moedas de bitcoin e letras ETF
Shutterstock

Os fundos de investimento em Bitcoin e Ethereum continuam atraindo uma enxurrada de capital à medida que aumenta o entusiasmo pelos próximos ETFs spot (à vista) de ETH nos Estados Unidos.

Os fundos globais de investimento em Bitcoin registraram entradas líquidas totalizando US$ 148 milhões na semana passada, de acordo com uma publicação da CoinShares na segunda-feira (3), enquanto shorts (venda a descoberto) de Bitcoin registraram saídas de US$ 3,5 milhões.

Publicidade

Enquanto isso, os fundos de Ethereum absorveram US$ 33,5 milhões, marcando a segunda semana consecutiva de entradas após vários meses de pouca ou nenhuma atividade líquida para o ativo.

“Isso representa uma reviravolta no sentimento dos investidores em um ativo que havia passado por uma série de saídas de 10 semanas antes, totalizando US$ 200 milhões”, explicou a gestora de ativos. 

A notícia também impulsionou as entradas de Solana na semana passada para US$ 5,8 milhões, agora que potenciais ETFs para Solana e outras altcoins parecem estar sobre a mesa.

Embora a maioria dos influxos tenha vindo dos Estados Unidos, fluxos substanciais de criptomoedas também foram observados no Canadá e na Suíça, onde o domínio institucional do Ethereum ao lado do Bitcoin é relativamente alto.

Publicidade

Os especialistas esperam que os ETFs de Ethereum entrem em operação em julho, com potencial para atrair cerca de 20% da mesma demanda dos ETFs Bitcoin. “Agarrar 20% do que obtiveram seria uma grande vitória/lançamento bem-sucedido para os padrões normais de ETF”, escreveu o analista de ETF da Bloomberg, Eric Balchunas, na semana passada.

No total, os fluxos de fundos de investimento em criptomoedas em todo o mundo arrecadaram US$ 185 milhões na semana passada, elevando seu total para mais de US$ 15 bilhões no acumulado do ano. O volume na semana foi de US$ 8 bilhões, abaixo dos US$ 13 bilhões da semana anterior, segundo a CoinShares.

Como de costume, a maior parte dos fluxos foi para os maiores ETFs à vista de Bitcoin, com os fundos da BlackRock e da Fidelity absorvendo US$ 297 milhões e US$ 176,98 milhões, respectivamente. Dito isto, os emissores “históricos” de ETF registraram saídas líquidas de US$ 260 milhões, praticamente todas provenientes do Grayscale Bitcoin Trust (GBTC).

A semana passada marcou um momento crucial para o GBTC, com o fundo de longa data perdendo seu status de maior ETF Bitcoin do mundo para a BlackRock, cujo produto cobra uma taxa de administração muito mais baixa.

Publicidade

Outros ETFs históricos em todo o mundo também perderam muito desde que a BlackRock entrou em cena, com os fundos europeus registrando saídas de 500 milhões de dólares desde o início do ano.

Em 27 de maio, os ETFs de Bitcoin à vista também ultrapassaram a marca de 1 milhão de BTC sob gestão.

*Traduzido e editado com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Regulação das criptomoedas ficará pronta em 2025, diz diretor do Banco Central

Regulação das criptomoedas ficará pronta em 2025, diz diretor do Banco Central

Segundo o diretor de Regulação do Banco Central, Otavio Damaso, o regulador deve fazer uma segunda consulta pública sobre a regulação das criptomoedas em setembro
Imagem da matéria: Mercado debate se astro Hulk Hogan realmente aplicou golpe com memecoins Solana

Mercado debate se astro Hulk Hogan realmente aplicou golpe com memecoins Solana

O lutador profissional Hulk Hogan foi acusado de fraude com memecoins de celebridades, mas diz que os tuites “não eram meus”
Imagem da matéria: Fundos de criptomoedas têm saídas de US$ 600 mi na semana, mas Brasil mantém fluxo positivo

Fundos de criptomoedas têm saídas de US$ 600 mi na semana, mas Brasil mantém fluxo positivo

Mercado realinha expectativas após FOMC manter juros nos EUA e fundos de criptomoedas encerram sequência de cinco semanas de entradas líquidas
Sede da Braiscompany em Campina Grande, Paraíba

TRF anula contrato e Braiscompany é condenada a pagar R$ 50 mil a cliente

O contrato de serviço de cessão temporária de criptoativos foi anulado pela 17ª Vara Cível de Brasília