Imagem da matéria: Fazenda com milhares PlayStations na Ucrânia era de robôs do FIFA, não de criptomoedas
Fazenda de mineração formada por PlayStations (Fonte: Serviço de Segurança da Ucrânia (SSU))

O Serviço de Segurança da Ucrânia (SSU) encontrou na semana passada uma gigante fazenda ilegal de mineração de criptomoedas composta por 3.800 máquinas de PlayStation 4 Slim, além de 500 GPUs, 50 processadores, telefones e pen drives. 

A peculiaridade do caso chamou atenção e, de acordo com especialistas consultados pela reportagem do portal ucraniano Delo.ua, a suspeita é que aquela não era uma fazenda de mineração de criptomoedas, mas sim uma fazenda de bots de videogame. 

Publicidade

A fazenda foi encontrada na cidade de Vinnitsa e estava roubando energia em um galpão na própria sede da fornecedora de eletricidade da região, a Vinnytsiaoblenergo.

Na ocasição o SSU disse que os equipamentos eram usados para minerar criptomoedas, mas a nota não detalhou qual ativo era minerado ou quais alterações foram feitas nas máquinas para permitir a atividade.

mineração PlayStation
Fazenda na Ucrância (Foto: Divulgação)

Apesar de não ser impossível minerar criptomoedas com PlayStation, a atividade não é lucrativa da mesma forma que seria com o uso de ASICs e GPUs. 

O modelo dos milhares de consoles que estavam na fazenda de mineração, o PlayStation 4 Slim, também é um argumento daqueles que acreditam que as criptomoedas não têm relação. O PlayStation 4 Pro, por exemplo, é apenas US$ 100 mais caro, mas quase três vezes mais eficiente para a mineração do que o modelo anterior.

Publicidade

Fazenda de robôs do FIFA

Com essas suspeitas, o portal Delo.ua procurou as autoridades ucranianas em busca de mais detalhes, mas não obteve uma resposta formal porque a investigação está sob sigilo. 

No entanto, uma fonte anônima próxima ao assunto afirmou ao jornal: “Os PlayStations organizaram um pumping de bots do jogo FIFA. E depois a venda deles no mercado”.

Isso significa que os videogames poderiam estar configurados para ficar rodando jogos infinitos com o intuito de conquistar cartas raras do FIFA Ultimate Team, que são vendidas por milhares de dólares em mercados não oficiais.

FIFA é um dos jogos mais populares do PlayStation e permite que o usuário monte o seu próprio time com cartas especiais de jogadores, compradas com dinheiro real. Esse sistema movimenta uma economia fora do jogo, com pessoas dispostas a pagar caro por cartas raras. 

Publicidade

Esse modelo gera fortunas para as empresas de games. O analista da empresa Niko Partners, Daniel Ahma, estima que a Electronic Arts — empresa por trás da FIFA — pode lucrar US$ 1,6 bilhão em 2021 apenas com a venda de cartas do Ultimate Team. 

Sem as informações oficiais, não é possível estimar quanto os responsáveis pela fazenda de PlayStations lucraram com a atividade. O prejuízo que deixaram para o sistema de energia da região, no entanto, foi grande.

Na segunda-feira (12), a Comissão Nacional de Energia e Serviços Públicos da Ucrânia disse que notou um crescimento fora do normal no custo da eletricidade na cidade de Vinnitsa. O roubo de energia estava gerando um prejuízo de US$ 250 mil por mês para a fornecedora Vinnytsiaoblenergo.

VOCÊ PODE GOSTAR
Hacker com capuz sorri no escuro

“Fizemos besteira”: Gala Games confirma hack de de R$ 1,2 bilhão

Um invasor usou um exploit para cunhar e roubar 5 bilhões de tokens da Gala Games (GALA)
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Ethereum (ETH) decola 20% com expectativa para aprovação de ETFs nos EUA

Manhã Cripto: Ethereum (ETH) decola 20% com expectativa para aprovação de ETFs nos EUA

A animação dos investidores fez aumentar em 219% o volume de negociação do Ethereum nas últimas 24 horas
Imagem da matéria: Investidor acende alerta da comunidade ao ser hospitalizado após tentar fazer memecoin viralizar

Investidor acende alerta da comunidade ao ser hospitalizado após tentar fazer memecoin viralizar

O usuário foi atingido por fogos de artifício em uma live de divulgação do seu token
Policial algemando suspeito durante a noite

Suspeito de roubar quase R$ 10 milhões da Pump.fun é preso em Londres

Jarett Dunn, ex-funcionário da plataforma Pump.fun, foi preso na Inglaterra acusado de golpe de quase R$ 10 milhões