Homem hacker com capuz preto mexendo no computador para cibercrime .jpg
Shutterstock

Uma equipe da empresa de cibersegurança Kaspersky encontrou cerca de 3.000 postagens em fóruns da dark web no ano passado discutindo o uso do ChatGPT e modelos de aprendizado de máquina (LLM) para atividades ilegais. O estudo realizado através do serviço Digital Footprint Intelligence da Kaspersky foi publicado pela entidade na semana passada.

De acordo com relatório, os maus atores têm explorado várias alternativas de inteligência artificial (IA) para cometerem crimes cibernéticos, incluindo chatbots — programas que tentam simular a interação humana, e jailbreakings, que é o processo de exploração de falhas de um dispositivo eletrônico bloqueado para instalar outro software que não o disponibilizado pelo fabricante.

Publicidade

Segundo a Kaspersky, as conversas na dark web discutindo o uso de ferramentas de IA para fins ilegais atingiram o pico em março de 2023, enquanto as discussões persistiram durante o resto do ano, como mostra a figura abaixo.

Fonte: Kaspersky Digital Footprint Intelligence

A mesma quantidade aproximada de discussão se refere a roubos de contas e serviços ChatGPT. Neste caso, os ameaçadores oferecem sua criação automatizada em massa, que vem  inundando os canais da dark web.

“Os tópicos frequentemente incluem o desenvolvimento de malware e outros tipos de uso ilícito de modelos de linguagem, como processamento de dados roubados de usuários, análise de arquivos de dispositivos infectados e muito mais”, comenta a analista da Kaspersky, Alisa Kulishenko.

A especialista diz que a popularidade das ferramentas de IA levou à integração de respostas automatizadas do ChatGPT ou seus equivalentes em alguns fóruns de cibercriminosos. “Além disso, os agentes de ameaças tendem a compartilhar jailbreaks por meio de vários canais da dark web e criar maneiras de explorar ferramentas legítimas”, acrescenta.

Publicidade

O estudo diz ainda que vale considerar ameaças de outras vertentes de IAs, como os projetos “XXXGP e FraudGPT”, que são modelos de linguagem sem limitação, ou seja, perigosos, comercializados na dark web.

“Embora as ferramentas de IA em si não sejam inerentemente perigosas, os cibercriminosos estão tentando encontrar formas eficientes de usar modelos de linguagem, alimentando assim uma tendência de redução da barreira de entrada no crime cibernético e, em alguns casos, aumentando potencialmente o número de ataques cibernéticos”, ressalta Kulishenko.

No entanto, acrescenta a analista, é improvável que a Inteligência Artificial Generativa e os chatbots revolucionem o cenário dos ataques, pelo menos em 2024, mas que é crucial para estar à frente dos adversários em termos de segurança cibernética corporativa.

VOCÊ PODE GOSTAR
Bandeira do Japão

Gate.io de saída do Japão: empresa vai transferir clientes para corretoras de criptomoedas locais reguladas

A exchange deixará de aceitar novos registros de contas de residentes japoneses e iniciará o encerramento gradual dos serviços
Donald Trump posa para foto em evento político nos EUA

Trump cobrará R$ 5 milhões de quem quiser dividir mesa com ele em evento de Bitcoin

Uma foto com Trump também custará caro aos participantes, indo de R$ 330 mil a R$ 550 mil
Moedas de bitcoin sob bandeira da Argentina

Argentina sanciona lei que permite aumento de capital de empresas com criptomoedas

Javier Milei também nomeou um especialista em blockchain para liderar Agência Federal de Segurança Cibernética