Imagem da matéria: Empresa é processada por perder chave de carteira com 38 mil ethereum
Foto: Shutterstock

A empresa de criptomoedas voltada para o mercado DeFi, StakeHound, cuja sede fica em Geneva, na Suíça, abriu um processo milionário contra a Fireblocks, empresa que faz custódia de ativos, sediada em Israel. A ação, protocolada no Tribunal Superior de Tel Aviv, se refere à perda das chaves privadas das carteiras da StakeHound pela empresa israelense onde havia 38.178 ETH, avaliados na época em cerca de US$ 75 milhões.

Em nota nesta nesta terça-feira (22), a StakeHound deu detalhes sobre o ocorrido e ressaltou a negligência por parte da Fireblock. Segundo a empresa, eles foram informados no dia 02 de maio que seus fundos em ethereum poderiam ficar inacessíveis devido a uma falha relacionada à proteção de chaves. No entanto, disse a autora do processo, o problema não foi resolvido.

Publicidade

“As tentativas de resolver este problema com a Fireblocks infelizmente não foram bem-sucedidas e, por consequência disso, o processo foi registrado hoje no Tribunal Superior de Israel”, disse a StakeHound, acrescentando que a gestora não fez a sua parte em manter a segurança das chaves privadas.

O protocolo da StakeHound faz uma ponte para um pool de liquidez e, portanto, permite a alocação de fundos na rede da Ethereum. Nas próximas semanas, disse a empresa, será feita uma nota pública com detalhes de como serão feitas as reposições dos fundos.

Gestora nega negligência em carteira de ethereum

A Fireblock se defendeu também por meio de um comunicado nesta terça. Segundo a empresa, houve uma cooperação com a Stakehound em dezembro passado para na criação de um conjunto de “compartilhamentos de chaves BLS”  — esquema de assinatura criptográfica que permite ao usuário verificar se um assinante é autêntico — focado na iminente ETH 2.0.

No entanto, a empresa afirma que tais compartilhamentos de chaves criados em conexão com este projeto foram gerenciados fora da plataforma Fireblocks e não faziam parte de sua estrutura de carteira MPC (sigla para o algoritmo ‘Secure multi-party computation’) ou procedimentos de backup. 

Publicidade

“Quando certas irregularidades em torno dos compartilhamentos de chaves BLS foram descobertas durante uma simulação programada, a Fireblocks suspendeu imediatamente os endereços potencialmente afetados e ofereceu sua ajuda ao cliente. Estamos investigando ativamente a situação e ajudando todas as partes envolvidas a resolver o problema”, declarou a empresa, acrescentando que todos os fundos atrelados à Fireblocks estão seguros.

Briga na Justiça

Agora caberá à Justiça de Israel estabelecer se houve ou não negligência por parte da ré e de quem era a responsabilidade por um backup. Sobre isso, a Fireblock alegou que seu cliente não solicitou um backup com um provedor de serviços terceirizado de acordo com suas diretrizes.

A Stake Hound alega no processo que, conforme acordado entre as partes, a Fireblock deveria ter feito o backup através de uma empresa chamada Coincover, que por sua vez alegou que não tentou o acesso devido ao contrato de confidencialidade. As informações são do site local Calcalist.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Bitcoin cai mas analistas ainda acreditam que preço vai chegar a US$ 150 mil este ano

Bitcoin cai mas analistas ainda acreditam que preço vai chegar a US$ 150 mil este ano

A AllianceBernstein concorda com os analistas do Standard Chartered e acredita que o preço do BTC mais que dobrará nos próximos 18 meses
criptomoedas, criptoativos, regulação, Brasil, projeto de lei

Banco Central anuncia próximos passos da regulamentação do mercado cripto no Brasil

Sem definir datas, BC diz que irá fazer mais uma consulta pública no segundo semestre e um planejamento interno sobre stablecoins
Imagem da matéria: Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Em um processo judicial, a SEC argumentou que a Coinbase não pode exigir que o regulador escreva novas regras para o setor cripto
Imagem da matéria: El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

El Salvador já minerou R$ 154 milhões em Bitcoin usando energia de vulcão

A mineração de Bitcoin é feita com energia do vulcão Tecapa, usando 300 processadores voltados para essa atividade