Imagem da matéria: "Lamentamos informar que o diretor financeiro desapareceu com o acesso às carteiras de criptomoedas"
Foto: Shutterstock

Uma obscura exchange de criptomoedas chamada Atomars comunicou a seus clientes o desaparecimento do seu administrador e diretor-financeiro (CFO) — e junto com ele o acesso aos fundos da empresa.

O aviso publicado na quarta-feira (05) diz o seguinte: “Lamentamos informar que o administrador da corretora, que também é o CFO, desapareceu com os acessos à carteira e não responde a nenhuma comunicação. Ele também tem acesso a todas as contas de mídia social”. 

Publicidade

Sem trazer mais detalhes sobre o caso, o comunicado afirma que a empresa trabalha com as autoridades para resolver a situação e “fazer tudo voltar como era antes”.

Nas redes sociais, os usuários afirmam que a Atomars está praticando um exit scam, o famoso golpe onde uma plataforma rouba os fundos dos clientes ao simular um ataque hacker ou o sumiço de um administrador, nos mesmos moldes do que aconteceu recentemente com duas corretoras da Turquia.

Os clientes suspeitam desde o final de abril que a Atomars é uma fraude. Além de não deixar os clientes retirarem seus fundos da plataforma, a equipe parou de responder o suporte, fechou os chats públicos nos grupos do Telegram e parou de publicar nas redes sociais. 

O brasileiro Lucas Pinho era um cliente da plataforma. Ele começou a usá-la no mês passado por indicação de um amigo, já que ele queria negociar uma criptomoeda que havia em outras corretoras. Na Atomars, há 147 criptomoedas listadas e 328 pares diferentes. 

Publicidade

“Não gostei da plataforma. Por incrível que pareça, quando eu fiz um depósito na quinta-feira semana passada, já estranhei a moeda não cair na hora”, disse ao Portal do Bitcoin via Telegram.

Lucas tinha em sua conta US$ 50 em Tether (USDT), cerca de R$ 260, e segundo ele, a plataforma prometia rendimentos através de stake de criptomoedas. “Provavelmente eles não têm dinheiro para pagar, e inventaram essa desculpa. Infelizmente esses hypes são assim mesmo.”

Exchange misteriosa

O brasileiro admite que não sabe quem são os donos da corretora. A Atomars quase não oferece informações online sobre a sua origem, quem são seus diretores ou qual regulação segue.

De acordo com a página da exchange no CoinMarketCap, a plataforma foi lançada em junho de 2019 e sua sede está localizada nas ilhas de Seicheles, um paraíso fiscal.

Publicidade

Em um grupo do Discord que reúne clientes da empresa, alguns usuários apontam que o líder da plataforma é um homem chamado Mike Filipenko, cujo perfil no Linkedin foi excluído recentemente.

Apesar das retiradas estarem oficialmente interrompidas, as negociações seguem acontecendo na plataforma. A Atomars registrou nesta quarta-feira um volume diário de US$ 56 milhões.

A empresa contava com 8 mil pessoas em seu grupo no Telegram, que agora está bloqueado.

Saques travados desde o final de abril

Há cerca de uma semana, o perfil da Atomars nas redes sociais acumula comentários de usuários indignados que não conseguem retirar os fundos da plataforma.  No dia 27 de abril, o usuário @tossybanyo publicou a angústia no Reddit: 

“Estou tentando sair da corretora, mas meus saques demoram uma eternidade. Depois de ler o telegram, vi que eles [Atomars] interromperam os bate-papos. No Twitter, todas as pessoas dizem que estão com o mesmo problema que eu. Na página do aplicativo no Google Play e no Discord, é a mesma coisa”.

Sem conseguir sacar alguns milhares de dólares em criptomoedas que estão presos na plataforma, o usuário admite que está “sentindo aquela sensação de estômago embrulhado”. 

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
Costas de um policial de Hong Kong

Empresário e filho se entregam à polícia após sequestrarem investidora de criptomoedas

A dupla teria tentado acertar as contas com a mulher de 55 anos que teria intermediado um investimento de cerca de R$ 10 milhões em criptomoedas
várias criptomoedas stablecoins sob uma mesa

Menos de 10% das transações com stablecoins são de usuários reais, diz Visa

Dados da Visa mostram que mais de 90% das transações com stablecoins foram feitas por robôs ou traders de grande escala
Imagem da matéria: Epik Duck: Conheça o projeto que foi de piada a memecoin de US$ 25 milhões

Epik Duck: Conheça o projeto que foi de piada a memecoin de US$ 25 milhões

Memecoins como a EPIK estão se tornando cada vez mais populares no universo das criptomoedas. Isso é bom ou ruim?
Fachada da GameStop em Tyler no Texas

Memecoin da rede Solana com tema GameStop sobe 1.900% e desperta febre do GME

A memecoin GME decolou na segunda-feira (13), entregando retornos consideráveis, superando os das ações da GameStop