Imagem da matéria: Executivos de corretora são presos por esconderem mais de US$ 1 bilhão
Foto: Shutterstock

Os agentes da Europol prenderam o CEO e outros quatro diretores da corretora de criptomoedas Bitzlato, acusada de permitir que criminosos ocultassem através da plataforma mais de US$ 1 bilhão em ativos fruto de atividades criminosas.

O anúncio da prisão dos demais líderes da empresa foi feito nesta segunda-feira (23) em nota oficial da Europol. Segundo a agência policial europeia, o CEO, o diretor financeiro e o diretor de mercado da Bitzlato foram presos na Espanha, enquanto outros dois sócios foram presos nos Estados Unidos e no Chipre.

Publicidade

As prisões em solo europeu aconteceram depois de o Departamento da Justiça dos EUA (DOJ) acusar a Bitzlato de lavagem de dinheiro e o fundador da corretora, Anatoly Legkodymov, ser preso em Miami na noite de terça-feira (18).

A nota do DOJ da semana passada estimava que o grupo havia permitido a ocultação de cerca de US$ 700 milhões em fundos ilícitos na plataforma, mas esse número subiu para mais de US$ 1 bilhão na nova estimativa da Europol.

A queda da Bitzlato

As investigações contra a Bitzlato e a posterior prisão de seus líderes foi resultado de um esforço coletivo entre diferentes agências internacionais de aplicação da lei, liderado pelas autoridades americanas e francesas.

Embora registrada em Hong Kong, a Bitzlato operava uma sede na França que foi derrubada durante as operações dos últimos dias.

Publicidade

“Quase metade de todas as transações da Bitzlato eram ligadas a atividades criminosas”, justifica a nota da Europol. “A Bitzlato permitiu a conversão rápida de vários criptoativos como bitcoin, ethereum, litecoin, bitcoin cash, dash, dogecoin e USDT em rublos russos.”

A estimativa da Europol é que, do total de 2,1 bilhões de euros (119 mil BTC) que foram transacionados na Bitzlato, cerca de 46% tinha atividades criminosas como origem.

Foi descoberto que uma parte significativa dos clientes da Bitzlato eram entidades sancionadas pelo Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC), que transferiam para a corretora fundos provenientes de golpes cibernéticos, ransomware e material de abuso infantil, tráfico de drogas, entre outros.

As investigações mostraram, por exemplo, que a Bitzlato facilitou 1,5 milhão de transações de bitcoin de usuários do Hydramarket, um mercado da dark web derrubado em abril de 2022, considerado o maior deste ramo na época. 

Publicidade

Além de prender os líderes da Bitzlato, as autoridades internacionais também foram capazes de apreender 18 milhões de euros em criptomoedas do grupo, bem como congelar mais de 100 contas da empresa mantidas em outras corretoras e que continham cerca de 50 milhões de euros.

  • Já pensou em inserir o seu negócio na nova economia digital? Se você tem um projeto, você pode tokenizar. Clique aqui, inscreva-se no programa Tokenize Sua Ideia e entre para o universo da Web 3.0!
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Apesar de chamara cada vez mais atenção, muitas pessoas ainda não sabem o que é a tokenização de ativos e como ela funciona
Imagem da matéria: Empresário "vende" Bitcoin durante discurso para formandos nos EUA e recebe onda de vaias

Empresário “vende” Bitcoin durante discurso para formandos nos EUA e recebe onda de vaias

O discurso de formatura da Ohio State University incluiu defesa do Bitcoin e cantorias que chocaram o público
Vitalik Buterin criador do Ethereum

A proposta de taxas de gás de Vitalik Buterin tornará o Ethereum mais parecido com a Solana?

Vitalik propõe “taxas de gás multidimensionais” e afirma que é uma busca para um sistema mais personalizado e equitativo
Imagem da matéria: Ethereum Rio: Começa hoje evento que promove ecossistema da segunda maior criptomoeda do mundo

Ethereum Rio: Começa hoje evento que promove ecossistema da segunda maior criptomoeda do mundo

Evento Ethereum Rio ocorre entre os dias 13 e 15 de maio no Porto Maravalley, Rio de Janeiro