uma causa perdida. Então, Fink e a BlackRock mudaram o jogo — e de forma dramática e completamente inesperada.

Publicidade

Em junho, a BlackRock chocou o mundo das criptomoedas quando colocou seu peso de Wall Street por trás de um ETF de Bitcoin, apresentando um pedido à SEC para seu iShares Bitcoin Trust. Em seguida, Fink começou a elogiar o Bitcoin para o grande público na televisão nacional. As chances do ETF de Bitcoin mudaram instantaneamente.

Mas Fink nem sempre foi tão favorável com relação às criptomoedas, e essa mudança na relação — e o que isso pode significar para o mercado — é o motivo pelo qual ele é a Pessoa do Ano do Decrypt.

Afinal de contas, não faz muito tempo que Fink descartou o Bitcoin como um “índice de lavagem de dinheiro“. Mas não devemos nos prender a comentários de 2017, diz Adam Cochran, sócio da Cinneamhain Ventures e professor de administração.

O setor cripto deve aplaudir o fato de que a BlackRock agora está disposta a apostar sua reputação em “mergulhar cedo nesse espaço”, disse Cochran ao Decrypt. “E então não colocar [Fink] em um pedestal”, disse ele.

Publicidade

Quem é Larry Fink?

Grande parte do sucesso inicial de Fink decorreu de seu desenvolvimento de títulos lastreados em hipotecas — o que é mais do que um pouco irônico, dado o papel que esses ativos desempenharam na crise financeira de 2008, que, por sua vez, tiveram um impacto profundo na adoção e na tradição do Bitcoin.

Antes da crise, um número crescente de títulos lastreados em hipotecas era garantido por hipotecas subprime (incrivelmente arriscadas). Quando os mutuários ficaram inadimplentes, o valor desses títulos despencou. E todos os bancos e empresas que haviam se abastecido com títulos lastreados em hipotecas — atraídos pelas altas taxas de juros — sofreram perdas devastadoras. A crise causou o colapso dos gigantes de Wall Street, Lehman Brothers e Bear Stearns, e a aquisição da Merrill Lynch.

Embora o Bank of America tenha adquirido os negócios bancários da Merrill Lynch, foi a BlackRock de Fink que adquiriu a Merril Lynch Investment Managers em um negócio de US$ 9,7 bilhões em 2006. Isso elevou os ativos sob gestão da empresa para US$ 1 trilhão. Três anos depois, a BlackRock pagou US$ 13,5 bilhões pelo braço de investimentos do banco britânico Barclays, elevando seus ativos para US$ 2,7 trilhões.

Essa aquisição incluiu a coleção iShares de fundos de índice. O setor cripto agora o conhece bem por causa dos aplicativos iShares Bitcoin Trust e iShares Ethereum Trust da BlackRock.

Publicidade

Desde 2009, a BlackRock tem sido a maior administradora de ativos do mundo. No ano seguinte, a empresa de Wall Street gerenciou ou monitorou mais de US$ 12 trilhões. Atualmente, ela supervisiona US$ 8,5 trilhões, uma soma equivalente a quase metade dos ganhos da lista Fortune 500 de 2023. A empresa é tão grande que Fink assumiu o papel de CEO dos CEOs, publicando uma carta para outros executivos-chefes a cada ano. Não foi uma grande surpresa que sua carta de 2023 incluísse uma seção chamada “ativos digitais”.

Mas houve alguma controvérsia ao longo dessa história.

Para começar, há o papel que a BlackRock de Larry Fink desempenhou na crise financeira e uma mensagem inscrita no bloco de gênese do Bitcoin. A BlackRock de Fink fez duas de suas aquisições mais importantes após a crise. Na mesma época, o pseudônimo criador do Bitcoin, Satoshi Nakamoto, inscreveu uma linha de texto no primeiro bloco de transações do BTC: “The Times 03/Jan/2009 Chanceler à beira de um segundo resgate para os bancos”.

É uma manchete do London Times sobre os bancos que foram socorridos pelo governo britânico após a crise financeira. Nenhuma explicação oficial foi dada, mas acredita-se que ela enfatiza a primeira linha do whitepaper do Bitcoin: “Uma versão puramente peer-to-peer do dinheiro eletrônico permitiria que os pagamentos on-line fossem enviados diretamente de uma parte para outra sem passar por uma instituição financeira.”

Isso não passou despercebido por Ram Ahluwalia, CEO da Lumida Wealth, uma gestora de ativos especializada em investimentos alternativos e moedas digitais.

“O dinheiro descentralizado é implicitamente anti-institucional. E a BlackRock é uma das maiores instituições de todas, é uma deliciosa ironia”, disse ele ao Decrypt. “A única solução para tudo isso é que a BlackRock é uma instituição privada. Não é uma instituição soberana. E a BlackRock tem a missão de promover os objetivos de investimento de organizações privadas.”

Publicidade

A empresa também entrou em conflito com defensores do meio ambiente, da moradia, da diversidade e da inclusão. As alegações de discriminação têm sido tão persistentes que, em uma reviravolta bizarra, a BlackRock agora enfrenta reclamações de que demitiu injustamente homens brancos e usou um programa de bolsas de estudo “claramente ilegal” para contratar candidatos de “grupos marginalizados”.

Até muito recentemente, Fink era um cético declarado em relação ao Bitcoin. Mesmo quando a BlackRock adotou o Bitcoin de forma tímida em 2021, seu presidente disse durante uma entrevista que há “muito pouca demanda dos investidores” por criptomoedas.

A reviravolta de Larry Fink em relação ao Bitcoin

Muito tem sido dito sobre a reviravolta do CEO e presidente da BlackRock em relação ao Bitcoin.

