Pessoa inserindo chip no celular
Shutterstock

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) condenou a operadora de telefonia Tim a ressarcir os prejuízos de uma cliente que perdeu R$ 15,3 mil em criptomoedas roubadas por hackers após seu celular ter sido clonado. O roubo ocorreu em 2022, segundo publicação da Folha nesta sexta-feira (17).

De acordo com a reportagem, no processo, a cliente afirma que a partir da clonagem do celular os invasores tiveram acesso a seu endereço de email e com ele conseguiram acessar sua carteira na corretora Binance. O nome das criptomoedas roubadas não foram informados.

Publicidade

Segundo advogados da vítima, houve uma evidente falha no sistema da TIM e por isso instaram a operadora a “se aparelhar de forma a se proteger, bem como seus clientes, de eventuais golpes”, descreve a Folha. 

O mesmo foi dito pelo desembargador Alfredo Attié. Segundo anotou a Folha, Attié disse que foi a falha no sistema que permitiu a clonagem do chip e posteriormente retirada dos valores da conta da corretora. “A empresa não ofereceu segurança necessária à consumidora”, afirmou.

TIM se defende

A TIM  alegou que não pode ser responsabilizada por falhas de segurança de uma plataforma que não lhe pertence, afirmando que mesmo que mesmo que o aparelho tenha sido clonado, tal fato não causaria tais transações, pois os chips não transportam nenhum dado. 

“Os aplicativos bancários, transações bancárias, plataformas digitais, emails, são todos de responsabilidade de seus desenvolvedores e do cliente que os utiliza, não havendo a menor relação entre a operadora de telefonia e as transações financeiras aqui relatadas”, disse a TIM segundo a Folha.

Publicidade

O desembargador decidiu em favor da cliente, incluindo no processo um valor de indenização por danos morais mais correção sobre os valores roubados, perfazendo R$ 21,4 mil que devem ser pagos a ela. Segundo a Folha, a TIM ainda pode recorrer da sentença.

VOCÊ PODE GOSTAR
Círculo formado por criptomoedas com bitcoin no centro

Taiwan cria associação de criptomoedas em avanço para autorregulação

24 empresas de criptomoedas que se comprometeram ao combate à lavagem de dinheiro entraram na Associação de Provedores de Serviços de Ativos Virtuais de Taiwan
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Nigéria retira acusações contra executivos da Binance, mas mantém exchange na mira

Dois executivos da Binance foram afastados das acusações de evasão fiscal por uma agência nigeriana, mas ainda enfrentam um caso de lavagem de dinheiro
Pessoa olha para scanner da Worldcoin

Peru abre investigação contra Worldcoin por coleta de dados biométricos

Autoridades acompanham há quase um mês as sete operações da empresa que escaneia o rosto e a íris das pessoas em troca de tokens WLD
Imagem da matéria: FTX pode liquidar dívida fiscal de US$ 24 bilhões por US$ 200 milhões

FTX pode liquidar dívida fiscal de US$ 24 bilhões por US$ 200 milhões

Se aprovada pelo juiz, a FTX pagaria à Receita dos EUA US$ 200 milhões agora e US$ 685 milhões posteriormente