Em janeiro, a empresa teve um prejuízo de US$ 530 milhões depois de um roubo.
(Foto: Shutterstock)

A exchange japonesa de criptomoedas Coincheck anunciou o suporte para dois novos tokens, o XRP, da Ripple, e o FCT, da Factom.

De acordo com um comunicado de imprensa, a partir desta segunda-feira (26), tanto depósitos quanto negociações com ambos tokens serão parcialmente restaurados juntamente com alguns serviços auxiliares.

Publicidade

A bolsa, em janeiro deste ano, foi vítima do maior roubo da história das criptomoedas e ficou no prejuízo de US$ 530 milhões (cerca de R$ 1,6 bilhão na época).

No final do mês passado, a Coincheck voltou à atividade com as seguintes criptomedas: bitcoin, ethereum, litecoin, ethereum classic, bitcoin cash, lisk e NEM — sendo esta última o alvo do ataque de janeiro, quando hackers burlaram o sistema, subtraindo 500 milhões de unidades.

A empresa relembrou que até então não estava autorizada a negociar a NEM para não atrapalhar as investigações.

Ela disse que nesse intervalo de tempo formulou e implantou melhorias em seu sistema com foco no controle gerencial e no sistema de controle interno.

Durante o hiato, a corretora passou a ser administrada pela empresa japonesa de serviços financeiros Monex Group, que havia prometido esforços para a retomada do serviços. O grupo comprou a exchange por por 3,6 bilhões de ienes (US$ 33,6 milhões).

Publicidade

A nota diz que só foi possível reiniciar os serviços que permite o recebimento, a compra e a troca de XRP e FCT por conta da realização de uma auditoria de segurança feita passo a passo por especialistas externos.

A empresa alertou que devido ao aumento no volume, há possibilidade de o tráfego ficar um pouco lento ou até mesmo a plataforma inacessível temporariamente, inclusive a área de suporte, mas que isso seria temporário.

Caso haja um aumento brusco em volume de transações, a empresa afirmou que pode suspender a negociação sem aviso prévio e a seu próprio critério. Isso também vale caso aconteça algum problema relacionado aos novos tokens.

O retorno das atividades da Concheck era incerto até pelo menos o início deste mês, quando o presidente da Coincheck, Oki Matsumoto, expressou dúvidas sobre a perspectiva de reabertura para acomodar novos usuários.

Publicidade

De acordo com a CCN, no início de novembro, Matsumoto disse que uma reinauguração dependia de uma nova licença da Agência de Serviços Financeiros do Japão (FSA).

A Agência realizou, então, uma revisão abrangente de segurança e gerenciamento, o que parece ter sido finalizada só agora nesse fim de mês, permitindo à Coincheck a expansão com novos criptoativos.


BitcoinTrade

Baixe agora o aplicativo da melhor plataforma de criptomoedas do Brasil Cadastre-se e confira todas as novidades da ferramenta, acesse: www.bitcointrade.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração de bandeira do Brasil dentro moeda de Bitcoin

Fundos cripto do Brasil captam mais R$ 1,5 mi e chegam a 21ª semana consecutiva de entradas

Vindo de uma grande sequência de captação, fundos de criptomoedas do Brasil estão em 3º lugar no ranking global, atrás apenas dos EUA e Hong Kong
Imagem da matéria: Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Em um processo judicial, a SEC argumentou que a Coinbase não pode exigir que o regulador escreva novas regras para o setor cripto
Imagem da matéria: MB e Rappi se unem para celebrar data histórica para Bitcoin com entrega de pizzas a clientes da exchange

MB e Rappi se unem para celebrar data histórica para Bitcoin com entrega de pizzas a clientes da exchange

A plataforma de ativos digitais também promove campanha para recompensar trades realizados até 4 de junho
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin abre semana em alta de 2,8%; Grandes investidores do Japão e EUA ganham exposição ao BTC

Manhã Cripto: Bitcoin abre semana em alta de 2,8%; Grandes investidores do Japão e EUA ganham exposição ao BTC

Wells Fargo dos EUA e a Metaplanet do Japão anunciaram novos investimentos no Bitcoin