Imagem da matéria: Exchange acusa Alphapoint de ter sido hackeada; corretoras brasileiras usam mesmo serviço
(Foto: Shutterstock)

Uma exchange da Noruega acusou a Alphapoint de ter sido hackeada, expor dados dos clientes e perder Bitcoins. A plataforma é usada por pelo menos quatro corretoras no Brasil.

A Bitcoin Norge, fundada em 2013, começou a reportar problemas desde maio deste ano. No comunicado da época não houve nenhum tipo de menção à invasões.

Publicidade

No dia 1º de julho, porém, a corretora do norte europeu fez um longo texto em sua página do Facebook no qual afirma que a Alphapoint, sistema usado no Brasil por Foxbit, Coinext, FlowBTC e Casa do Bitcoin, teve falhas graves de segurança, dando a entender que ela havia sido roubada.

“A Alphapoint nos informou que eles tinham esquemas de seguro que cobrem isso e que tanto o FBI quanto outras autoridades policiais americanas estão envolvidas na investigação do caso”, diz o texto. Por causa da demora da Alphapoint e pela incerteza de que o seguro da companhia poderá atender os clientes, a corretora norueguesa decidiu jogar limpo com os usuários da plataforma.

O Portal do Bitcoin questionou a Alphapoint por meio da assessoria de imprensa, mas até o momento não teve resposta. Porém, ao site norueguês E24, a empresa afirmou via email que foi atingida por um phishing e um golpe com chip de celular.

CEO da exchange fala

Além disso, afirmaram que nem o hardware nem a tecnologia havia sido comprometida. Conforme o mesmo site, a empresa também confirmou o ataque aos dados, mas não comentou a sequência de eventos como relatado pela Bitcoin Norge.

Publicidade

A solução proposta pela exchange foi então parar com todos os trades e devolver, na moeda local, o dinheiro que os clientes tinham em bitcoin até o dia 7 de maio. Na época, o preço do BTC estava em torno de R$ 23 mil. Atualmente, é R$ 45 mil.

Em uma entrevista para a mídia local, Ole-Andre Torjussen, fundador da exchange, disse que no dia 1º de maio, ele recebeu um alerta de que os fundos de todas as hot wallets (carteiras conectadas às internet) haviam sido roubados, mas que um seguro iria cobrir o dano. Por isso, afirmou, o board da empresa decidiu não revelar o que aconteceu aos clientes.

No final de junho, porém, houve a informação sobre um novo ataque, o que levou à decisão de procurar outra solução.

Problemas no Brasil

Tanto em maio quanto em junho as corretoras brasileiras que usam a Alphapoint sofreram com problemas.

Em junho, a Foxbit anunciou ficaria até o dia 4 de julho com os saques e depósitos automáticos de criptomoedas travados. Segundo a empresa, o fornecedor da plataforma de operação, a Alphapoint, fechou uma parceria com a BitGo, uma das maiores empresas de custódia e segurança de criptomoedas do mundo. O problema seria, portanto, causado pelo tempo de atualização.

Publicidade

A Coinext, por exemplo, também teve que operar manualmente.

“Apesar de manual, dentro do horário comercial estamos com uma resposta rápida nos pedidos. Fora desse período é que pode demorar um pouco mais, no máximo 24 horas”, disse na época José Arthur Ribeiro, CEO da corretora.

Talvez você queira ler
Imagem da matéria: O Bitcoin está prestes a entrar em um ciclo de alta? Veja o que dizem os especialistas

O Bitcoin está prestes a entrar em um ciclo de alta? Veja o que dizem os especialistas

O Bitcoin atingiu US$ 39 mil na sexta-feira. Será que só há espaço para crescimento a partir de agora?
Ricardo e Camila, criadores do projeto Bitcoin é Aqui posam para foto

Conheça a pequena cidade brasileira que se tornou local com maior taxa de adoção do Bitcoin no mundo

Município do Rio Grande do Sul adota o Bitcoin como meio de pagamento para cortes de cabelo e cafés e chegando até em terrenos
pilhas de moedas de bitcoin BTC

Mineradores de Bitcoin vão devolver R$ 15 milhões ao investidor que pagou taxa mais cara da história

O pool de mineração AntPool concordou em devolver os R$ 15 milhões que entraram para a história como a taxa mais cara já paga por uma transação de Bitcoin
Imagem da matéria: Investidor erra e paga R$ 15 milhões em taxa para simples transação de Bitcoin

Investidor erra e paga R$ 15 milhões em taxa para simples transação de Bitcoin

Um bug ou desatenção ao preencher os detalhes da transação pode explicar o caro erro do misterioso investidor