Imagem da matéria: Hong Kong quer banir negociação de investidores de varejo com criptomoedas
Foto: Divulgação

A legislação de Hong Kong pode ser alterada para banir os investidores de varejo de negociar o Bitcoin (BTC) e outras criptomoedas. No caso, essa modalidade de investimentos ficaria limitada aos investidores profissionais, de acordo com uma consulta pública emitida em novembro do ano anterior pelo Escritório do Tesouro e Serviços Financeiros de Hong Kong (FSTB).

A consulta pública foi concluída em janeiro. Desde então, o governo conversa com empresas e demais atores do setor para colocar as restrições em prática, de acordo com o South China Morning Post (SCMP). A justificativa oficial para limitar o acesso do público às criptomoedas é a de coibir os atos de lavagem de dinheiro.

Publicidade

Entre as medidas que podem ser adotadas, está a necessidade de que as exchanges obtenham uma licença, junto às autoridades locais, para poderem operar. Além disso, apenas os investidores profissionais – ou seja, que detém um portfólio próximo a US$ 1 milhão – poderiam operar os criptoativos. Isso impediria cerca de 93% da população local de negociar esses ativos, de acordo com a publicação chinesa.

As alterações legislativas possuem um alcance amplo. Assim, os negociantes de pedras e metais preciosos também estão na mira do FSTB; eles podem ficar sujeitos a registro e outras limitações, caso a legislação seja aprovada.

Também há uma previsão que amplia as possibilidades de diligências contra pessoas politicamente expostas em qualquer lugar fora de Hong Kong. Com a medida, as investigações sobre lavagem de dinheiro podem alcançar oficiais públicos na própria China.

Para corretoras, medidas podem gerar crimes

A ação do governo de Hong Kong pode incentivar o uso de plataformas ilegais ou estrangeiras; essa é a visão de Malcolm Wright, da Global Digital Finance. Essa instituição representa várias exchanges, incluindo a BitMEX, a Huobi, a OKCoin e a Coinbase.

Publicidade

“Restringir o investimento em criptomoedas aos investidores profissionais é totalmente diferente do que vem sendo aplicado em outros países, tais como a Cingapura, o Reino Unido e os Estados Unidos”, afirmou Wright, de acordo com o SCMP. Para ele, a legislação vai incentivar o uso de plataformas ilegais, já que é difícil imaginar que os investidores vão desistir de operar com as criptomoedas.

É possível que a China esteja por trás das possíveis alterações na legislação de Hong Kong, dado o histórico de conflitos recentes entre o território autônomo e o governo chinês. Em 2017, a China chegou a banir as criptomoedas. Contudo, elas continuaram a prosperar naquela região.

VOCÊ PODE GOSTAR
Baleia

Baleias lucram US$ 1,2 bilhão em duas semanas com vendas de Bitcoin

As baleias estão vendendo BTC com mais força do que nunca, o que pode influenciar na queda da criptomoeda
Imagem da matéria: Receita Federal irá exigir informações de corretoras estrangeiras de criptomoedas

Receita Federal irá exigir informações de corretoras estrangeiras de criptomoedas

“Estamos preocupados em obter informações sobre a riqueza brasileira sujeita a tributação aqui”, afirma diretora da Receita Federal
Anic de Almeida Peixoto Herdy é casada com herdeiro da Unigranrio

Polícia recupera R$ 790 mil em Bitcoin pagos a sequestradores de advogada brasileira

Segundo os investigadores, suspeito usou o nome do marido da vitima para fazer conta em plataforma de criptomoedas
Ariana Grande posa para foto

Memecoin ‘Michi’ salta 18% após Ariana Grande compartilhar a foto do gato

A estrela pop publicou o meme antes da valorização do Michi, gerando debate sobre se ela sabe ou não da conexão do meme com as criptomoedas