Imagem da matéria: Jovens estão tomando riscos demais com forex e criptomoedas, alerta regulador do Reino Unido
(Foto: Shutterstock)

A Autoridade de Conduta Financeira dos Reino Unido (FCA) publicou um estudo sobre os investidores de varejo nesta terça-feira (23). Para a entidade, eles estão tomando riscos exagerados em investimentos voláteis, como é o caso das criptomoedas e do forex.

O estudo mirou nos investidores que operam sozinhos, sem a ajuda de um corretor ou outro especialista, em aplicações de alto risco. Eles contam com a acessibilidade trazida pelos aplicativos de investimento, como o Robinhood, para entrar no mercado sem ter experiência ou conhecimento para isso, na visão da entidade.

Publicidade

Nessa linha, a pesquisa expôs a desconexão desse jovens investidores com a realidade; 45% deles acredita que perder dinheiro não é um risco potencial das suas atividades, mesmo que elas incluam produtos como criptomoedas, forex ou CFDs

Porém, 59% das pessoas ouvidas disse que, caso sofressem um prejuízo significativo, o seu estilo de vida seria impactado negativamente pelas suas escolhas.

Decisões de investimento são irracionais

Os fatores que mais levam os jovens investidores a tomar risco, de acordo com o estudo, são coisas como a “emoção de investir”, o “senso de propriedade sobre as companhias investidas”, a “novidade” e a “competição”.

Por outro lado, incentivos racionais como guardar dinheiro para a aposentadoria ou deixar o dinheiro rendendo foram pouco lembrados pelos investidores.

Publicidade

A pesquisa da FCA mostra que os jovens investidores são suscetíveis a tomar decisões de alto risco por influência de campanhas de marketing agressivas. Ao mesmo tempo, eles não costumam acreditar na opinião de especialistas independentes sobre o mercado financeiro.

Na comparação, a comunidade dos investidores “autônomos” tende a ser mais jovem e mais diversa, sob o ponto de vista étnico e de gênero, do que os investidores mais experientes.

Pandemia da Covid-19 impacta as escolhas dos investidores

A pandemia provocada pela Covid-19 está influenciando na vida dos investidores. 28% dos entrevistados disseram que estão prestando mais atenção no seu portfólio. O motivo é o maior tempo livre para acompanhar os investimentos.

Além disso, metade deles alegou que a pandemia não está afetando as suas finanças negativamente. Isso porque, mesmo nos casos de redução dos proventos, também houve a diminuição de gastos com viagens e outras atividades.

Recomendações da FCA para os novos investidores

A FCA indica que os novos investidores respondam a cinco perguntas antes de aplicar o próprio dinheiro:

  • Estou confortável com o nível de risco tomado?
  • Eu entendo completamente o produto que está sendo oferecido?
  • Estou protegido se as coisas derem errado?
  • Os meus investimentos são regulados?
  • Eu deveria ir atrás de aconselhamento profissional?

Inclusive, a FCA afirma que está trabalhando para banir a veiculação de propagandas em massa sobre produtos financeiros especulativos.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

O jogador do Atlético Mineiro está desde o ano passado atrás dos valores investidos na WLJC Gestão Financeira através de Bigode
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) e altcoins enfrentam correção com US$ 400 milhões em liquidações

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) e altcoins enfrentam correção com US$ 400 milhões em liquidações

Cenário macroeconômico dita o ritmo, com US$ 400 milhões em liquidações de posições que apostavam na alta dos preços de criptomoedas
Imagem da matéria: Solana sofre congestionamento por operações desenfreadas de bots

Solana sofre congestionamento por operações desenfreadas de bots

Alto número de operações de spam estão fazendo com que a Solana fique mais lenta e que transações não sejam processadas
Agentes da Polícia Federal emoperação contra russos radicados noBrasil

PF faz operação contra mexicano que se associou a pirâmide com criptomoedas no Brasil

Acusado também afirmava ser representante de uma marca italiana de carros, convencendo pessoas a investir em uma criptomoeda que ele mesmo criou