moeda de Bitcoin à frente do logotipo do Goldman Sachs
Shutterstock

Vários grandes bancos dos EUA foram adicionados como parceiros do ETF de Bitcoin à vista da BlackRock desde que o produto foi lançado em janeiro deste ano, incluindo Goldman Sachs, proeminente gigante de Wall Street que por anos não levou a sério as criptomoedas.

Em mudanças de pós-registro apresentadas nesta sexta-feira (5), a BlackRock nomeou Citadel, Goldman Sachs, UBS e Citigroup como “participantes autorizados” de seu iShares Bitcoin Trust (IBIT). Um participante autorizado é responsável por criar e resgatar cotas do fundo para manter o preço do IBIT próximo ao do Bitcoin (BTC).

Publicidade

A BlackRock confirmou ao Decrypt sobre a adição dos novos bancos. “Participantes autorizados adicionais podem ser incluídos a qualquer momento, sujeitos ao critério do patrocinador”, diz o prospecto alterado da BlackRock.

Os quatro novos bancos se juntam a uma notória lista que inclui ABN AMRO, JP Morgan, Jane Street, Macquarie Capital e Virtu, que foram nomeados pela BlackRock como parceiros no registro de 10 de janeiro, um dia antes do lançamento oficial do fundo.

Embora a notícia sobre as novas adições esteja circulando agora, os registros mostram que Goldman, UBS e Citigroup foram adicionados como participantes autorizados já em 4 de março. Rumores de que a Goldman Sachs poderia se juntar à BlackRock e à Grayscale circulam há meses.

Sua inclusão aparentemente contraria as opiniões dos próprios executivos do banco sobre a indústria das criptomoedas. Durante uma recente entrevista, Sharmin Mossavar-Rahmani, CIO da unidade de gestão de patrimônio do banco, disse que criptomoedas “não eram uma classe de ativos de investimento” e que ela e os clientes “não acreditam nas criptomoedas”.

Publicidade

Dito isso, o Goldman Sachs também tem uma unidade dedicada a ativos digitais, cujo líder da Ásia-Pacífico, Max Milton, disse no mês passado que seus “maiores clientes estão ativos ou explorando se tornarem ativos no espaço”.

Enquanto isso, o CIO da Bitwise, Matt Hougan — cuja empresa administra um ETF Bitcoin à vista rival — citou a grande demanda de clientes de varejo e fundos de hedge e diz que o crescimento do ETF “continuará por anos”, à medida que as plataformas de contas nacionais adotam lentamente os produtos.

“Conclusão: as grandes empresas agora querem uma parte da ação e/ou agora estão bem em serem publicamente associadas a isso”, disse na sexta-feira Eric Balchunas, analista de ETF da Bloomberg.

Os ETFs Bitcoin absorveram mais de US$ 12 bilhões em fluxos líquidos desde o lançamento em 11 de janeiro. O ETF da BlackRock agora detém mais de US$ 16 bilhões em ativos.

*Traduzido e editado com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de Bitcoin ao lado de letreiro com ETF

Estado dos EUA investe R$ 510 milhões em ETF de Bitcoin da BlackRock

O investimento foi confirmado hoje pelo Conselho de Investimentos do Estado de Wisconsin (SWIB)
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Análise: o preço do Bitcoin está novamente sendo ditado pela política do Fed

“Análise dos últimos 40 dias revela uma maior alinhamento com as expectativas de taxa de juros para junho”, diz firma de análises CoinShares
trader segura moeda de bitcoin em frente a grafico em computador

Bolsa de Chicago planeja lançar negociação de Bitcoin à vista, diz jornal

O objetivo é capitalizar a crescente demanda este ano entre os gestores de Wall Street para ganhar exposição ao setor de criptomoedas
Nathalia Arcuri falando em evento

Mercado Bitcoin e Nathalia Arcuri firmam parceria de conteúdo via blockchain

Mercado Bitcoin e Nathalia Arcuri firmam parceria via blockchain e promovem educação financeira de criptoeconomia gratuita