homem segura com duas mãos uma piramide de dinheiro
Shutterstock

A Justiça Federal da Paraíba acolheu a denúncia contra os criadores da Fiji, empresa acusada de ser uma pirâmide financeira que usava criptomoedas para movimentação de ativos. A companhia tem sede em Campina Grande (Paraíba) e ficou conhecida por ser rival da Braiscompany, que também iniciou suas atividades na cidade. As informações são do portal Paraíba Todo Dia

A 4ª Vara da Justiça Federal em Campina Grande recebeu a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) de crimes contra o sistema financeiro cometidos pelos donos da Fiji.

Publicidade

São agora réus no processo: Buenos Aires José Soares Souza, Breno de Vasconcelos Azevedo e Emilene Marília Lima do Nascimento.

A defesa de Buenos Aires afirma que ainda não teve acesso à denúncia, mas dizem que os elementos narrados pelo MPF “não correspondem com a realidade”.  

Operação “Ilha da Fantasia”

A investigação contra a Fiji veio à tona em junho de 2023, quando a Polícia Federal lançou uma operação chamada “Ilha da Fantasia” que executou oito mandados de busca e apreensão e três prisões preventivas relacionadas com crimes financeiros e a empresa Fiji Solutions, de Campina Grande, na Paraíba.

A empresa é acusada de funcionar como uma pirâmide financeira que oferecia promessas de rendimentos mediante contratos de investimentos com criptomoedas.

Segundo as informações da Polícia Federal, estima-se que foram movidos cerca de R$ 600 milhões, nos últimos três anos, pelas partes envolvidas no esquema. Além da Fiji, a empresa Softbank Softwares, que desenvolvia a tecnologia da Fiji, também foi alvo da operação.

Publicidade

Em abril de 2023, a Fiji Solutions teve R$ 399 milhões bloqueados em determinação da Justiça, por meio da 2ª Vara Cível de Campina Grande, atendendo a pedido do Ministério Público da Paraíba.

Dono da Fiji já estava detido

Um dos alvos da operação “Ilha da Fantasia” foi o empresário Buenos Aires, dono da Fiji Solutions.

Buenos Aires, no entanto, já havia sido detido em prisão preventiva pela Polícia Civil do Rio de Janeiro, um dia antes da operação federal. O dono do suposto esquema financeiro também é suspeito de cometer o crime de abuso sexual infantil.

Parte das provas contra Buenos Aires envolvem fotos e vídeos de crianças e adolescentes em cenas explícitas de sexo, encontradas em seus dispositivos eletrônicos. O delegado responsável pelo caso, João Ricardo, disse ao G1 que alguns destes materiais indicavam que poderiam ter sido produzidos pelo empresário.

“Não dá para afirmar que foi ele quem fez essas fotos, mas dá para afirmar que ele possuía essas fotos em seus dispositivos eletrônicos. Então há uma grande chance de se por acaso ele não praticou esse crime, saber quem praticou”, explicou.

VOCÊ PODE GOSTAR
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
Banco Central se reunirá hoje com Facebook para debater proibição do WhatsApp Pay

“Inserimos com o Drex o conceito de tokenização nos sistemas dos bancos”, diz Campos Neto

O presidente do BC participa do Emerging Tech Summit, evento do Valor Capital Group em São Paulo
Policiais federais fotografados de costas

PF e Receita Federal caçam grupo suspeito de lavagem de dinheiro com criptomoedas

Policiais federais e auditores-fiscais se mobilizaram em quatro estados para cumprir mandados de prisão, busca e apreensão em um esquema de importações ilegais
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte