Imagem da matéria: Estatal chinesa vai lançar blockchains com código aberto no mercado internacional
Foto; Shutterstock

A empresa chinesa Blockchain-based Service Network (BSN), que tem financiamento do governo da China, anunciou que irá lançar em agosto o primeiro produto para o mercado internacional, conforme um porta-voz da empresa disse para o portal da rede de noticias CNBC.

Chamada de Spartan Network, a ferramenta irá disponibilizar uma série de blockchains públicas para que os clientes escolham e usem sem necessariamente ter conhecimento sobre a tecnologia e com um elemento forte de interoperabilidade entre elas.

Publicidade

Blockchains ainda são muito conectadas no imaginário às criptomoedas, mas a BSN irá prover a tecnologia dos registros abertos e verificáveis sem envolver tokens financeiros. Isso porque a China baniu totalmente as criptomoedas em 2021, mas demonstra grande interesse em desenvolver blockchains.

Umas das blockchains que será disponibilizada será uma versão da Ethereum, na qual o gas (taxas para fazer operações na rede) será pago em dólar e não em ethers.

Desconfiança

O CEO da empresa, Yifan He, falou na entrevista sobre a desconfiança de que o governo chinês irá ter acesso e controle sobre as blockchains: “As pessoas irão dizer que a BSN é da China e isso é perigoso. Deixe-me enfatizar: a Spartan terá um código aberto, nós não vamos acessar nada do nosso lado”.

O executivo disse que os usuários poderão inspecionar o código para se certificarem que não existe uma porta dos fundos pela qual o governo da China tenha acesso às informações.

Publicidade

A BSN tem financiamento do Centro de Informação Estatal, que é uma entidade sob o controle Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento do governo chinês. Além disso, a empresa estatal de telecomunicações China Mobile também tem participação no projeto.

He diz que o objetivo é diminuir o custo do uso de blockchain para o mínimo possível e atrair mais empresas de tecnologia e desassociar a ferramenta das criptomoedas.

“Será difícil emplacar nos primeiros dois anos, pois a maioria das pessoas na indústria do blockchain entende apenas de cripto”.

Em busca da liderança

Em outubro de 2019, o presidente chinês Xi Jinping declarou que a tecnologia blockchain é estratégica e de prioridade nacional. Desde então, a China já lançou sua própria moeda digital, criou a BSN e alcançou domínio mundial no registro de patentes em blockchain.

Publicidade

Uma das reiterações mais recentes do governo chinês ocorreu na divulgação do 14º plano de desenvolvimento quinquenal da China, de 2021-2025. O documento funciona como um guia para o desenvolvimento social e crescimento econômico do país, trazendo o termo “blockchain” pela primeira vez na história.

No capítulo que discursa sobre a aceleração do desenvolvimento digital da China consta a seguinte afirmação: “Nós promoveremos e fortaleceremos as indústrias digitais emergentes, como IA, big data, tecnologia blockchain, computação em nuvem e a segurança de computadores”. A declaração ratifica o compromisso chinês em sequência ao plano 2020-2022.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Projeto de universitários brasileiros ganha R$ 50 mil em hackathon global da Solana

Projeto de universitários brasileiros ganha R$ 50 mil em hackathon global da Solana

Grupo criou aplicação para conectar via blockchain produtores de energia e estações de abastecimento, com a mira no mercado de carros elétricos
Ilustração da memcoin em Solana Bonk

Como criar uma memecoin em Solana com a Pump.fun

Protocolo viralizou ao permitir a qualquer pessoa criar uma criptomoeda por cerca de R$ 15