Imagem da matéria: FMI faz oito alertas sobre criptomoedas em relatório sobre economia global
Foto: Shuttestock

O Fundo Monetário Internacional (FMI) dedicou um capítulo inteiro aos criptoativos na edição de outubro do “Relatório Global de Estabilidade Financeira“.

A entidade elogia inovações que as criptomoedas, tokens e stablecoins trouxeram, mas faz uma série de alertas para o que acredita serem riscos sistêmicos. Ao final, dá 8 conselhos para os países navegarem no universo cripto.

Publicidade

As inovações tecnológicas dos criptoativos, afirma o FMI, estão possibilitando uma nova era nos métodos de pagamento: “mais baratos, rápidos, acessíveis e permitem o fluxo mais fácil entre países”, define o Fundo.

“DeFi (Finanças Descentralizadas) pode se tornar uma plataforma para mais inovação, inclusão e transparência nos serviços financeiros”, aponta o órgão.

Risco de criptonização

Segundo o FMI, a maior adoção de criptoativos por países em desenvolvimento pode trazer benefícios, mas também apresenta um risco financeiro macro: a criptonização da economia. Isso ocorre quando os habitantes de um país perdem confiança na sua moeda e começam a buscar outros meios de reter valor.

Até então, esse fenômeno era visto quando a debandada se dava para o dólar e era chamdo de “dolarização” da economia. No relatório de outubro o FMI passa a tratar da “criptonização” (“cryptoization”, em inglês no original).

Publicidade

“A adoção de um criptoativo como principal moeda nacional implica riscos graves e é um corta caminho que deve ser evitado”, ressalta o FMI.

Os riscos são de ordem estabilidade macro-financeira do país, segurança do sistema, proteção ao consumidor e ao meio-ambiente, adiciona o Fundo.

Bitcoin não é (tão) mais lucrativo

Um ponto que o FMI ressalta é que, apesar da enorme valorização, o Bitcoin não tem um resultado tão impressionante se for ajustado a sua volatilidade.

“Por exemplo, o retorno com risco ajustado do Bitcoin no último ano é parecido com o do Índice S&P 500 [índice da Bolsa de Valores de Nova York] e das grandes empresas de tecnologia dos Estados Unidos. Entretanto, os investidores estão expostos a maiores quedas” (veja gráfico abaixo).

Publicidade

Correlação caindo   

Um dos pontos que é sempre dito por analistas financeiros é de que uma carteira diversificada é a melhor estratégia. E que, quanto menos o ativo tiver correlação, melhor. Ou seja, ações de empresas norte-americanas e o mercado imobiliário daquele país, por exemplo, tendem a subir e descer juntos. Isso significa que são muito correlatos.

As criptomoedas em geral são vistas como muito pouco correlatas, mesmo entre si. O Bitcoin pode cair, enquanto o Ether pode estar em movimento de alta. Isso tem sido um grande trunfo nos conselhos para se investir em cripto, e até a revista The Economist conduziu um estudo demonstrando o valor da estratégia.

Mas em seu relatório, o FMI afirma que os criptoativos não são tão pouco correlacionados como se pensa.

“Embora isso seja verdade até certo ponto, a correlação entre criptoativos e algumas outras classes de ativos importantes aumentou significativamente durante os episódios recentes de estresse do mercado (por exemplo, a liquidação ocorrida durante a pandemia do Covid-19 em 2020). O benefício da diversificação também pode diminuir com o tempo se instituições e pessoas com grandes quantidades de cripto continuarem sendo afetados por fatore comuns do mercado” houver envolvimento contínuo de detentores institucionais que são afetados por fatores comuns”.

Ether ganhando protagonismo

O FMI lembra que o Bitcoin continua sendo o criptoativo dominante, mas que seu domínio de mercado caiu de forma acentuada em 2021: de 70% para menos de 45%.

“Tem crescido o interesse do mercado por novas blockchains que usem smart contracts e sejam capazes de resolver problemas das blockchains mais antigas, como escalabilidade e sustentabilidade. O maior proeminente é o Ether, que passou o Bitcoin em número de transações em 2021″, diz o FMI.

Publicidade

Os oito conselhos do FMI sobre critpoativos

1 – Agentes regulatórios dos países devem priorizar a implementação de padrões globais para os criptoativos;
2 – Reguladores devem controlar os riscos dos criptoativos, especialmente em áreas de importância sistêmica;
3 – Coordenação entre agências regulatórias dos países é a chave para a fiscalização e aplicação de normas;
4 – Os entes regulatórios devem resolver as áreas onde existem falta de dados e monitorar o ecossistema de criptoativos para melhorar suas decisões políticas;
5 – As regulações devem ser proporcionais ao risco quando se lida com stablecoins;
6 – Ainda sobre stablecoins: coordenação é necessária para implementar recomendações em áreas de grande risco; aumentar a transparência, realizar auditorias independentes das reservas, fixar regras claras para os administradores dessas redes;
7 – Criar políticas de “desdolarização”, incluindo uma maior credibilidade da política econômica, uma sólida política fiscal e a implementação de CBDCs (moedas digitais de Bancos Centrais);
8 – Restrição de de fluxo de capitais precisa ser reconsiderada levando em conta a efetividade, supervisão e capacidade de ser colocada em prática;

VOCÊ PODE GOSTAR
Foco em uma moeda dourada de Ethereum (ETH)

ETF de Ethereum tem 50% de chance de ser aprovado em maio, diz JP Morgan

O gigante bancário é o último a reduzir suas expectativas em relação à revisão das propostas da SEC para oferecer fundos vinculados ao preço do ETH
graficos vermelhos em queda

Investidores sacam R$ 1 bilhão de projeto DeFi da Solana após renúncia de CEO

O fundador da Marginfi anunciou sua renúncia em meio a um turbilhão de controvérsia e desentendimento operacional
Imagem da matéria: Dogwifhat cai 15% e lidera perdas de memecoins em meio à lentidão da Solana

Dogwifhat cai 15% e lidera perdas de memecoins em meio à lentidão da Solana

As memecoins da Solana caíram da noite para o dia, enquanto os devs correm para consertar os problemas de congestionamento da rede
Imagem da matéria: Mercado se anima com futuros de Bitcoin na B3, mas analistas apontam riscos para investidores iniciantes

Mercado se anima com futuros de Bitcoin na B3, mas analistas apontam riscos para investidores iniciantes

B3 lançou na última quarta o contrato futuro de Bitcoin, mas especialistas lembram que o produto oferece muitos riscos