Imagem da matéria: Investidor mostra banco Silvergate vazio e prevê quebra: "Ficarei surpreso se continuar aberto"
Sede do Silvergate vazia (Foto: Reprodução/Twitter)

A crise do banco cripto Silvergate parece se aprofundar a cada dia. Na sexta-feira (3), o investidor Marc Cohodes, que vinha apostando na queda da empresa, publicou uma foto dos escritórios da companhia vazios e vaticinou: o banco quebra de vez até o final desta semana.

No mesmo dia, a instituição anunciou o encerramento da plataforma usada para mover dinheiro entre corretoras de criptomoedas.

Publicidade

Cohodes começou a operar vendido na queda da Silvergate em novembro do ano passado. Ou seja, se as ações da empresa caíssem, ele iria ganhar dinheiro. E a estratégia deu certo, já que as ações da compahia simplesmente evaporaram. No comparativo de seis meses para cá, os papéis perderam 95% do valor.

Cohodes disse para o portal Hedgeye em novembro: “Quando a FTX é seu principal cliente e você ouve a FTX falar sobre o Silvergate e que sem o banco a corretoria não teria um negócio … é aí que você começa a vasculhar a Silvergate”, disse.

O investidor se referia a uma declaração de Sam Bankman-Fried que aparecia no site da Silvergate. “A vida de uma empresa cripto pode ser dividia entre antes do Silvergate e depois do Silvergate”.

Segundo reportagem do The Block, desde sexta-feira (3), Cohodes aumentou sua posição de “short” no Silvergate, indicando que espera que as ações caíam ainda mais. E ainda disse: “Eu ficaria surpreso se o banco continuar aberto semana que vem”, referindo-se à semana que começa nesta segunda-feira (6).

Junto disso tudo, o investidor postou a foto da recepção da empresa vazia. A sede do Silvergate fica na cidade de São Francisco.

Publicidade

Fim do serviço

Na sexta-feira (3), o Silvergate afirmou que estava encerrando o serviço chamado Silvergate Exchange Network (SEN). Trata-se de um sistema no qual os clientes podiam fazer transferências cripto 24 horas por dia, os sete dias da semana. O banco tinha parceria com a Binance US, Kraken, Gemini e ErisX.

“Com efeito imediato, o Silvergate Bank tomou uma decisão baseada no risco de descontinuar a Silvergate Exchange Network (SEN)”, disse a empresa em seu site na sexta-feira (3). “Todos os outros serviços relacionados a depósitos permanecem operacionais.”

O caso Silvergate

Depois de alguns meses de relativa tranquilidade , mercado de criptomoedas ganhou um novo vilão com o banco Silvergate, que está derrubando os preços de boa parte dos ativos digitais e gerando receio de uma nova crise em um setor ainda traumatizado pelos derretimentos da corretora FTX e do projeto Terra.

O caos começou na quarta-feira (1º). O banco – com posição destacada no setor cripto por ser uma das principais fontes de capital para grandes empresas do segmento, como a Coinbase e a Binance – anunciou que iria atrasar em duas semanas a apresentação de seu relatório anual aos reguladores da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC). 

Publicidade

Como já existia no setor um temor sobre a saúde financeira do banco — principalmente por sua relação no passado com a falida FTX —, o atraso fez com que players do mercado especulassem que os problemas da instituição fossem ainda piores do que o imaginado.

Os apuros do Silvergate

Tudo começou a dar errado para a Silvergate quando aconteceu o colapso da corretora de criptomoedas FTX, em novembro do ano passado. Afinal, o banco tinha US$ 1 bilhão em depósitos na exchange criada por Sam Bankman-Fried, que quebrou do dia para noite.

A instituição também tinha muitos projetos ligados às tecnologias cripto, como a criação de uma solução de pagamento baseada em blockchain, que tiveram que ser abandonados.

Precisando de dinheiro, a Silvergate vendeu ativos que estavam no prejuízo e realizou uma perda de US$ 886 milhões no último trimestre. Essa informação foi divulgada ontem pelos analistas do JP Morgan, quando rebaixaram a classificação das ações da Silvergate.

Há ainda a expectativa de que o banco terá que vender mais US$ 1,7 bilhão em ativos em breve, já que há empréstimo feito no Federal Home Bank of San Francisco que precisa ser pago.

Publicidade

Quando foi anunciado na quinta-feira o atraso na divulgação dos relatórios financeiros, a nota da Silvergate dava o panorama de uma série de fatores que poderiam afetar a capacidade da empresa de continuar em operação.

