Imagem da matéria: Justiça Brasileira afirma que Bitcoin não é moeda e nem valor mobiliário em decisão
Foto: Shutterstock

As criptomoedas não apresentam natureza jurídica nem de moeda e nem de valor mobiliário. Esse foi o argumento que a terceira seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) utilizou para decidir por unanimidade que a competência para julgar casos que envolvam crimes com bitcoins e outras criptomoedas é da Justiça Estadual.

A questão, entretanto, não foi criada pelo judiciário brasileiro. O Ministro Sebastião Reis Junior, relator do processo CC nº 161123/SP, apenas se baseou naquilo que os órgãos reguladores têm até então emitido sobre os bitcoins e outras moedas criptografadas.

Publicidade

No acórdão publicado na última quarta-feira (05), o relator afirmou que “a negociação de criptomoeda ainda não foi objeto de regulação no ordenamento jurídico pátrio”.

Reis mencionou em sua decisão que o Banco Central já havia deixado claro, por meio do comunicado 31.379/17, que as moedas virtuais – incluindo nesse rol as moedas criptografadas – “não são referenciadas em reais ou em outras moedas estabelecidas por governos soberanos” e “não são emitidas nem garantidas por qualquer autoridade monetária”.

Em outros termos, o Banco Central que tem a competência exclusiva para emitir moedas não reconhece bitcoins como moeda em si.

CVM e Bitcoin

Outro argumento utilizado para fundamentar sua decisão é de que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) “tem interpretado, até então, que a negociação de moedas virtuais, como o Bitcoin, está fora do perímetro regulatório daquela instituição, já que tal moeda não é considerada valor mobiliário por aquele órgão, circunstância essa que exclui eventual negociação de criptomoeda das obrigações previstas na Lei n. 6.385/1976”.

Publicidade

Com isso, Reis afirmou que “a criptomoeda, até então, não é tida como moeda nem valor mobiliário” e isso afasta a aplicação da Lei n. 7.492/1986, que define os crimes contra o Sistema Financeiro Nacional; e do art. 27-E da Lei n. 6.385/1976, o qual proíbe o exercício  no mercado de valores mobiliários daqueles que não possuem autorização da CVM.

Para que haja crime contra o Sistema Financeiro nacional, a pessoa teria de se enquadrar no art. 1º dessa lei, ou seja, ser uma instituição financeira tendo como atividade “a captação, intermediação ou aplicação de recursos financeiros de terceiros, em moeda nacional ou estrangeira, ou a custódia, emissão, distribuição, negociação, intermediação ou administração de valores mobiliários”.

A decisão é um precedente para outros casos semelhantes que cheguem nos tribunais de Justiça do país.

Contudo, esse entendimento pode ser modificado caso o Banco Central ou a CVM mude o posicionamento diante das criptomoedas, ou caso surja uma norma que modifique o art. 1º da Lei 7.492/1986 acrescentando no seu rol as criptomoedas.



Compre Bitcoin na Coinext

Baixe agora o aplicativo (Android e iOS) da corretora de criptomoedas mais avançada do Brasil. A mesma segurança e agilidade, em qualquer lugar, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: '101 Perguntas sobre Bitcoin': Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

‘101 Perguntas sobre Bitcoin’: Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

A obra discorre os princípios técnicos da moeda até suas implicações socioeconômicas no contexto atual, de modo a proporcionar um entendimento profundo ao público geral
Moeda do Bitcoin envolta por raios (Lightning Network)

Lightning Labs está trazendo stablecoins para a blockchain do Bitcoin

“Ideia é ter dólares criptografados e stablecoins na blockchain do Bitcoin”, explicou Elizabeth Stark, CEO da Lightning Labs
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais