Imagem da matéria: Economista Ricardo Amorim foi estrela de evento do Bitcoin Banco: "Não recomendei"
Influencer do Linkedin palestrou em evento de empresa que lesou milhares de pessoas (Foto: Divulgação)

Um dos maiores influenciadores brasileiros do LinkedIn, o economista celebridade Ricardo Amorim palestrou em um evento do Grupo Bitcoin Banco (GBB) semanas antes da empresa dar um calote de mais de R$ 2 bilhões nos clientes.

“Ativos de criptomoedas estão baratíssimos”, disse na época o economista, que também é apresentador do programa Manhattan Connection, da GloboNews, durante palestra em abril passado, no Hotel Unique, em São Paulo.

Publicidade

À época do evento, o GBB ostentava riqueza e sustentava o apelido de “Rei do Bitcoin” atribuído a Claudio Oliveira, dono do grupo. Também dava suporte ao padrão de vida do empresário, que consumia garrafas de água mineral que custam R$ 20 cada.

A fala de Amorim dialogava com a euforia que o GBB sustentava com ações como o evento batizado de Universo Bitcoin. Uma situação que mudou poucos meses depois, culminando em um calote bilionário e em uma recuperação judicial.

Questionado pela reportagem, Amorim afirmou que não sabia de nada que desabonasse a empresa quando aceitou o convite para palestrar. Disse ainda que tomou conhecimento pela imprensa dos problemas com o conglomerado e que nunca a recomendou para investimentos.

“Participei de um evento com dezenas de outros palestrantes muito tempo antes de denúncias virem a público e nunca fiz nenhuma recomendação de investimentos na empresa”, afirmou o economista e apresentador, que tirou fotos inclusive com Oliveira.

Publicidade

Cerca de um mês após a palestra, a empresa parou de pagar os clientes.

Claudio Oliveira, do GBB, e Ricardo Amorim (Foto: Divulgação)

Conforme a assessoria de imprensa da empresa, 500 pessoas estavam presentes. Entre elas, celebridades como os apresentadores de TV Ratinho e Amaury Junior e o humorista Marcelo Madureira, ex-Casseta e Planeta.

Entenda o caso Bitcoin Banco

O GBB criou uma espécie de arbitragem infinita, onde os clientes ficavam comprando e vendendo entre suas duas exchanges (de maneira infinita) e gerando altíssimos lucros em um curto período de tempo. Esse sistema não demorou a começar a ruir.

Já em maio de 2019 começaram os primeiros relatos de atrasos nos pagamentos a investidores. Um dos clientes relatou no Portal do Bitcoin ter feito mais de 3.000% em cima do seu investimento, mas que perdeu tudo.

Com a ameaça de investidores diante de seguidas promessas quebradas, em 4 de novembro o conglomerado pediu recuperação judicial — aceita pela Justiça no dia 27 do mesmo mês.

Publicidade

A concessão foi criticada duramente por credores das empresas do grupo de Claudio Oliveira. O processo foi visto como uma forma de anular quaisquer negociações feitas anteriormente e invalidar todos os pedidos de falência do grupo econômico. O conglomerado alegou se tratar de empresas viáveis economicamente.

A empresa declarou uma dívida de mais de R$ 600 milhões a clientes. A administradora da recuperação judicial, no entanto, apurou um valor ainda mais alto, de R$ 2,7 bilhões.

Problemas na recuperação judicial

Em 31 de janeiro, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), por meio da 18ª Câmara Cível, suspendeu o processo de recuperação judicial do Grupo Bitcoin Banco e de suas empresas.

Na metade de março, contudo, a decisão foi revertida e o processo agora está seguindo o curso normal.

Conforme a assessoria de imprensa da empresa, na segunda-feira (30) ocorrerá o protocolo do Plano de Recuperação Judicial e na sequência será agendada da primeira assembleia de credores

VOCÊ PODE GOSTAR
Fotos dos equipementos de mineração de criptomoedas operados com furto de eletricidade em Canela, RS

Polícia Civil do RS fecha fazenda de mineração de criptomoedas que lucrava R$ 400 mil por mês

Além de crime de furto de energia, casal preso responderá por porte ilegal de arma e lavagem de dinheiro
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
Banco Central se reunirá hoje com Facebook para debater proibição do WhatsApp Pay

“Inserimos com o Drex o conceito de tokenização nos sistemas dos bancos”, diz Campos Neto

O presidente do BC participa do Emerging Tech Summit, evento do Valor Capital Group em São Paulo
Fachada do MPDFT - Facebook

PM que atraía colegas de farda para pirâmide com criptomoedas é alvo do MP do DF

O policial militar e um grupo suspeito de pessoas e empresas teriam aplicado um golpe de R$ 4 milhões; alvos do MPDFT são do DF e GO