Mark Connors, chefe de pesquisa na gestora de criptoativos 3iQ disse ao Decrypt que a adoção da maior e mais antiga criptomoeda peer-to-peer do mundo por Fink é “um endosso total”.

Ele se referia especificamente às falas de Fink na Fox Business de que o Bitcoin estava “digitalizando ouro.”

A 3iQ oferece um ETF Bitcoin à vista para investidores canadenses desde junho de 2021. Em novembro, o fundo — que é negociado na Bolsa de Valores de Toronto sob o ticker BTCQ — tinha US$ 160 milhões em ativos sob gestão. Mas a 3iQ está se posicionando para correr pela estrada que Fink está pavimentando.

Ele chama a busca da BlackRock por um ETF de Bitcoin à vista de “um esforço coordenado para preparar o caminho para um processo devidamente integrado para institucionalizar o Bitcoin, com segurança e em apoio a uma maneira compatível com a regulamentação”. É quase como se a empresa quisesse “fornecer migalhas de pão para a SEC”, acrescentou Connors.

A 3iQ não está sozinha na linha de partida. A CoinShares, gestora europeia de ativos digitais, deu um passo adiante, adquirindo a opção de comprar o negócio de ETF da Valkyrie. O acordo até dá à Valkyrie permissão para colocar o nome da CoinShares em seu aplicativo de ETF de Bitcoin.

Publicidade

“As instituições que estavam explorando o assunto e experimentando-o sentem-se mais justificadas para recorrer aos seus comitês internos de investimento e aos controladores de risco e dizer: ‘Vamos nos aprofundar um pouco mais'”, explicou Cochran. “Portanto, se elas já estavam no limite, Larry Fink lhes dá um empurrãozinho para dizer: ‘Olha, isso não é totalmente maluco’.”

O setor está tão otimista quanto à aprovação de um ETF de Bitcoin que os preços dispararam, e o Cripto Twitter foi incendiado por atualizações administrativas e alarmes falsos.

O caso em questão: o preço do Bitcoin subiu 10% quando uma notícia falsa afirmou que a oferta de ETF de Bitcoin da BlackRock havia sido aprovada. Fink foi questionado pela Fox Business sobre a falsa notícia e os movimentos de mercado que se seguiram. “É apenas um exemplo do interesse reprimido em criptoativos”, disse ele durante a entrevista. “Acho que a alta de hoje tem a ver com uma fuga para a qualidade.”

Em breve: 10 de janeiro 

Mas esse interesse reprimido terá que esperar um pouco mais.

Até o momento, a SEC concedeu duas vezes a si mesma uma prorrogação para tomar uma decisão sobre o pedido do iShares Bitcoin Trust. Na semana passada, a BlackRock apresentou outra emenda que mostrava sinais de que o órgão regulador de valores mobiliários havia conversado extensivamente com o gestor de ativos sobre riscos, divulgação para investidores em potencial e o que aconteceria com o Bitcoin que a BlackRock comprou se o fundo precisasse ser dissolvido.

Os analistas do JP Morgan disseram que há 90% de chance de um ETF de Bitcoin ser aprovado antes de 10 de janeiro. A Grayscale publicou uma postagem em seu blog repetindo o que já havia dito antes que a aprovação será uma “questão de quando, não de se”. E o CEO da Coinbase, Brian Armstrong, apesar de ter dado muita importância ao crescimento da exchange de criptomoedas em outros países, disse recentemente ao Decrypt que está “bastante otimista” quanto a uma aprovação.

O analista de ETFs da Bloomberg Intelligence, James Seyffart, disse recentemente que, embora a janela para uma decisão sobre algumas solicitações seja tecnicamente de 5 a 10 de janeiro, é improvável que o órgão regulador de valores mobiliários faça um anúncio em uma sexta-feira e é ainda menos provável que divulgue notícias sobre os solicitantes de ETFs no fim de semana.

Isso reduz a janela para segunda-feira, 8 de janeiro, a quarta-feira, 10 de janeiro. “Marquem em seus calendários, pessoal”, escreveu ele no Twitter.

Agora, resta pouco a fazer além de esperar. Mas ter o que muitos consideram ser a melhor chance de aprovação de um ETF de Bitcoin nos EUA vinculado ao maior gestor de ativos do mundo é um ponto de inflexão interessante.

“Isso cria estranhos companheiros de cama”, disse Ahluwalia, “forçando as pessoas a repensar suas suposições básicas sobre se querem ser maximalistas em torno de um princípio básico ou se querem impulsionar a adoção”.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

You May Also Like
Changpeng "CZ" Zhao, CEO da Binance

Decisão sobre sentença de CZ é adiada para o final de abril

A sentença de Changpeng “CZ” Zhao por lavagem de dinheiro foi adiada por dois meses sem explicação do tribunal federal
Imagem da matéria: Flamengo contrata empresa para criar ativos digitais com acervo do clube

Flamengo contrata empresa para criar ativos digitais com acervo do clube

Arquivo tem 520 mil peças entre documentos, imagens e vídeos; Flamengo esperar lucrar US$ 8 bilhões até 2027
Mãos humanas e robótica tocam as pontas dos dedos

Manhã Cripto: Tokens de IA disparam, Ethereum (ETH) supera os US$ 3 mil e Justiça libera extradição no caso Terra

Traders aceleram as compras de tokens relacionados à tecnologia de inteligência artificial, com destaque para o SingularityNET  e Fetch.ai
Imagem da matéria: Mercado de smartphones cripto ganha membro com JamboPhone, da Aptos

Mercado de smartphones cripto ganha membro com JamboPhone, da Aptos

A blockchain Aptos entrou na disputa dos smartphones cripto, anunciando uma parceria com o fabricante de celulares acessíveis Jambo