Mão de criminoso com luva preta saindo da tela de notebook em golpe financeiro na internet
Hacker furtou R$ 500 mil em Bitcoin de brasileiro (Foto: Shutterstock)

Um furto de criptomoedas feito por meio de um ataque hacker é um crime de competência estadual, mesmo que fique comprovado que o criminoso estava em outro país. A jurisprudência foi fixada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) em decisão publicada na terça-feira (24). 

No caso (CC 200598), o autor da ação afirma que teve R$ 500 mil em Bitcoin roubados de sua conta na corretora Blockchain.com. O indivíduo responsável pelo crime não foi identificado, mas o computador usado para o crime estava na Argentina.

Publicidade

O caso estava inicialmente sendo julgado pela instância federal da 8ª Vara Criminal de São Paulo. Mas a corte alegou existir um conflito de competência, entendendo que o caso seria de alçada estadual. Assim, a questão foi parar no STJ. 

O ministro Rogerio Schietti Cruz acolheu a opinião da vara federal paulista e apontou que se trata de um furto mediante fraude. Nesse casos, lembrou, a jurisprudência do STJ é de que o caso deve tramitar onde a vítima estava quando o crime ocorreu.

“Além disso, malgrado a conduta haja transposto o território nacional, visto que cometido por meio de computador situado na Argentina, somente há que se falar em competência federal quando o crime cometido estiver arrolado entre aqueles para os quais há Tratado ou Convenção Internacional ou, ainda, quando houver interesse da União ou de suas Autarquias”, disse o ministro.

O magistrado ressaltou que ainda que o crime tenha sido feito pela rede mundial de computadores, diz respeito a interesses de particulares, não havendo nenhum interesse da União ou de suas Autarquias. 

Publicidade

O ministro inclusive inseriu a posição do Ministério Público Federal sobre o tema:

“Mesmo quando presentes elementos de internacionalidade, a competência da Justiça Federal permanece excepcional e somente se justifica quando o Brasil, por meio de tratados internacionais, compromete-se a, em parceria com a comunidade internacional, reprimir determinado crime. Não é o caso dos autos. A Convenção de Budapeste não prevê o crime de furto mediante fraude. Não há nada de especial no crime investigado nos autos, a não ser o fato de que foi praticado por meio de computadores”. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: EUA acusam  2 chineses de lavarem US$ 73 milhões em esquema com criptomoedas

EUA acusam 2 chineses de lavarem US$ 73 milhões em esquema com criptomoedas

O Departamento de Justiça acusou Daren Li e Yicheng Zhang de orquestrar um esquema com criptomoedas de “abate de porcos”
Imagem da matéria: Binance demitiu funcionário que descobriu manipulação milionária de cliente da corretora, diz jornal

Binance demitiu funcionário que descobriu manipulação milionária de cliente da corretora, diz jornal

Uma semana antes da demissão, o funcionário produziu um relatório afirmando que a DWF Labs lucrou milhões através da manipulação de mercado de seis tokens
Imagem da matéria: Coinbase sai do ar durante madrugada após interrupção do sistema

Coinbase sai do ar durante madrugada após interrupção do sistema

Embora a Coinbase tenha informado nesta manhã que o problema estava resolvido, sua página de status ainda indica que o app móvel e site estão com “desempenho prejudicado”
Pessoa inserindo chip no celular

Justiça manda TIM pagar R$ 21 mil a cliente que teve celular clonado e perda de criptomoedas

A partir da clonagem do celular, os invasores tiveram acesso ao email e posteriormente a uma carteira cripto na Binance