Imagem da matéria: Grupo Bancário Cainvest se torna associado da ABCripto
Shutterstock

 A Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto) anunciou nesta quinta-feira (6) a chegada do Grupo Bancário Cainvest como novo associado. Com isso, a associação atinge 26 membros.

O Cainvest é reconhecido como líder em serviços para instituições bancárias no centro financeiro de Cayman e possui entre seus clientes grandes players bancários internacionais como American Express, Deutsche, Société Générale; e nacionais como Itaú, BTG Pactual e C6 Bank.

Publicidade

Para Bernardo Srur, diretor-presidente da ABCripto, a chegada do Grupo Cainvest respalda ainda mais a associação como referência no segmento de banking. “A empresa possui entre seus clientes os principais players globais do setor bancário, cada vez mais conectados com operações em ativos digitais. Assim, tê-los entre nossos associados mostra a relevância do setor dentro do sistema financeiro internacional”, afirma o executivo. 

“Estar na Abcripto é um passo para consolidar ainda mais a presença do Grupo Cainvest dentro do segmento de ativos digitais, no qual já operamos seguindo os mais altos padrões de compliance desde 2018.  Entendemos que a associação vai ao encontro das premissas que temos nas nossas operações de criptoativos e que devemos colaborar para o fortalecimento desse mercado no país”, destaca Charles Aboulafia, CEO do Grupo Cainvest.

Cainvest

Fundado em 1994, o banco é líder em serviços para instituições financeiras no mercado de Cayman e se tornou também líder em liquidity provider para o mercado cripto institucional no Brasil. Seus clientes no segmento incluem Mercado Bitcoin e Foxbit. Além da ilha que faz parte do território britânico, o Grupo Cainvest também possui operações nas Ilhas Virgens Britânicas, Bahamas e Porto Rico. Ao longo de dez anos, adquiriu diversas operações bancárias. O primeiro negócio realizado foi a compra do SulAmerica International Bank. Em seguida, vieram as aquisições do Dartley Bank e Intertrust Bank e o TBB Internacional Bank – que abriu as portas do Cainvest para o mercado americano. 

O grupo bancário oferece diversos produtos e serviços financeiros de acordo com as necessidades de seus clientes – incluindo soluções específicas para o mercado cripto. Atende, de forma exclusiva, nada menos que 57 grandes instituições financeiras internacionais, representando aproximadamente 60% do mercado bancário local. 

Publicidade

O Grupo Cainvest tem suas origens na indústria têxtil. A empresa é controlada pelas famílias Douer e Cohab – essa última, fundada por Charles Cohab, fundador da Trisoft, que é maior fabricante de poliéster processado da América Latina, atendendo 90 setores diferentes. “O B2B está no DNA do nosso grupo. Temos uma larga experiência em prestar serviços de excelência para empresas e, ao entrar no mercado financeiro, foi natural seguir o modelo que aprendi com meu avô e sua larga experiência de décadas. É essa expertise que também oferecemos para os grandes operadores de criptotivos e que nos motiva estar na Abcripto”, explica Aboulafia. 

“Há mais de quatro anos acreditamos e investimos fortemente no mercado B2B do setor cripto e temos expandido de maneira contínua, tanto em números de soluções quanto no volume de transações com ativos digitais. Acreditamos que, igual ao setor essa, expansão continuará de maneira exponencial. Por isso, queremos, pela Abcripto, participar das discussões para tornar o setor ainda mais confiável”, finaliza.

Além do Grupo Cainvest, a ABCripto tem como membros: Itaú Unibanco, Foxbit, Mercado Bitcoin, NovaDAX, Z.ro Bank, Travelex Bank, Uniera, OWS Brasil, Ripio, Bitso, Deloitte, VDV Advogados, KPMG, Chainalysis, 99Pay, VBSO Advogados, Hachi Investiments, Coinext, Vórtx QR Tokenizadora, Mastercard, Grupo GCB, PeerBR, Zero Hash, Bity Bank e LIQI.  

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Bitcoin cai mas analistas ainda acreditam que preço vai chegar a US$ 150 mil este ano

Bitcoin cai mas analistas ainda acreditam que preço vai chegar a US$ 150 mil este ano

A AllianceBernstein concorda com os analistas do Standard Chartered e acredita que o preço do BTC mais que dobrará nos próximos 18 meses
Imagem da matéria: FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

Segundo os balanços, a FTX deve cerca de US$ 11 bilhões, e conseguiu levantar entre US$ 14,5 e US$ 16,3 bilhões até agora
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

Manhã Cripto: ETFs de Bitcoin voltam a captar mais US$ 100 mi por dia nos EUA; Ex-diretor da FTX pede 18 meses de prisão

Mercado também começa a se preparar para veredito final da SEC sobre os ETFs de Ethereum à vista
várias criptomoedas stablecoins sob uma mesa

Menos de 10% das transações com stablecoins são de usuários reais, diz Visa

Dados da Visa mostram que mais de 90% das transações com stablecoins foram feitas por robôs ou traders de grande escala