Imagem da matéria: Indeal: Sócios da pirâmide financeira são condenados a 19 anos de prisão
Foto: Shutterstock

Cinco sócios da Indeal, uma pirâmide financeira que usava supostos investimentos no mercado de criptomoedas para enganar suas vítimas, foram condenados a 19 anos e três meses de prisão, além de multa, pelos crimes de organização criminosa, apropriação e desvio de valores de instituição financeira, gestão fraudulenta de instituição financeira e operação de instituição financeira sem autorização legal.

Segundo informou o Tribunal Regional Federal da 4ª região (TRF-4), a operação investigou 17 pessoas. Além dos sócios, os outros 12 réus receberam penas inferiores, entre 10 e 15 anos de reclusão. O nome dos réus não foi divulgado pela Justiça.

Publicidade

O valor estipulado na sentença para reparação dos danos é de aproximadamente R$ 448 milhões, segundo o TRF.

De acordo com a Justiça, as defesas apresentaram argumentos parecidos entre si, como negação da autoria do crime, inépcia da denúncia, atipicidade da conduta, incompetência da Justiça Federal, pedido de nulidade do processo e pedido de absolvição.

Além disso, alguns acusados apresentaram como defesa o argumento de que criptomoeda não seria título nem valor mobiliário, não podendo ser enquadrado como crime contra o sistema financeiro, tampouco podendo ser equiparada a divisa, para efeitos de evasão.

Entenda o caso

Alvo da Operação Egypto da Polícia Federal em 2019, a empresa Indeal, criada no município de Novo Hamburgo (RS), teria disponibilizado serviços ilícitos sem autorização do Banco Central e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) entre 2017 e 2019, segundo o Ministério Público Federal (MPF).

Os sócios vendiam aos potenciais clientes a ideia de um investimento inovador, realizado mediante a aquisição e negociação de criptomoedas com promessa de remuneração de 15% ao mês.

Publicidade

Com isso, os acusados teriam captado mais de R$ 1 bilhão de 38.157 pessoas físicas e jurídicas, sendo que a maior parte desse valor era de moeda nacional e pouco mais de R$ 41 milhões em bitcoins.

Além disso, eles desviavam parte dos valores dos clientes, direta ou indiretamente, para os sócios, seus familiares e colaboradores da empresa, que apresentaram aumento patrimonial de até 114.000% entre 2017 e 2019.

Ainda segundo o MPF, os denunciados operaram em, pelo menos, oito estados e alcançaram também outros países, como Suíça e Estados Unidos. De acordo com a acusação, eles também teriam promovido a evasão de divisas em, pelo menos, R$ 128 milhões.

Multa da CVM

No fim do ano passado, a CVM condenou a Indeal e seus sócios a pagarem multas que somadas ultrapassam R$ 240 milhões. De acordo com a autarquia, as partes foram acusadas de operação fraudulenta e emissão irregular de valores mobiliários.

Publicidade

“A elevada rentabilidade prometida levou a Área Técnica a concluir, naquele primeiro exame, que se trataria de um esquema fraudulento de pirâmide, por não ser verossímil que qualquer empreendimento tivesse real intenção de proporcionar ganhos dessa magnitude”, disse a CVM na decisão citando a promessa de 15% de ganhos feita pela empresa.

O relatório afirma que eles cometeram uma infração da Instrução CVM 08, que trata sobre operação fraudulenta no mercado de valores mobiliários, e outra da Instrução CVM 400, que dispõe sobre oferta pública de valores mobiliários; neste caso, as partes operaram sem o registro na CVM ou sua dispensa.

You May Also Like
Sede do Banco de Compensações Internacionais (BIS), na Suiça

Fundo de hedge cripto suíço enfrenta acusações de ignorar alertas de risco da FTX

O fundo suíço Tyr ignorou avisos em relação à sua exposição à FTX e só tentou retirar ativos da exchange depois que ela quebrou
Polygon

SoulPrime anuncia migração para Polygon e aprimoramento da experiência do usuário

A SoulPrime está migrando seu token de governança PRT (Prime Token) da blockchain Ethereum para a Polygon
Imagem da matéria: TON salta 40% após Telegram afirmar que usará blockchain para dividir receita publicitária com usuários

TON salta 40% após Telegram afirmar que usará blockchain para dividir receita publicitária com usuários

TON ganhou força após o criador do Telegram, Pavel Durov, explicar que a partir de março uma parte da receita com publicidade será compartilhada com donos de canais no app
Moedas de ether

Manhã Cripto: Ethereum (ETH) se aproxima de US$ 3 mil; Worldcoin dispara 40% e Revolut testa nova exchange

Com mercado americano fechado por conta de feriado, dia das criptomoedas é sem tendência definida, com o Bitcoin e Ethereum subindo