Simulação de holografias saindo de um livro físico com tema criptomoedas blockchain metaverso
Foto: Shutterstock

Foram anunciados os vencedores da edição 2023 do Datathon de Moedas Digitais da FGV, organizado pela Escola de Economia de São Paulo (FGV EESP). O evento teve um recorde de 18 equipes inscritas (71 estudantes de graduação), oriundas de diversos cantos do Brasil e departamentos (Engenharias, Economia, Estatística e Ciência da Computação).

Pela primeira vez, todas as grandes regiões do Brasil estiveram representadas com pelo menos uma equipe – participaram do desafio alunos de graduação vinculados a instituições de ensino do Amazonas, Ceará, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul e Mato Grosso.

Publicidade

“Além do aprendizado hands-on e de forma lúdica, o evento aproxima jovens estudantes de profissionais do mercado (academia e indústria), que dão feedbacks e comentários. Por isso, o evento tem um caráter educacional e de formação de recursos humanos único”, afirma Jéfferson A. Colombo, professor da FGV EESP, um dos juradores e organizadores do evento.

Na abertura, alunos e egressos de Mestrado e Doutorado da FGV EESP apresentaram suas pesquisas em andamento no University Blockchain Research Initiative. Foram definidas as regras do jogo e disponibilizadas algumas bases de dados para uso das equipes.

Dias depois, os participantes entregaram seus problemas e soluções. A banca examinadora foi composta por representantes da academia e do mercado: Abner Pinto, Ripple; Alexandre Ludolf, QR Capital; Eduardo Alexandre Marques Silva, B3 Digitas; Gladstone Arantes Jr., BNDES; Jéfferson Colombo, FGV EESP; João Marco Braga da Cunha, Hashdex; Layla Mendes, FGV EPGE; Marcelo Fernandes, FGV EESP; Paulo David, AmFi; Pedro Chaim, UFSC.

O grupo elegeu cinco trabalhos para a fase final.

No dia 1º de dezembro, os finalistas Better Than Gold (UFMG), Call Group (UFMG + UNICAMP + USP), Crypto Girls (UFRGS), HAS (USP), e Sentic Crypto (USP) apresentaram seus trabalhos, e a banca esclareceu dúvidas e deu feedback.

Publicidade

Na segunda-feira, dia 4 de dezembro, foram anunciados os três primeiros colocados, que levarão certificados emitidos pela FGV e registrados em blockchain, prêmio em dinheiro, e potencial participação nos cursos Blockchain e Criptofinanças da Ênfase de FinTech do Mestrado Profissional em Economia e Finanças da FGV EESP (MPE).

Os estudantes vencedores (1º, 2º e 3º lugares) apresentarão seu tema e soluções propostas em webinar que será realizado na quinta-feira (7), às 18 horas, no canal do YouTube da FGV.

Mais informações são disponibilizadas no site do evento.

1º lugar: o SenticCrypto (USP)

Título: Previsibilidade do Prêmio pelo Risco de Criptomoedas com Indicadores Técnicos: Uma Abordagem em Níveis de Sentimento de Mercado

Autores: Guilherme Freitas (Estatística), Gustavo Yamachi (Administração) e Matias Lima (Economia).

A equipe objetivou avaliar a previsibilidade do prêmio de risco de criptomoedas com o uso de indicadores técnicos. Além disso, a equipe buscou relacionar essa previsibilidade com os níveis de sentimento de mercado, usando tanto um índice tradicional (Fear and Greed Index) quanto propondo um novo índice, chamado de SenticCrypto – uma junção, por meio de Análise de Componentes Principais (PCA), entre o Fear and Greed Index e um índice baseado na interpretação de notícias do mercado de criptoativos.

Os resultados das análises, dentro e fora da amostra, indicaram que o uso de indicadores técnicos (médias móveis, volume e momentum) melhoram a previsibilidade do prêmio de risco do mercado de criptomoedas, principalmente em períodos de otimismo e neutralidade de sentimento de mercado. Além disso, o índice proposto (SenticCrypto) se mostrou superior ao Fear & Greed Index na categorização dos níveis de sentimento de mercado.

