Imagem da matéria: Jack Dorsey e a Web5: uma nova internet do futuro? | Opinião
Jack Dorsey, criador do Twitter (Foto: Shutterstock)


A internet do futuro, a Web3, sequer surgiu de fato e já está sendo substituída por algo ainda mais avançado, a Web5. É isso mesmo?

Jack Dorsey, antigo diretor executivo do Twitter, deixou seu cargo em dezembro de 2021. Desde então, ele tem trabalhado em um projeto paralelo de internet descentralizada baseado no Bitcoin, a qual denominou como Web5. De acordo com Dorsey, seu projeto busca trazer à tona essa aspiração de uma internet descentralizada, mas de uma forma superior à proposta pelos idealizadores da Web3. A seguir, veremos com mais detalhe quais são as diferenças entre os dois projetos.

Publicidade

Da Web1 à Web3

A história começou com a Web1, a primeira World Wide Web criada nos anos 80 e popularizada nos anos 90. Nessa primeira versão de internet, as páginas podiam ser visitadas e consultadas, mas sem possibilidade alguma de interação com o usuário. Isso só foi possível com a iteração seguinte, a Web2, que é o formato usado até hoje.

A Web2, ou Web 2.0, permite a troca de informações entre usuários e servidores. Ambos podem ler e gravar dados. Com a evolução da tecnologia digital, dos computadores, do Wi-Fi e da internet por satélite, atingimos altíssimas velocidades e volumes de trocas de dados on-line, permitindo a criação de incontáveis sites e experiências de uso. A revolução digital dos últimos 30 anos aconteceu graças a esses avanços tecnológicos e à consolidação da Web2.

A Web3 seria a próxima etapa desse processo. Ainda em fase de concepção e experimentação, a Web3 se baseia em dois pilares: automação/inteligência artificial e descentralização. A base que sustenta esses pilares é a tecnologia blockchain.

Os componentes da Web3 ao longo dos próximos anos terão, segundo as conjecturas, forte influência dos NFTs, metaversos, dApps, criptomoedas, blockchains e possíveis outras funcionalidades ainda não imaginadas. Estes são todos temas de interesse econômico internacional em rápido desenvolvimento nos últimos anos, além de serem constantes tópicos de discussão, polêmica e regulamentação.

Publicidade

As críticas de Jack Dorsey à Web3

Não satisfeito com o rumo de desenvolvimento tomado pela comunidade em direção à Web3, Jack Dorsey resolveu deixar esse conceito completamente de lado e alavancar o que ele próprio acredita ser o futuro da internet, criando o termo Web5.

A maior crítica de Jack é de que o ecossistema Web3 se tornou uma rede obscura, uma espécie de reduto especulativo utilizado pelas startups, empresas e capital de ventura primariamente para acumulação de dinheiro e poder. Ele critica a falsa estampa de “descentralização” utilizada por essas entidades, sendo elas as verdadeiras donas da Web3, não os usuários.

Web5

A proposta da equipe de Jack Dorsey com a criação da Web5 se baseia na disponibilização de uma nova plataforma para desenvolvedores. Eles terão recursos para “alavancar Identificadores Descentralizados, Credenciais Verificáveis e Nós Web Descentralizados para programar Aplicativos Web Descentralizados, devolvendo a propriedade e o controle sobre identidade e dados aos indivíduos”.

As intenções propostas com a Web5 são as mesmas da Web3, porém Jack afirma que a última está falhando no cumprimento de suas promessas. A Web5 contorna o problema ao se valer de ferramentas diferentes, que impedem a centralização de recursos e dados. Ela será fortemente alicerçada no Bitcoin e em diversos utilitários computacionais, entre os quais citam-se identificadores descentralizados, um webnode descentralizado, um serviço de identidade auto-soberana e um kit de desenvolvimento de software de identidade auto-soberana.

Publicidade

Com esses recursos, o projeto afirma que criará um ambiente no qual desenvolvedores poderão focar na criação de experiências Web tão avançadas quanto queiram. Enquanto isso, a tecnologia de descentralização de identidade e dados impedirá que terceiros ganhem acesso ou propriedade sobre os dados dos usuários.

As questões de propriedade de dados e da Indústria do Big Data se tornaram um mercado internacional multibilionário. Esse assunto preocupa muitos governos e incitou uma onda de regulamentação global, com a criação de leis como a LGPD (Brasil) e a GDPR (Europa). Jack afirma que esses problemas não terão mais tanta relevância em uma verdadeira internet descentralizada, como o modelo da Web5, no qual os usuários serão os únicos donos de seus próprios dados.

A Web5 é, de fato, a nova “internet do futuro”?

Muitos se animaram com o projeto Web5, que promete encaminhar a idealização de uma internet justa, segura e descentralizada.

Contudo, também vieram críticas. Johny Clark, cofundador de uma startup para adequação à GDPR, alegou em uma entrevista que Jacknão mudará muita coisa. O modelo Web5 combina Web2 e Web3, ainda dependendo de um banco de dados central. Segundo Johny, ele enfrentará dificuldades tanto de escalabilidade quanto de adoção em massa.

Outros criticam o foco da ferramenta na blockchain e na criptomoeda Bitcoin, o que limita os desenvolvedores em seus novos projetos. As maiores ressalvas estão relacionadas às possibilidades de escalabilidade e velocidade, especialmente com a criação de uma rede Web dentro dessa blockchain.

De qualquer forma, é muito cedo para se dizer se Jack realmente entregará o que propõe, ou se tudo não passa de uma estratégia para lançamento de mais uma plataforma Web3 camuflada de inovação. É preciso ter cautela diante do impacto causado por termos como “Web5”, que prometem uma revolução per se, mas que só poderá ser confirmada após a demonstração de resultados ao longo dos próximos meses.

Publicidade

Sobre o autor

Fares Alkudmani é formado em Administração pela Universidade Tishreen, na Síria, com MBA pela Edinburgh Business School, da Escócia. Naturalizado Brasileiro. Atua como Business Development Manager Brasil na Kucoin.

Talvez você queira ler
Cristiano Ronaldo, craque da seleção portuguesa

Cristiano Ronaldo é alvo de ação coletiva de US$ 1 bilhão por promover a Binance

A Binance firmou parceria com craque português em meados de 2022, incentivando a venda e promoção de seus próprios NFTs
Imagem da matéria: Murano Investimentos é a nova associada da ABCripto

Murano Investimentos é a nova associada da ABCripto

Ingresso da empresa visa reforçar o ecossistema de infraestrutura inovadora e eficaz para o desenvolvimento da criptoeconomia no Brasil
cz fundador da exchange de criptomoedas binance

Promotores querem proibir CZ de deixar EUA até sentença: “Risco de fuga”

Citando um “risco substancial de fuga”, o DoJ argumentou que CZ deveria permanecer nos EUA até sua sentença em fevereiro de 2024
Imagem da matéria: Patex: Nova exchange de criptomoedas promete chegar ao Brasil em 2024 sob comando de ex-diretor da Binance

Patex: Nova exchange de criptomoedas promete chegar ao Brasil em 2024 sob comando de ex-diretor da Binance

Além de ser uma plataforma de negociação, a Patex irá focar na educação, com a criação de um campus virtual para cursos e especializações