Imagem da matéria: Justiça vai vender criptomoedas para pagar vítimas de pirâmide financeira nos EUA
Foto: Shutterstock

O Departamento de Justiça dos EUA (ou DOJ, na sigla em inglês) irá vender US$ 56 milhões equivalentes em criptomoedas confiscadas pela promotoria pública responsável pelo caso do esquema Ponzi cripto BitConnect, para compensar as vítimas de fraude.

De acordo com um anúncio do DOJ, o governo irá vender as criptomoedas e manter os lucros em dólares americanos para “fornecer restituição às vítimas em busca de uma futura ordem de restituição pelo tribunal no julgamento”.

Publicidade

As criptomoedas foram confiscadas de Glenn Arcaro, 44, que se declarou culpado de participar de uma conspiração de US$ 2 bilhões para fraudar investidores da BitConnect. Arcaro será sentenciado em 7 de janeiro de 2022 e enfrenta uma penalidade máxima de 20 anos de prisão.

Possíveis vítimas do esquema BitConnect estão convidadas a acessar o site justice.gov para obter informações sobre seus direitos, identificar a si próprias como vítimas e enviar uma declaração de impacto.

O que foi a BitConnect?

Por ter sido um dos esquemas cripto mais infames de todos os tempos, a BitConnect se anunciava como uma plataforma de investimento em criptomoedas que oferecia altos rendimentos com base em seu próprio bot de negociação.

Na verdade, o bot não existia; era um esquema Ponzi que recompensava participantes com base no número de pessoas que entrassem no esquema.

Publicidade

Impulsionada pelo esquema de pirâmide, a criptomoeda BCC da BitConnect disparou e se tornou uma das 20 maiores criptomoedas por capitalização de mercado, precificada a aproximadamente US$ 400.

Após investigações de reguladores no Texas e na Carolina do Norte, a BitConnect suspendeu sua plataforma de empréstimos e negociação, causando um colapso no preço da BCC, que chegou a menos de US$ 30.

Em maio de 2021, a Comissão de Valores Mobiliários e de Câmbio dos EUA (ou SEC) acusou cinco promotores da BitConnect, firmando um acordo de US$ 12 milhões em agosto.

Em setembro, a SEC processou a BitConnect, seu fundador Satish Kumbhani e Arcado na primeira ação contra a gestão da BitConnect.

Publicidade

Os confiscos de cripto pelo governo americano

Esta não é a primeira vez que o governo americano vendeu criptomoedas confiscadas.

Em 2014, o Serviço de Delegados dos EUA (U.S. Marshals ou USMS) vendeu mais de 30 mil BTC (na época, equivalentes a US$ 19 milhões) confiscados do agora extinto mercado ilegal Silk Rod.

Os bitcoins foram adquiridos pelo capitalista de risco Tim Draper, cujo montante agora equivale a mais de US$ 1,8 bilhão.

O USMS vendeu mais 4 mil BTC confiscados em fevereiro de 2020. Na época, equivalentes a US$ 37 milhões, seu valor já disparou para mais de US$ 240 milhões.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

Segundo os dados do mempool, El Salvador comprou 30 bitcoins no último mês
Vitalik Buterin na ETH Taipei 2024. Foto: Rug Radio

Como o fundador do Ethereum, Vitalik Buterin, mantém suas criptomoedas seguras

“Descentralize sua própria segurança”, diz Buterin – mas ele não usa uma cold wallet para suas próprias criptomoedas
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 62 mil em dia de quedas generalizadas; Dogwifhat desaba 12%

Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 62 mil em dia de quedas generalizadas; Dogwifhat desaba 12%

As quedas resultaram em liquidações de US$ 148 milhões no mercado de criptomoedas nas últimas 24 horas
moeda de bitcoin sob nota de dinehiro da nigéria

Tensão entre Binance e Nigéria escala após CEO acusar governo de suborno de R$ 770 mi

Funcionário do governo nigeriano disse que alegações são infundadas e que disputa contra Binance deve ser resolvida na Justiça