Imagem da matéria: Documentos secretos detalham as falhas dos bancos globais no combate à corrupção
(Foto: Shutterstock)

Documentos vazados detalham como mais de US$ 2 trilhões em dinheiro sujo passaram pelos maiores bancos do mundo, conforme publicado pelo Buzzfeed. Mais de 2.500 documentos, incluindo mais de 2.000 relatórios de atividades suspeitas (SARs), documentam como as autoridades receberam evidências e deixaram de agir.

Os arquivos da FinCEN (Financial Crimes Enforcement Network dos EUA) não têm precedentes. Em 2016, o Panama Papers documentou como os mais ricos do mundo driblaram impostos com a ajuda do escritório de advocacia Mossack Fonseca. Um ano depois, o Paradise Papers revelou outras negociações offshore para o benefício de políticos e outras figuras públicas. O que torna os arquivos da FinCEN diferentes é que eles revelam evidências sistemáticas de corrupção global, em vez de irregularidades de um punhado de atores.

Publicidade

Descobertas da FinCEN

Os arquivos da FinCEN documentam como a corrupção global em massa e a lavagem de dinheiro passam bem debaixo do nariz dos reguladores e autoridades policiais.

Eles mostram que o HSBC, com sede em Londres, supostamente permitiu a transferência de milhões de fundos roubados em todo o mundo. De acordo com os arquivos da FinCEN, essas transações ocorreram depois que evidências de atividades ilegais foram encontradas pelas autoridades dos EUA.

No Oriente Médio, foi descoberto que o Standard Chartered, com sede em Londres, movimentou fundos para o Arab Bank na Jordânia, mais de dez anos depois que clientes da entidade jordaniana foram descobertos financiando o terrorismo.

E o banco alemão Deutsche Bank supostamente estava movimentando dinheiro sujo relacionado ao terrorismo e ao tráfico de drogas. Este SAR documenta a série de transações que fluíram pelo banco.

Publicidade

Londres – um centro de crime e corrupção

Os arquivos da FinCEN comprometeram centros financeiros em todo o mundo. Entre eles, Londres se destaca como uma capital internacional para crimes financeiros e corrupção.

Uma das maiores descobertas dos arquivos da FinCEN é que o JP Morgan supostamente facilitou a movimentação de mais de US$ 1 bilhão por meio de uma empresa de Londres. No momento das transações, o banco supostamente não tinha ideia de quem estava por trás do dinheiro. Mais tarde, foi descoberto que os fundos poderiam pertencer a Semion Mogilevich, um mafioso russo encontrado na lista dos Dez Mais Procurados do FBI.

Um dos associados mais próximos de Vladimir Putin, Arkady Rotenberg, foi pego sob sanções dos EUA e da UE impostas à Rússia em 2014, após a anexação violenta e ilegal da Ucrânia. Rotenberg deveria ser exilado do uso de serviços financeiros no Ocidente, mas de acordo com os Arquivos da FinCEN, ele tem comprado obras de arte caras usando o banco Barclays em Londres.

Não foram apenas os grandes bancos de Londres que foram pegos nas descobertas. Os arquivos também mostram como o insider do Kremlin, Lubov Chernukhin, financiou o Partido Conservador que governa o Reino Unido com £ 1,7 milhão (US $ 2,1 milhões).

Publicidade

Mas as descobertas não se limitam ao mundo financeiro tradicional.

Como os arquivos da FinCEN se relacionam com o mercado cripto

Os documentos vazados mostram como a indústria de criptomoedas, atormentada por golpes, hacks e esquemas de Ponzi, está conectada ao crime financeiro tradicional.

Mayzus Financial Services, uma empresa de processamento de pagamentos online que supostamente atendeu clientes envolvidos na infame rede de lavagem de dinheiro BTC-e, é mencionada em 36 SARs contidos nos Arquivos FinCEN. De acordo com o Trustnodes, esses 36 SARs tornam a Mayzus Financial Services a entidade mais citada em todo o vazamento.

Após a prisão do suposto proprietário do BTC-e, Alexander Vinnek, a Mayzus Financial Services afirmou que pode ter tido entre seus clientes “entidades legais que poderiam ser operadoras da bolsa BTC-e, ou pessoas privadas que poderiam ser proprietários ou funcionários da exchange BTC-e. ” O comunicado também disse que as informações sobre esses indivíduos foram “encaminhadas para as agências de aplicação da lei da Grã-Bretanha”.

A preocupação levantada pelos arquivos da FinCEN é que pouca ação foi tomada quando os SARs foram arquivados.

Além disso, foi demonstrado que o Bank of New York Mellon, um dos bancos mais antigos da América, transferiu mais de cem milhões de dólares para a pirâmide financeira OneCoin. No valor de US$ 137 milhões, as transações foram sinalizadas para as autoridades americanas, após serem suspeitas de terem sido usadas como meio para ocultar a verdadeira origem dos fundos ilícitos.

*Traduzido e republicado com autorização da Decrypt.co
VOCÊ PODE GOSTAR
ilustração do famoso sapo pepe

PEPE salta 19% e bate recorde após boato de listagem na Coinbase e hype da GameStop

As últimas 24 horas foram uma tempestade perfeita para Pepe: Roaring Kitty voltou causando um boom das memecoins, ao mesmo tempo que se espalhou rumores de listagem na Coinbase
Imagem da matéria: El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

El Salvador lança site de Bitcoin e revela quantas criptomoedas possui hoje; confira

Segundo os dados do mempool, El Salvador comprou 30 bitcoins no último mês
Celular com o logo da CVM e notebook aberto no site da Comissãod e Valores Mobiliários

CVM reconhece ativo de blockchain como token de pagamento

Dynasty Global AG recebeu na última semana a classificação do D¥N como um token de pagamento pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido