Imagem da matéria: Hacker rouba mais de 300 NFTs ao emplacar anúncio falso em site do setor
Foto: Shutterstock

No último domingo (17), hackers se infiltraram na popular plataforma de registro NFT Premint e conseguiram roubar 320 NFTs e obter mais de US$ 400 mil em lucro no que pode ser considerado um dos maiores hacks do ano do setor.

De acordo com a análise da empresa de segurança blockchain CertiK, os hackers comprometeram o site Premint no domingo com um código JavaScript malicioso.

Publicidade

Em seguida, eles criaram um pop-up fraudulento no site que solicitava aos usuários que verificassem a propriedade de sua carteira, visando uma medida de segurança adicional.

Após a rápida percepção de que o pop-up era falso, vários usuários imediatamente foram ao Twitter e ao Discord para alertar outros a não seguir suas instruções. No entanto, os hackers já haviam enganado vários clientes da Premint em questão de minutos.

Os NFTs furtados incluíam os de coleções populares como Bored Ape Yacht Club, Otherside, Moonbirds Oddities e Goblintown. Depois de roubar esses NFTs, os hackers imediatamente começaram a vendê-los em mercados como o OpenSea. Um Bored Ape, por exemplo, foi vendido por 89 ETH, ou cerca de US$ 132 mil.

Ao longo da invasão do domingo, os hackers lucraram aproximadamente 275 ETH, ou pouco mais de US$ 400 mil, ao render todos os 320 NFTs roubados.

Publicidade

Os hackers transferiram o dinheiro para o Tornado Cash, um mixing de criptomoedas que agrupa e “mistura” as transações de vários usuários, apagando efetivamente os rastros digitais deixados na blockchain. Os cibercriminosos geralmente “lavam” a criptomoeda roubada por meio desses serviços de mixing.

Ontem, a equipe da Premint foi ao Twitter para reconhecer o hack e garantir aos usuários que a maioria das contas não foi afetada pelo ataque. “Graças à incrível comunidade web3 espalhando alertas, um número relativamente pequeno de usuários caiu nessa”, disse a empresa.

Reprodução/Twitter

No entanto, outros usuários do Premint apontaram que, após a invasão inicial no domingo, o site comprometido permaneceu ativo por cerca de 10 horas. Outros lamentaram a perda de seus bens digitais e perguntaram se a Premint estaria creditando nessas contas o valor dos NFTs que foram roubados.

Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

Desde então, a Premint começou a acumular dados sobre todas os NFTs roubados no hack. A empresa se recusou a responder aos questionamentos do Decrypt.

Publicidade

Ironicamente, a Premint pretendia introduzir um novo recurso de segurança: a capacidade de fazer login no site via Twitter ou Discord, uma técnica que permitiria aos usuários acessar a plataforma sem inserir explicitamente os dados da carteira. Tal procedimento de login teria protegido os usuários da Premint da violação do final de semana.

No entanto, o recurso ainda não havia sido lançado. Após os eventos de domingo, a liderança da Premint decidiu lançar o recurso alguns dias antes do previsto:

Reprodução/ Twitter

Roubos de NFTs

O hack foi apenas o caso mais recente de ataque que tenta se beneficiar do setor de NFT, que gerou US$ 25 bilhões em vendas somente no ano passado. Mais de US$ 1,7 milhão em NFTs foram roubados em fevereiro por meio de um esquema de phishing no OpenSea.

Outro roubo de US$ 2,8 milhões em NFT ocorreu em abril como resultado de um hack na conta do Instagram do Bored Ape Yacht Club. Na época, um Bored Ape foi roubado do ator Seth Green, NFT que ele pretendia usar na sua próxima série de televisão. O ativo foi recuperado no mês passado por cerca de US$ 300 mil.

Apesar da enorme quantidade de capital que flui através do espaço NFT, a segurança desses ativos – especialmente quando conectados a empresas centralizadas como a Premint – continua sendo um problema persistente.

Publicidade

Como disse um usuário do Premint, “segurança é a coisa menos levada a sério no espaço cripto”.

*Traduzido e editado com autorização do Decrypt.co.

Quer negociar mais de 200 ativos digitais na maior exchange da América Latina? Conheça o Mercado Bitcoin! Com 3,8 milhões de clientes, a plataforma do MB já movimentou mais de R$ 50 bilhões em trade in. Crie sua conta grátis!

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

Manhã Cripto: ETFs de Bitcoin voltam a captar mais US$ 100 mi por dia nos EUA; Ex-diretor da FTX pede 18 meses de prisão

Mercado também começa a se preparar para veredito final da SEC sobre os ETFs de Ethereum à vista
Tela de celular mostra logotipo Drex- no fundo notas de cem reais

Banco Central adia Drex para realizar novos de testes de privacidade

BC explica que primeira fase de testes foi focada em elementos de privacidade, mas as soluções encontradas “ainda não estão maduras”
Bitcoin e grafico de mercado

Traders de Bitcoin miram US$ 74 mil já na próxima semana com nova onda de fluxo positivo para ETFs

Com ETFs registrando quatro dias seguidos de entradas e dados de inflação nos EUA abaixo do esperado, o Bitcoin já começou a retomar a alta e superou os US$ 66 mil
Imagem da matéria: Em operação contra “Rei do Bitcoin”, PF descobriu fraude em contratos públicos envolvendo irmão do ex-governador do Paraná 

Em operação contra “Rei do Bitcoin”, PF descobriu fraude em contratos públicos envolvendo irmão do ex-governador do Paraná 

Nova operação da Polícia Federal apura crimes ligados às investigações da operação Daemon, de 2021, que prendeu o “Rei do Bitcoin”, Claudio Oliveira