Moeda de Bitcoin semienterrada à frente de bandeira da Etiópia
Shutterstock

A Ethiopian Investment Holdings (EIH), braço de investimentos do governo da Etiópia, assinou na semana passada um memorando de entendimento com o Center Service PLC do West Data Group, com sede em Hong-Kong, que, dentre outras iniciativas, pode abrir as portas para a mineração de Bitcoin no país, segundo uma publicação da Forbes na quarta-feira (21).

A parceria está no âmbito de um acordo geral para um projeto de US$ 250 milhões cujo foco é estabelecer infraestruturas de ponta para mineração de dados e operações de formação em inteligência artificial na Etiópia, conforme o documento analisado pela Forbes.

Publicidade

Assim sendo, a Etiópia pode se posicionar como  líder no espaço de centros de dados em África, com uma estimativa de crescimento de US$ 5,4 bilhões até 2027. Essa avaliação foi feita pela empresa de pesquisa Aritzon Advisory and Intelligence, descreve a publicação.

O EIH, contudo, ainda não confirmou detalhes de suas operações de mineração de Bitcoin ou respondeu aos pedidos de comentários. No entanto, diz a publicação, à medida que o projeto amadurece, mais detalhes do acordo podem ser revelados.

Cabe porém ressaltar que, dados os primeiros passos com a iniciativa de data centers, as portas para a mineração de Bitcoin ficarão abertas, provendo condições para atrair investimentos, como prevê acerca do plano o CEO da Hashlabs Mining para a Etiópia, Kal Kassa.

“O desenvolvimento faz parte do objetivo do governo etíope de impulsionar o crescimento econômico, aproveitando a tecnologia e as fontes de energia para atrair investimentos estrangeiros”, disse ele, de acordo com a publicação.

Publicidade

A Forbes relembrou de alguns fatos distintos: quando o comércio de criptomoedas foi proibido no país aficano e quando as leis se tornaram mais favoráveis ao setor cripto, mais precisamente em 2022.

Vale lembrar que a Etiópia tem abundância de energia limpa, bem como baixo custo energético, o que já atraiu, por exemplo, a mineradora russa Bitcluster, que construiu a primeira instalação de mineração de Bitcoin de 120 MW, cita a reportagem, além da Hashlabs Mining, que também escolheu a região para fornecer serviços de mineração a clientes globais.

Potencial energético da Etiópia

De acordo com uma previsão de um executivo sênior da Bitmain e relatada pela Bloomberg, o potencial energético da Etiópia poderá rivalizar com o do estado do Texas, EUA,  que atualmente representa 28,5% da taxa de hash global de 40% dos EUA. No entanto, ressalta a Forbes, os mineradores estão cautelosos quanto ao futuro da regulamentação no país.

É cedo para prever se a Etiópia mudará a sua posição em relação à mineração de Bitcoin, tal como o Irã e o Cazaquistão fizeram quando começaram a competir com a procura interna de energia, argumenta.

Publicidade

Independentemente disso, continua a publicação, o governo está interessado em expandir o seu influxo de moeda estrangeira para mitigar os seus desafios econômicos e vê a mineração como uma oportunidade de investimento convincente para atingir esse objetivo.

Em outra visão, o governo da Etiópia também pode aproveitar o seu abundante excesso de energia verde para fornecer eletricidade aos seus cidadãos através da mineração de bitcoin, já que, segundo apurou a Forbes, 40% da sua população não tem acesso à eletricidade.

Além disso, a inclusão da iniciativa poderia contribuir com milhões de dólares para o PIB do país, de acordo com dados do Project Mano, um colectivo aberto que procura educar o governo sobre os benefícios potenciais do bitcoin para a economia do país.

“A mineração de Bitcoins será, em última análise, uma ferramenta fundamental para enfrentar os desafios económicos de vários países africanos”, concluiu a Forbes.

VOCÊ PODE GOSTAR
bitcoin preso a correntes

Angola proíbe mineração de criptomoedas e China repercute

Embaixada pediu aos chineses que vivem no país sul-africano para não apoiarem ou se envolverem com mineração
criptomoedas bitcoin ethereum e solana

Fatores macroeconômicos terão papel de peso no mercado cripto após o halving, diz Coinbase

Para a maior corretora cripto dos EUA, a tendência é que os mercados procurem novos catalisadores para sustentar a recuperação do primeiro trimestre
Brad Garlinghouse, CEO da Ripple , posa para foto

Mercado de criptomoedas vai valer US$ 5 trilhões até final do ano, prevê CEO da Ripple

Brad Garlinghouse justifica seu otimismo pelo halving do Bitcoin e um possível impulso regulatório positivo do mercado cripto nos EUA
Equipamento de mineração com CPU em uma mesa de escritório com sinal luminoso do Bitcoin atrás

Dificuldade de mineração do Bitcoin bate recorde em último ajuste antes do halving

Recorde significa que mineradores estão correndo para garantir a recompensa de 6,25 BTC por bloco antes do halving