Imagem da matéria: Filho de ex-chefe da Nissan Carlos Ghosn usou bitcoin para pagar por fuga do pai
Carlos Ghosn conseguiu fugir do Japão Foto: Shutterstock)

A fuga do empresário brasileiro Carlos Ghosn do Japão para o Líbano custou cerca de R$ 7,2 milhões (US$ 1,4 milhão), sendo um terço em bitcoin (R$ 2,5 milhões). As transações foram confirmadas pela corretora de criptomoedas americana Coinbase.

Acusado de crimes financeiros no comando da Nissan, Ghosn teve ajuda dos filhos e de mais dois americanos para fugir da Justiça japonesa.

Publicidade

“Identifiquei transações acima de US$ 500 mil de Anthony Ghosn para Peter Taylor entre 21 de janeiro e 15 de maio de 2020”, diz o relatório da Coinbase enviado à Justiça dos EUA.

Segundo a Bloomberg, as autoridades japonesas disseram que o próprio Ghosn já havia transferido mais de US$ 860.000 (cerca de R$ 4,5 milhões) para uma empresa administrada por Taylor.

Relatório de transações de bitcoin na Coinbase

Fuga de prisão domiciliar

Carlos Ghosn fugiu do Japão em um voo particular para o Líbano dentro de uma caixa normalmente usada para transporte de equipamentos de som.

O brasileiro cumpria prisão domiciliar desde novembro de 2018 enquanto aguardava o dia do seu julgamento sobre crimes financeiros cometidos quando no comando da Nissan.

Publicidade

Em 29 de dezembro do ano passado, Ghosn desapareceu misteriosamente. Posteriormente ele reapareceu no Líbano, onde possui cidadania.

Na quarta-feira (23), a promotoria de justiça dos EUA revelou a ação supostamente comandada pelo filho do executivo com apoio de dois americanos, Michael e Peter Taylor; pai e filho.

Assim que foi revelada sua presença no solo libanês, o executivo afirmou que fugiu da “injustiça” do Japão e que sua família não teve participação na fuga.

Os filhos de Carlos Ghosn ainda não foram indiciados, apesar de evidências relatadas no pedido extradição dos Taylors pelo governo do Japão.

Os acusados, que não negaram participação, cumprem prisão em Massachusetts. Ghosn deve permanecer em solo libanês, já que o país não tem um tratado de extradição com o Japão.

Publicidade

Carlos Ghosn

Nascido no Brasil, em Guajará-Mirim, Rondônia, Carlos Ghosn foi para o Líbano ainda pequeno até migrar para França para estudar engenharia na Ecole des Mines de Paris.

Nos anos 70 ele já ocupava o cargo de diretor-presidente da Michelin onde ficou por 18 anos. Em sua página no LinkedIn ainda consta seu cargo de presidente da Mitsubishi, Nissan e Renault.

A Justiça do Japão o acusa de violação de confiança, omissão de renda, e de uso de dinheiro institucional em benefício próprio.

VOCÊ PODE GOSTAR
Casa à beira de rio no Butão

Governo de Butão vai intensificar mineração de Bitcoin no Himalaia com investimento de R$ 2,5 bi

O governo do país asiático vai apostar em hardwares de ponta para compensar os efeitos do halving do Bitcoin que acontece este mês
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) cai para US$ 69 mil e mercado reduz apostas em ETF de Ethereum

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) cai para US$ 69 mil e mercado reduz apostas em ETF de Ethereum

Quedas resultaram em quase US$ 200 milhões em posições de derivativos alavancadas liquidadas em diversos criptoativos, segundo CoinGlass
moeda de bitcoin e bandeira dos eua

Governo dos EUA transfere parte da reserva de US$ 2 bilhões em Bitcoin para Coinbase

Departamento de Justiça dos Estados Unidos começou a mover parte dos 2 bilhões de dólares em BTC para endereço da Coinbase
BTC bitcoin na frente de nota de dólar de 1 milhão

Preço do Bitcoin aumenta com otimismo de Biden sobre queda de juros do Fed ainda este ano

“Mantenho minha previsão de que, antes do final do ano, haverá um corte nas taxas”, disse o presidente dos Estados Unidos