Imagem da matéria: Executiva avalia relação de Goldman Sachs e J.P Morgan com criptomoedas
Foto: Shutterstock

Caitlin Long é uma raridade no mundo das criptomoedas: uma banqueira com 20 anos de experiência em Wall Street que percebeu a promessa do bitcoin (BTC) logo no início e saiu para criar uma startup cripto por conta própria.

Quando ela fala sobre bancos e o futuro das finanças, as pessoas a prestam atenção.

Publicidade

No mais recente episódio do podcast “gm” do Decrypt, Long compartilhou uma visão interessante: JP Morgan, cujo CEO é famoso por criticar o bitcoin, recentemente teve mais sucesso com cripto do que o Goldman Sachs, um banco mais conhecido pela inovação.

“Goldman, nos primórdios de cripto, era o banco mais receptivo [a cripto]. Culturalmente, existe algo sobre o Goldman que permite e fomenta a inovação, embora eu não tenha sentido isso nos bancos [onde trabalhei anteriormente]”, disse Long, que passou anos no Credit Suisse e no Morgan Stanley.

Atualmente, o Goldman Sachs é mais conhecido no mundo cripto por anunciar, repetidas vezes, empreendimentos cripto chamativos para, depois, suspendê-los. Em 2018, o banco havia lançado uma mesa de negociação (repleta de caras descolados), mas a suspendeu logo em seguida.

Long observa que essa hesitação fez com que Goldman (que voltou novamente para cripto em 2021) ficasse em segundo plano em comparação ao JP Morgan, que está há anos envolvidos com cripto, apesar de uma forma mais discreta.

Mesmo após o CEO Jamie Dimon ter chamado o bitcoin de uma “fraude… pior do que os bulbos de tulipas” em 2017 e resmungou que iriam demitir qualquer um “estúpido” o suficiente para negociar bitcoin, o banco desenvolveu uma unidade cripto bem-conceituada que testou ether (ETH) e stablecoins.

Publicidade

A ironia de o JP Morgan ter criado essa equipe logo após seu líder ter veemente denunciado cripto ainda não está perdida para Long.

“Acredito que ele entenda que o sistema antigo está morrendo”, explicou. “Não irá lutar até a morte, pois muitos bancos não conseguiriam fazer o que ele fez: contratar centenas de pessoas e criar sua própria unidade cripto.”

Mas todos os grandes bancos, segundo Long, estão “mais envolvidos desde sempre do que se imagina. É que eles realmente estavam dizendo: ‘Não se envolva [com cripto] se você trabalha aqui’. E eu certamente tive essa impressão no Morgan Stanley”.

Devido à sua própria experiência no Morgan Stanley, Long disse que não se surpreendeu com as declarações contraditórias de Dimon sobre cripto.

Publicidade

Ela relembra que o diretor de tecnologia do Morgan Stanley ligou para ela em 2014 – ainda nos primórdios de cripto – e pediu que ela explicasse o que é bitcoin.

Esse pedido se transformou em aulas durante dois anos com cinco dos principais nomes no Morgan Stanley. Long adorou a experiência.

“[O diretor de tecnologia] era tão cético e eu adorava trabalhar com ele, pois ele realmente me forçava a aprender, justificar e entender aonde ele queria chegar”, disse.

“E realmente ajudou a solidificar minhas próprias opiniões especialmente sobre o bitcoin, mas sobre cripto de forma mais ampla.”

Caitlin Long participou do sexto episódio do podcast “gm” do Decrypt (Imagem: Grant Kempster)

Hoje, é claro, cada banco que se preze está prestando atenção em cripto, incluindo o Goldman Sachs.

Long destaca que a atual iniciativa do banco está sendo liderada por um “parceiro muito, muito sênior; o cara responsável pela mesa de ‘repo’ [acordos de recompra], que é a principal mesa de qualquer grande banco de investimentos” – um indício de que Goldman pretende compensar o tempo perdido.

Seja o que for que grandes bancos farão com cripto, provavelmente terão de lutar não apenas entre si, como também contra rivais, como Long, cuja startup Custodia Bank (anteriormente chamada de Avanti Financial) visa usar stablecoins para fornecer a empresas ferramentas financeiras de fáceis de usar e baseadas em cripto.

Publicidade

Custodia também está prestes a se tornar uma das primeiras empresas cripto a receber acesso ao Federal Reserve.

Long também falou sobre a cultura cripto, identificando-se como uma “maximalista de Bitcoin”, e previu que cripto irá se dividir entre três setores com diferentes opiniões sobre regulamentação.

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: 8 ETFs de Ethereum à vista são aprovados pela SEC nos EUA

8 ETFs de Ethereum à vista são aprovados pela SEC nos EUA

Expectativa agora é que Ethereum possa renovar sua máxima histórica de novembro de 2021 e passar com folga a marca dos US$ 5 mil
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken
Imagem da matéria: Desenvolvedor da Solana rouba R$ 1,6 milhão de investidores para apostar em jogos de azar

Desenvolvedor da Solana rouba R$ 1,6 milhão de investidores para apostar em jogos de azar

“O que vier a seguir está nas mãos de Deus”, disse o dev após assumir o roubo
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido