Imagem da matéria: Huobi espera sofrer queda de 30% na receita com perda de clientes chineses
Foto: Shutterstock

A corretora de criptomoedas Huobi espera registrar uma queda de 30% em sua receita como consequência da repressão às criptomoedas na China. Em entrevista ao Financial Times, o cofundador da Huobi, Du Jun, afirmou que a plataforma está “no processo de parar de atender todos os clientes chineses” até o fim de 2021.

“Não haverá usuários chineses na plataforma […], então nossas receitas [desses clientes] chegarão a zero”, acrescentou.

Publicidade

Para compensar a perda de receita do mercado chinês, a Huobi planeja expandir sua oferta para outros países. “Estamos muito confortáveis na Ásia e somos líderes aqui, mas precisamos de uma nova ênfase. Precisamos nos tornar globais”, explicou.

Nesse sentido, a Huobi pretende quadruplicar seu número de funcionários — atualmente a corretora possui mais de mil empregados — como parte de sua tentativa em expandir globalmente.

A repressão cripto na China

Em 2021, o governo chinês protagonizou uma onda de repressão à indústria cripto do país. Conforme autoridades regionais obrigaram mineradores de bitcoin a encerrarem suas operações, o Conselho do Estado da China incluiu a mineração de bitcoin em uma lista de riscos financeiros que precisam ser monitorados.

Em maio, três grandes associações financeiras do país seguiram em linha com um pedido do Banco Central para que empresas do setor de pagamentos não interagissem com criptomoedas e alertou investidores sobre a negociação cripto, descrevendo-a como uma atividade “especulativa”.

Dias depois, a Huobi anunciou que iria suspender contratos futuros, produtos negociados em bolsa (ou ETPs, na sigla em inglês) e produtos de investimento alavancado para novos usuários em alguns países e regiões, além de informar que não iria mais vender máquinas de mineração e fornecer serviços relacionados à atividade para novos usuários que estiverem dentro da China.

Publicidade

Um mês depois, o Banco Central chinês exigiu que bancos e instituições de pagamento parassem de fornecer uma gama de serviços de criptomoedas, incluindo a abertura de contas, transações e liquidações.

A razão da China sufocar o mercado cripto possui duas vertentes. Em primeiro lugar, a mineração de criptomoedas proof-of-work (PoW), como o bitcoin, é uma atividade que consome muita energia. Estudos já indicaram que a atividade poderia atrapalhar a meta da China de reduzir sua emissão de carbono.

Em segundo lugar, a China está no processo de lançar sua própria moeda digital emitida por banco central (CBDC), o yuan digital ou DCEP, moeda digital centralizada que opera sob o controle do Banco do Povo da China (PBoC) e o Banco Comercial do país.

Criptomoedas que são operadas sem o controle de uma autoridade central, apresentam um desafio direto à adesão da DCEP.

No entanto, a proibição na mineração de bitcoin da China não teve sucesso em extinguir a criptomoeda de uma vez por todas.

Publicidade

Embora a suspensão inicial tenha feito com que mineradores do país encerraram suas operações e causado uma queda momentânea do hashrate do BTC, muitos mineradores já se realocaram para o exterior e voltaram a ligar suas máquinas.

Em julho, a taxa de hash que mede o poder computacional da rede do bitcoin, estava se recuperando. Já em outubro, os EUA se tornaram o país com o maior mercado de mineração de bitcoin do mundo, superando a China.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Investidores aproveitam queda do Bitcoin para acumular ainda mais moedas

Investidores aproveitam queda do Bitcoin para acumular ainda mais moedas

As baleias de Bitcoin compraram avidamente a última queda; investidores de longo prazo agora aguardam a próxima alta para realizar lucros
Silhueta de pessoa jogando videogame À frente de TV

Os maiores tokens de jogos lançados em 2024 – até agora

O Notcoin aparece na lista dos maiores tokens de jogos deste ano, ao lado de Pixels, Portal, Saga e muito mais
Imagem da matéria: Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Apesar de chamara cada vez mais atenção, muitas pessoas ainda não sabem o que é a tokenização de ativos e como ela funciona
Imagem da matéria: Bitcoin sobe mais de 3% após dado de inflação dos EUA cair em abril

Bitcoin sobe mais de 3% após dado de inflação dos EUA cair em abril

Bitcoin, Ethereum e outras criptomoedas sobem nesta quarta-feira após o relatório do CPI dos EUA mostrar que os preços subiram mais lentamente que o esperado