moeda de bitcoin ao lado de celular com logo da mt gox
Shutterstock

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ) indiciou nesta sexta-feira (9) dois russos acusados de participarem do hack da extinta exchange de Bitcoin, Mt. Gox, conforme comunicado do órgão.

De acordo com o DoJ, os russos Alexey Bilyuchenko, de 43 anos, e Aleksandr Verner, de 29 anos, foram acusados de conspiração para roubar aproximadamente 647.000 bitcoins da corretora entre 2011 e 2014. Essa quantia — cerca de R$ 83 bilhões na cotação atual do BTC — representava a “grande maioria dos bitcoins pertencentes aos clientes da Mt. Gox”.

Publicidade

A Mt. Gox era uma exchange de Bitcoin japonesa que foi forçada a encerrar suas atividades em 2014 após um ataque devastador. Uma vez considerada a maior exchange do mundo, criminosos roubaram 850.000 bitcoins — atualmente avaliados em US$ 22,6 bilhões (cerca de R$ 110 bilhões) — no ataque.

Os investidores que perderam seus fundos ainda estão aguardando para recuperá-los através do recuperador judicial, Nobuaki Kobayashi.

Em 2021, os credores aprovaram uma proposta de recuperação — que prometia remunerar cerca de 90% dos ativos devidos. Em março deste ano, os investidores tiveram que arcar com dinheiro do próprio bolso para entrar com ações para recuperar seus fundos.

O DOJ acusou ainda Bilyuchenko de supostamente conspirar com outro russo, Alexander Vinnik, para operar o BTC-e — uma exchange de criptomoedas fechada pelo FBI em 2017 por supostamente lavar fundos para criminosos internacionais.

“Armado com os ganhos ilícitos da Mt. Gox, Bilyuchenko supostamente ajudou a montar a notória exchange de moedas virtuais BTC-e, que lavava dinheiro para criminosos cibernéticos em todo o mundo”, afirmou o Procurador Assistente Kenneth A. Polite, da Divisão Criminal do Departamento de Justiça, no comunicado.

Publicidade

O BTC-e operou nos Estados Unidos de 2011 a 2017 e movimentou nesse período cerca de US$ 9 bilhões em transações de Bitcoin. O DOJ alegou anteriormente que a equipe por trás da exchange permitiu que criminosos negociassem Bitcoin anonimamente e lavassem fundos ilícitos.

Bilyuchenko responderá por conspiração para lavagem de dinheiro e por operar uma empresa financeira não licenciada; Verner também responderá por crime de lavagem, disse o DOJ.

*Traduzido e editado com autorização do Decrypt.

Quer ganhar mais com Ethereum? Abra sua conta no Mercado Bitcoin, a corretora mais segura do Brasil, e comece a fazer staking agora mesmo.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração de baleia nadando com moeda de bitcoin em seu interior

Baleia movimenta R$ 321 milhões em Bitcoin pela 1ª vez em uma década

Quando o investidor desconhecido adquiriu os bitcoins em 2013, a cotação do ativo não passava de US$ 120
Michaël van de Poppe em vídeo no Youtube

“É hora de investir em altcoins como Ethereum além do Bitcoin”, diz Michaël van de Poppe

Citando o Ethereum com uma das opções, o analista diz que o mercado de altcoins já passou por correção e que a tendência agora é de alta
Anic de Almeida Peixoto Herdy é casada com herdeiro da Unigranrio

Herdeira é sequestrada em Petrópolis e criminosos exigem resgate em Bitcoin

Técnico de informática amigo do casal conversou com sequestradores por entender de criptomoedas e foi preso por suspeita de envolvimento
Pizza em uma mão moeda de bitcoin na outra

Bitcoin Pizza Day: Corretoras comemoram data histórica do Bitcoin com promoções; confira

Semana tem pizza grátis, cashback, joguinho e descontos em comemoração à primeira transação comercial com o Bitcoin realizada há 14 anos