Publicidade

Como implicações, o trabalho sugere que o monitoramento do sentimento do mercado de criptoativos e o uso de indicadores técnicos são aspectos centrais da previsibilidade do prêmio de risco do mercado de criptomoedas.

Autores: Guilherme Freitas (Estatística), Gustavo Yamachi (Administração) e Matias Lima (Economia).

2º lugar: HAS (USP – Engenharia da Computação)

Título: “Crypto, Transformers e Baleias: uma análise inovadora dos movimentos de baleias em criptomoedas”

Autores: Heitor Gama, Asaffe Duarte e Solano Omar (todos do curso de Engenharia da Computação).

Os autores usaram um método sofisticado de aprendizado de máquina (transformers) para prever os movimentos de baleias – endereços de carteiras que mantém uma quantidade substancial de alguma criptomoeda. Usando dados do whale alert (https://whale-alert.io/), eles treinaram diferentes modelos para prever o maior “peixe” da próxima hora, em uma escala de 0 a 8 indicando o tamanho do movimento de baleias.

As aplicações foram feitas ao bitcoin, Dogecoin e LiteCoin. Como resultados gerais, a maior acurácia foi nas aplicações ao LiteCoin, e a menor no bitcoin. Os resultados permitem uma compreensão mais profunda do comportamento de mercado de criptomoedas e capacita investidores a tomarem decisões estratégicas e mais informadas.

3º lugar: Crypto Girls (UFRGS)

Título: “Proposta para Alocação Eficiente de Investimentos em Bitcoin e Ethereum”

Autores: Greice Heemann (Administração), Julia Gomes (Economia), Raíssa Scorsatto (Estatística) e Sofia Casiraghi (UFRGS).

Neste trabalho, as autoras tentam responder qual é a medida de risco que deve ser considerada em um problema de otimização de uma carteira contendo bitcoin e ethereum. Usando log-retornos diários dessas criptomoedas de agosto/2015 a nov/2023 e testando a construção de portfólios minimizando risco considerando dez medidas diferentes (de desvio-padrão até desvio entrópico), as autoras encontraram as medidas que geraram as melhores performances em termos de risco e retorno.

No que se refere ao índice de Sharpe, que leva em conto retorno ajustado ao risco, as estratégias com melhor resultado foram desvio-padrão e EL (Expected loss ou Perda esperada), cuja performance superou também uma carteira “ingênua” construída com pesos iguais (1/N).

Publicidade

Como implicações, o trabalho contribui para a compreensão de como estratégias de gestão de risco podem ser aplicadas especificamente ao contexto das criptomoedas.

You May Also Like
Fachada de um prédio da BlackRock na Califórnia, EUA

BlackRock vai lançar seu ETF de Bitcoin no Brasil

Maior gestora do mundo, a BlackRock traz ao Brasil o ETF de Bitcoin lançado nos EUA em janeiro em uma parceria com a B3
Imagem da matéria: Michael Saylor não está vendendo: "A MicroStrategy tem uma estratégia alavancada para o Bitcoin"

Michael Saylor não está vendendo: “A MicroStrategy tem uma estratégia alavancada para o Bitcoin”

O cofundador da MicroStrategy destaca a atração dos ETFs de Bitcoin por fundos institucionais, sinalizando uma mudança significativa nos investimentos de capital
Bandeira com o logotipo da Coinbase se mov eao ar l ivre

Coinbase apoia ETF de Ethereum da Grayscale: ‘Virtualmente idêntico a ETFs de Bitcoin’

Citando a configuração técnica e a capitalização de mercado do Ethereum, a Coinbase acredita que a SEC deveria aprovar um ETF spot de ETH
Imagem da matéria: Corretora de criptomoedas sai do ar após esvaziar carteira de R$ 279 milhões

Corretora de criptomoedas sai do ar após esvaziar carteira de R$ 279 milhões

Site da corretora saiu do ar dias após um saque grande ter sido feito nas hot wallets da empresa