“Existem ou haverá fatores importantes que podem fazer com que os resultados reais da empresa sejam diferentes daqueles indicados nessas declarações prospectivas, incluindo, mas não limitado a restrições nos negócios da empresa, resultantes de vários litígios (incluindo litígios privados) e inquéritos regulatórios e outros e investigações contra ou com relação à Empresa, investigações de nossos reguladores bancários, inquéritos do Congresso e investigações do Departamento de Justiça dos EUA.” 

Ou seja, além da crítica saúde financeira da Silvergate, o banco também parece estar no centro de uma série de investigações das autoridades americanas. 

Empresas abandonam Silvergate 

Nesta situação delicada, empresas de criptomoedas que usavam os serviços da Silvergate optaram por abandonar o banco.

A Coinbase, maior corretora de criptomoedas do EUA, foi uma das primeiras a se distanciar da Silvergate. A Coinbase comunicou no Twitter que não iria mais iniciar ou aceitar pagamento feitos através do banco, explicando que a decisão foi tomada “com muita cautela à luz dos eventos recentes”.

“A Coinbase facilitará as transações em dinheiro de clientes institucionais com nossos outros parceiros bancários e tomou medidas proativas para ajudar a garantir que os clientes não sofram nenhum impacto dessa mudança”, garantiu.

Outra exchange famosa no mercado, Crypto.com, disse ao Decrypt que também rejeitaria fundos transferidos de ou para sua plataforma via Silvergate. “Depósitos e saques via Silvergate foram temporariamente suspensos”, disse um porta-voz da empresa.

Publicidade

A exchange de criptomoedas Gemini, fundada pelos gêmeos Winklevoss, foi outra que parou de aceitar saques e depósitos de clientes através Silvergate em sua plataforma de negociação.

A exchange de criptomoedas Bitstmap, com sede em Luxemburgo, declarou que interromperia temporariamente seu suporte a transferências bancárias realizadas via Silvergate em uma postagem no blog, dizendo que seus pagamentos em dólares americanos seriam facilitados usando o Signature Bank, outro banco popular entre as empresas do setor de ativos digitais.

A Circle e a Paxos, empresas famosas pela emissão de stablecoins, também reveleram nos últimos dias que não usariam mais os serviços da Silvergate. 

No Twitter, a Circle disse que estava atualmente “no processo de desfazer certos serviços com [Silvergate] e notificar os clientes”, enquanto a Paxos disse que apesar de abandonar o banco, “continuaria processando todos os pagamentos de saída” para os clientes normalmente.

Outras duas empresas que também se distanciaram da Silvergate neste momento de crise foram a Galaxy Digital e a Cboe Clear Digital.

A perda de seus principais clientes tende a dificultar ainda mais a recuperação do banco, que já via sua receita cair desde o final do ano passado. A Silvergate havia revelado no passado que seus depósitos caíram de forma significativa em meio ao colapso da FTX, com o banco sofrendo uma redução de 68% (US$ 8,1 bilhões) em janeiro.

Para conseguir atender a avalanche de saques, o banco precisou recorrer a empréstimos. Segundo o Decrypt, a Silvergate garantiu um empréstimo de US$ 4,3 bilhões do Federal Home Loan Bank e vendeu cerca de US$ 5,2 bilhões em títulos de dívida.

VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

Polícia Civil de SP pede prisão de donos da Braiscompany e mais dois funcionários

Antônio Neto Ais já está preso na Argentina, enquanto Fabrícia Campos está em liberdade condicional
Imagem da matéria: Com halving a horas de acontecer, Bitcoin Cash bate maior preço desde 2021

Com halving a horas de acontecer, Bitcoin Cash bate maior preço desde 2021

Criptoativo registrou um aumento de 5% nas últimas 24 horas e um aumento considerável de 43% nos últimos 30 dias
Imagem da matéria: Clientes brasileiros da FTX vivem expectativa de pagamento e medo de novos golpes

Clientes brasileiros da FTX vivem expectativa de pagamento e medo de novos golpes

Grupo de brasileiros se unem no Telegram para tentar entender comunicações da massa falida da FTX em meio ao receio de novos golpes
Brad Garlinghouse, CEO da Ripple , posa para foto

Mercado de criptomoedas vai valer US$ 5 trilhões até final do ano, prevê CEO da Ripple

Brad Garlinghouse justifica seu otimismo pelo halving do Bitcoin e um possível impulso regulatório positivo do mercado cripto nos EUA