Imagem da matéria: ‘Eu traria regulamentações do mercado tradicional para as criptomoedas’, diz CEO da Binance
Changpeng Zhao, CEO da Binance (Foto: Reprodução)

O CEO e fundador da Binance, Changpeng Zhao (“CZ”), disse que a regulamentação não é necessariamente uma coisa ruim para a indústria de criptomoedas.

“Se eu fosse um regulador, a coisa mais lógica que faria seria olhar para as regulações existentes no mercado financeiro tradicional e colocá-las nas criptomoedas”, disse CZ, antes de observar que a indústria cripto é significativamente diferente das finanças tradicionais.

Publicidade

O CEO da Binance também acrescentou que não era – ao contrário de muitos outros na indústria – um libertário ou anarquista. “Há muitos libertários extremistas que acreditam que funcionamos bem sem regras, sem qualquer intervenção do governo”, disse ele, acrescentando: “Não acho que, como sociedade, estejamos totalmente preparados para isso, pelo menos na minha opinião, eu não sei como vamos nos manter seguros. ”

A relação da Binance com os reguladores

A Binance tem um relacionamento complicado com os reguladores. A empresa deixou a China em 2017, antes da repressão do governo às corretoras de criptomoedas. Foi para o Japão, depois para Taiwan e, em seguida, em 2018, Binance cortejou o presidente maltês para aproveitar ao máximo os regulamentos frouxos do país. Mas a faísca se apagou e Binance teve que ir para outro lugar. Agora a empresa, oficialmente registrada nas Ilhas Cayman, opera a partir de … ninguém sabe.

Em julho do ano passado, a Comissão de Valores Mobiliários da Malásia alegou que a Binance opera ilegalmente no país. Um porta-voz se recusou a comentar para a Decrypt na época, mas a equipe de suporte da Binance nos disse que todos os sistemas estão funcionando no país e não precisamos nos preocupar com as alegações.

“Não temos um sistema monolítico desenvolvido por milhares de pessoas em meu escritório”, disse CZ ao Decrypt em novembro passado, quando questionado sobre como lida com campos minados regulamentares. Mais tarde naquele mês, o The Block relatou que o escritório da Binance em Xangai foi fechado em 2019 após uma visita das autoridades. Binance mais tarde afirmou que não era um escritório; The Block afirmou que sim, citando entrevistas com funcionários.

Publicidade

Durante a entrevista ao Decrypt em novembro de 2020, CZ descreveu as regulações como “excessivamente restritivos”, mas hoje, CZ disse que seria “OK” se o primeiro conjunto de regulações “em todo o mundo” fosse “um tanto restritivo”.

“Não ter regras também não é bom para as empresas”, disse CZ, acrescentando: “Conheço outras empresas do setor que desejam ter um relacionamento colaborativo com os reguladores”.

Durante a sessão do Clubhouse de hoje, o Decrypt pediu a CZ para fornecer uma atualização sobre a investigação da Comissão de Negociação de Futuros de Commodities dos EUA (CTFC) sobre a Binance por permitir que os traders americanos realizassem negociações que violassem os regulamentos existentes nos EUA. CZ não quis comentar.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co
VOCÊ PODE GOSTAR
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink
Costas de um policial de Hong Kong

Empresário e filho se entregam à polícia após sequestrarem investidora de criptomoedas

A dupla teria tentado acertar as contas com a mulher de 55 anos que teria intermediado um investimento de cerca de R$ 10 milhões em criptomoedas
trader segura moeda de bitcoin em frente a grafico em computador

Bolsa de Chicago planeja lançar negociação de Bitcoin à vista, diz jornal

O objetivo é capitalizar a crescente demanda este ano entre os gestores de Wall Street para ganhar exposição ao setor de criptomoedas
pilhas de moedas douradas à frente da bandeira da Colômbia

Maior banco da Colômbia lança corretora de criptomoedas

A plataforma Wenia visa atrair pelo menos 60.000 clientes em seu primeiro ano de operação