Imagem da matéria: FTX processa ex-funcionários para tentar recuperar R$ 770 milhões
Foto: Shutterstock

A falida exchange de criptomoedas FTX entrou com uma ação judicial contra quatro ex-funcionários da Salameda, uma afiliada sediada em Hong Kong, que se acredita ter estado sob o controle direto do ex-CEO da corretora, Sam Bankman-Fried.

Juntamente com duas empresas relacionadas, os indivíduos mencionados — Michael Burgess, Matthew Burgess, Lesley Burgess, Kevin Nguyen e Darren Wong — são acusados de terem explorado seus laços pessoais para priorizar a retirada de seus ativos da FTX quando o futuro da exchange se tornou incerto.

Publicidade

Esses saques ocorreram durante o período crucial de 90 dias antes do pedido de recuperação judicial da FTX em 11 de novembro, conhecido como o ‘Período de Preferência’.

Segundo a lei dos EUA, os clientes que retiraram seus ativos cripto nos 90 dias anteriores ao pedido de falência da FTX podem ser processados pelos credores da empresa para recuperar o dinheiro. Isso é chamado de “recuperação” (clawback, em inglês) sob o código de falências.

O valor total dessas transferências ilícitas suspeitas é estimado em US$ 157,3 milhões (pouco mais de R$ 770 milhões), sendo que uma quantia significativa de mais de US$ 123 milhões foi retirada após 7 de novembro de 2022.

Uma parte considerável disso, cerca de US$ 73 milhões, supostamente beneficiou Michael Burgess.

“Eles usaram suas conexões com o pessoal do Grupo FTX para garantir que seriam priorizados em relação a outros clientes”, diz a ação judicial.

Publicidade

Matthew Burgess é especificamente acusado de ter “recrutado outros funcionários do Grupo FTX para ’empurrar’ certos pedidos pendentes de retirada” de suas próprias contas na exchange FTX US, “enquanto representava falsamente que a conta era sua”.

As retiradas finais foram concluídas horas antes de a FTX.com interromper os saques em 8 de novembro de 2022, de acordo com a ação judicial.

Negociações suspeitas

A ação também detalha os benefícios substanciais que os réus obtiveram negociando criptomoedas nos meses que antecederam a queda da FTX e que conseguiram retirar.

De janeiro a novembro de 2022, após supostamente terem deixado o Grupo FTX, eles negociaram ativamente por meio de suas próprias entidades, incluindo 3Twelve e BDK. Os volumes de negociação mensais variaram de US$ 100 milhões a US$ 400 milhões.

Publicidade

Uma parte considerável do capital de negociação deles aparentemente se originou do Grupo FTX. “Os réus receberam transferências substanciais de ativos digitais e moeda fiduciária de contas de exchange associadas a entidades do Grupo FTX, incluindo cerca de 13,1 milhões de FTT enviados a Darren Wong, mais de 1 milhão de SOL enviado a Michael Burgess e quase US$ 4 milhões em USD em ‘bônus’ entre Michael Burgess, Nguyen e Wong”, diz a ação judicial.

A ação também alega que eles obtiveram lucros substanciais negociando esses ativos. Darren Wong, por exemplo, é dito ter ganho mais de US$ 70 milhões em negociações de FTT na FTX.com, com cerca de US$ 30 milhões obtidos pouco antes do pedido de falência da FTX.

Sam Bankman-Fried está atualmente detido aguardando julgamento, que está marcado para começar em 3 de outubro. Um tribunal de apelações rejeitou seu pedido de liberação antes das audiências do julgamento na quinta-feira.

*Traduzido com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Governo dos EUA contrata empresa para monitorar a Binance

A Forensic Risk Alliance venceu a disputa contra a Sullivan & Cromwell, que atuou no caso FTX
Imagem da matéria: El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

Segundo os dados do mempool, El Salvador comprou 30 bitcoins no último mês
Joe Biden posa para foto

Biden expulsa mineradora cripto chinesa de área próxima a base militar: “Risco de espionagem”

O governo afirma que a MineOne possui equipamentos especializados de origem estrangeira potencialmente capazes de facilitar atividades de vigilância e espionagem
Imagem da matéria: Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Em um processo judicial, a SEC argumentou que a Coinbase não pode exigir que o regulador escreva novas regras para o setor cripto